Causos londrinos: olhe o batente!

Por Allan Patrick

Mind the gap! Foto: Allan Patrick.

Um detalhe que me chama cada vez mais a atenção na vida urbana e a questão da acessibilidade. Porque, se de fato almejamos construir uma sociedade democrática de massas, temos que incluir a todas as pessoas no exercício de seus direitos básicos de cidadadão. E, portanto, devemos ter ambientes urbanos que facilitem ao máximo o acesso a pessoas com dificuldades de locomoção, seja porque são portadores de necessidades especiais, seja pelas condições físicas naturais da idade, como é o caso de crianças e idosos. Faça essa longa introdução formal para registrar minha surpresa com o desastre que é o metrô de Londres, o Underground. Não estou me referindo à entrada das estações, algumas centenárias, onde muitas vezes só estão disponíveis escadas normais e nem escadas rolantes existem (obras milionárias vem sendo realizadas nas principais capitais europeias, inclusive Londres, para adaptar velhas estações e incluir elevadores, se não em todas, na maioria). Refiro-me ao batente existente ao subir (literalmente!) nos vagões. Toda vez que as portas abrem, o sistema de som nos lembra em tom alto e claro: mind the gap! (não se esqueça do batente). Não é excesso de preciosismo, ao contrário da maior parte desses avisos automáticos! Os batentes dos vagões do metrô de Londres são realmente imponentes.

Pode-se argumentar: ora, se para chegar ao embarque tivemos que subir e/ou descer escadas, qual o problema de mais um “batentezinho”? O problema é que esse “batentezinho”, como vemos na foto aí de cima, ao contrário dos batentes das escadas, não é bem sinalizado, prejudicando quem tem alguma debilidade na visão. E, lembrando ainda, esse batente é transposto no momento de maior tensão e pressa, quando dezenas de pessoas estão querendo entrar ou sair do trem (pense na hora do rush!).

A mesma imagem, agora ressaltando o "gap".

Sei que alguém pode contra argumentar a minha reclamação lembrando da absurda “escadaria” que temos que encarar nos ônibus brasileiros. Há aí, contudo, uma diferença fundamental. Infelizmente, nossos ônibus tem que ser preparados para enfrentar estradas e ruas em péssimas condições. Isso os faz assumir praticamente características de veículos off-road (preste atenção na próxima vez que você vir um ônibus escolar da rede pública, um destes recém-adquiridos pelo Ministério da Educação: parecem hummers). Já o metrô londrino circula em ambiente absolutamente controlado e imutável. É uma falha inaceitável, ainda mais se você lembrar que este é um dos metrôs mais caros do mundo (a viagem simples sai por £ 4.00 ou R$ 10,40 em 12/06/2011).

Atualização em 17/06/2011

Essa situação é tão constrangedoramente notória, que há até um artigo na wikipédia (inclusive traduzido para o português!)

9 thoughts on “Causos londrinos: olhe o batente!

  1. Detalhes interessantes, caro amigo… Não só por nunca ter ido até Londres mas também por nunca me deter nesses pormenores nunca reparei em tais detalhes.

    O “normal” (no meu entender) seria que uma situação dessas eu visse no Brasil, e não em London, London.

    Vivendo e aprendendo.

    Abraço.

    Jônatas

    • Grande Jônatas, mais uma vez seja bem vindo por aqui. Vou tentar abordar mais questões como essa sobre Londres. Questões que normalmente não atraem o interesse da mídia, mas que são importantes, ao menos no nosso ponto de vista. Um grande abraço e fique à vontade para divulgar ou repassar as matérias.

  2. Só adicionando algo que eu não vi você comentar. Deficientes físicos, mais especificamente os que precisam de cadeiras de rodas, aparentemente tambem não podem utilizar esses serviços.

  3. Acessibilidade, a cara de Patrick.

    Me lembro de nós dois andando nas ruas de Petrolina/PE com as calçadas cheias de buracos e logo adivinhei os pensamentos do nosso amigo e perguntei: – E a acessibilidade aqui Patrick? kkkkkkkkkkkkkk

    Não era em Londres que este assunto passaria em branco!!!

  4. É Patrick, ter desenvolvimento sem ordenação da margem para que escapa os detalhes, FUNDAMENTAIS, chamados de acessibilidade.
    Agora,Petrolina/PE ainda está engatinhando…rsrsrs

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *