Causos londrinos: a terra da privatização

Por Allan Patrick

As necessidades mais básicas do ser humanos custam R$ 1,00 em Londres. Foto: Allan Patrick.

O liberalismo veio ao mundo aqui no Reino Unido. Também foi aqui que Margaret Thatcher deu início ao mais feroz processo de privatizações que se tem notícia. E aqui também surgiu a terceira via, uma social-democracia com vergonha de ser social-democrata e que serviu (e serve) de modelo a boa parte da esquerda europeia, tendo influenciado até personagens políticos no Brasil, como o ex-presidente Fernando Henrique. Foram essas pessoas que conseguiram implantar a ideologia do “se privatizar, vai melhorar” na mente das pessoas. Sendo assim, eu não deveria ter razão para me surpreender com o que vejo em Londres. Já citei o elevado custo do metrô, cujas passagens eram subsidiadas até o início dos anos 1980 com base numa alíquota extra do IPTU dos imóveis mais caros de Londres. Essa forma simples e direta de tributação progressiva foi extinta no governo Thatcher. Finalmente, na década passada, foi privatizado e opera como uma Parceria Público-Privada. Uma passagem no metrô londrino pode chegar a custar R$ 10,00.

Nada mais em sintonia com essa linha de raciocínio que os banheiros públicos – todos eles, seja numa estação de trem ou num shopping center – cobrem pedágio para serem utilizados, £ 0.30 (aprox. R$ 1,00).

Também não devemos estranhar que até mesmo o pagamento da restituição de impostos tenha sido privatizado!

No destaque, a comissão cobrada pela empresa privada responsável pela restituição do VAT (o ICMS do Reino Unido).

Portanto, uma compra que fiz no valor de £ 131.00 e que deveria resultar na restituição de £ 21.83 quando deixasse o país, vai ser encolhida para £ 13.30 porque a empresa privada responsável pela restituição vai cobrar de taxa de administração “módicos” £ 8.53. Enquanto isso, na “caótica” Argentina… quando lá estive recebi minha restituição por inteiro sem nenhum intermediário… nem precisando enfrentar maiores trâmites burocráticos do que aqueles que ainda terei que enfrentar aqui.

2 thoughts on “Causos londrinos: a terra da privatização

  1. Patrick, desenvolvemos aqui em Curitiba um debate a respeito de meios de financiamento do Tarifa Zero ou Passe Livre, também junto ao MPL-Curitiba. Seu material é muito interessante, especialmente esta experiência inglesa do IPTU subsidiando o transporte coletivo. Oportunamente poderíamos trocar mais informações sobre esta questão e fazermos um post para os 3 blogs (Caderno do Patrick, Sociedad Peatonal e MPL-Curitiba), o que acha?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *