Arábia Saudita, paraíso da escravidão moderna

Por Allan Patrick

Imigrantes na Arábia Saudita. Foto: AFP via Allvoices.

Existem diversas formas de manifestação contemporânea do trabalho escravo. Uma das mais disseminadas e, paradoxalmente, menos divulgada é a da exploração de imigrantes nos países ricos da península arábica.  Embora tenhamos no Brasil diversas ocorrências de escravidão por dívida – que nos envergonham gravemente – ao menos os nossos agentes públicos, como os fiscais do trabalho, dentro das suas possibilidades, agem para combater essa prática.

No caso da Arábia Saudita, a situação é muito pior, pois é uma prática respaldada pelo governo. País que só aboliu a escravidão tradicional em 1962, a Arábia Saudita mantém um sistema legal generoso com patrões que abusam de empregados imigrantes, mantendo-os coagidos sob o poder de domínio em relação aos seus vistos. Os imigrantes só podem sair legalmente da Arábia Saudita e retornar à seus países com o “de acordo” de seus patrões, uma porta aberta ao abuso. Hoje (26/06/2011), o dominical britânico The Observer aborda, na reportagem Lost in a wilight world, far from home – migrante ate mercy of Saudi ‘madams’ os abusos sofridos pelas cerca de 500 mil empregadas domésticas estrangeiras que vivem na Arábia Saudita, a maioria originária de regiões pobres da Índia e das Filipinas. Uma pena que a CartaCapital, que detem os direitos para publicar em português matérias do The Observer, dê preferência a reportagens sobre fofocas políticas do que a investigações de peso, como esta.

Um ponto que pessoalmente me irrita nessa questão é que, por ter um marco legal tão “favorável” ao empregador, a Arábia Saudita é tida pelo Banco Mundial como um dos melhores países do mundo na lista do relatório Doeing Business, sobre o qual já escrevi aqui no caderno. E esse relatório, como uma praga, vira e mexe aparece como ponto de referência dentro da administração pública brasileira. Fruto dos inúmeros acordos de consultoria internacional entre a administração pública e as agências internacionais, como o Banco Mundial.

Veja também:

Banco Mundial, o relatório Doeing Business e a escravidão.

Brasil e o primeiro debate dos candidatos republicanos

Por Allan Patrick

Tim Pawlenty, governador de Minnesota. Foto: Wikipédia.

Ocorreu na semana passada, em Manchester (New Hampshire), o primeiro debate pra valer dos candidatos que concorrem nas primárias para a escolha de quem será o republicano a desafiar o Presidente Barack Obama nas eleições do próximo ano. O Brasil foi citado durante o debate por Tim Pawlenty, governador de Minnesota e um dos favoritos a ser escolhido pelos eleitores republicanos:

 JOHN KING (moderador do debate): I’m going to try to ask all of you to keep the follow-ups to 30 seconds, as we can, so we can get more in. Governor Pawlenty, answer the critics—and as you do so—who say five percent every year is just unrealistic. And as you do so, where is the proof? Where is the proof that just cutting taxes will create jobs? If that were true, why—during the Bush years, after the big tax cut, where were the jobs?

TIM PAWLENTY: Well, John, my plan involves a whole plan, not just cutting taxes. We’re proposing to cut taxes, reduce regulation, speed up this pace of government, and to make sure that we have a pro-growth agenda. This president is a declinist. He views America as one of equals around the world. We’re not the same as Portugal. We’re not the same as Argentina. And this idea that we can’t have five percent growth in America is hogwash. It’s a defeatist attitude. If China can have five percent growth and Brazil can have five percent growth, then the United States of America can have five percent growth. And I don’t accept this notion that we’re going to be average or anemic. So, my proposal has a five percent growth target. It cuts taxes, but it also dramatically cuts spending. We need to fix regulation. We need to have a pro-American energy policy. We need to fix healthcare policy. And if you do those things, as I’ve proposed, including cut spending, you’ll get this economy moving, growing the private economy by shrinking government. (grifo nosso)

Fonte: Democracy Now, 14 de junho de 2011.

Então fica aí registrado que o Brasil conseguiu passar ao grande público internacional uma imagem de que é uma nação em ritmo acelerado de crescimento.

O segundo tempo da crise econômica mundial

Por Allan Patrick

Protestos na Grécia. Foto: Wikipédia.

Tudo indica que se aproxima o segundo tempo da crise econômica mundial. Mas antes de falar sobre isso, vamos fazer uma breve recapitulação da fase aguda da crise em 2008. Quem teve a oportunidade de ver um filme como Inside Job ou ler algum livro sobre o assunto já deve estar a par de como os eventos se sucederam.

De início tinhamos uma bolha imobiliária no mercado americano, alimentada pelo sistema financeiro. Até os anos 1990, os bancos estavam submetidos a intensa regulamentação, o que – simplificando bastante – lhes impedia de agir tão temerariamente como fizeram na primeira década deste século XXI. Como funcionava essa bolha? As imobiliárias vendiam imóveis agressivamente, oferecendo condições extremamente atrativas de financiamento (e sem consulta ao “SPC e Serasa”!) a qualquer um, inclusive pessoas em situação financeira precária. Os beneficiários desses empréstimos eram conhecidos no mercado como ninjas (do inglês No Income, No Job, No Asset, ou sem renda, emprego ou bens).

Mas por que os bancos não se recusavam a financiar esses compradores que as imobiliárias displicentemente lhes encaminhavam? Por duas razões principais: a primeira é que o mercado imobiliário estava em alta. Portanto, se o banco empresta US$ 250 mil e um ano depois o cliente está inadimplente, toma a casa de volta e torna a vendê-la no mercado… agora por US$ 300 mil. Portanto, eram empréstimos com boas garantias (desde que o mercado imobiliário continuasse em ascensão).

A segunda razão para a despreocupação dos bancos era o fato de que eles não mantinham esses empréstimos em suas carteiras. Eles eram “empacotados” em fundos de investimento, avaliados por empresas de análise de risco (rating), e oferecidos ao mercado, que os adquiria. Esses fundos eram chamados de subprime porque se sabia que os tomadores dos empréstimos que constituiam os ativos desses fundos não eram pagadores de “primeira linha”.

Quando a música parou de tocar, ou seja, quando os imóveis alcançaram seu teto de valor, e o mercado começou a “perceber” a fragilidade do esquema, o banco de investimentos Lehman Brothers quebrou, porque tinha uma grande quantidade de fundos de investimento subprime em sua carteira que ainda não havia conseguido revender no mercado. Com a quebra do Lehman Brothers, no mercado financeiro todo mundo começou a desconfiar de todo mundo e ninguém emprestava a mais ninguém, dando o pontapé inicial à crise de 2008.

Muita gente se deu mal diretamente, como bancos europeus, que haviam adquirido grandes quantidades de quotas dos fundos subprime. A AIG, empresa seguradora, faliu estrepitosamente, pois vários bancos, por precaução, ao adquirirem quotas de fundos subprime, faziam seguros (tecnicamente, derivativos conhecidos como credit default swaps ou CDS) para se garantirem no caso dos fundos quebrarem, o que, de fato, veio a ocorrer. Não só os bancos que queriam se proteger pagaram por CDS junto à AIG, mas também especuladores que começaram a perceber que o castelo de cartas estava prestes a ruir. A AIG, ávida pelo lucro “fácil”, já que os fundos subprime tinham boas notas acreditadas pelas agências de risco, não se constrangeu e comprou “risco” em grandes quantidades. O salvamento da AIG pelo governo americano talvez tenha sido o evento singular na história da humanidade em que mais se transferiu dinheiro (US$ 55 bi) da coletividade (300 milhões de contribuintes americanos) para umas poucas centenas de indivíduos e corporações.

2011

E aí chegamos em 2011. Uma das consequências da crise de 2008 foi que todos os esquemas temerários do mercado financeiro ficaram vulneráveis, porque todos os agentes passaram a analisar com lupa o que acontecia. Desta forma, foram pegos com as calças na mão os bancos islandeses e irlandeses, envolvidos em suas próprias bolhas especulativas. Devedores temerários, como o governo grego, e quem teve que gastar muito dinheiro público para segurar o seu mercado bancário, como Irlanda, Portugal e Espanha, também passaram a sofrer um maior escrutínio em seus débitos.

A Grécia, que já era uma grande devedora, teve que adotar, sob pressão da União Europeia, uma agenda econômica recessiva, o que fez o seu PIB recuar e, portanto, o valor da sua dívida pública, em termos de % sobre o PIB, disparar. O que seria um problema da Grécia, na verdade é um problema alemão e francês, porque tal como o Lehman Brothers em 2008, os grandes bancos desses dois países estão carregados de títulos da dívida pública grega e, possivelmente, também de títulos de empresas privadas desse país. A quebra grega afetaria de forma imprevisível os dois gigantes da União Europeia. Até o momento a dívida grega vem sendo rolada, pois não é do interesse de ninguém que a música “pare” novamente, mas esse movimento não é indefinido. Um sintoma de que a situação pode estar se agravando é a notícia publicada no Wall Street Journal na semana passada indicando que o Santander não conseguiu passar adiante quotas de um fundo de investimento no qual havia empacotado títulos da dívida pública de governos regionais da Espanha. Ou seja, ficou com o pepino na sua própria carteira de crédito. Parece que a música vai parar de tocar…

Consequências

Na melhor hipótese, teremos uma repetição dos acontecimentos de 2008. Em tese, poderia ocorrer uma nova disparada temporária do dólar no Brasil, pois investidores afetados pela crise tentariam fazer caixa vendendo ativos no país. De um modo geral, a situação econômica no mundo seria bem pior do que em 2008, pois estaríamos falando de uma queda dentro da queda… um cenário temerário.

Mas, também hipoteticamente, o Brasil pode vir a passar mais uma vez incólume por esse segundo tempo da crise. Tudo vai depender da China. Paradoxalmente, por esse país ainda se concentrar, de um modo geral, na produção de itens de baixo custo, talvez sua economia não seja tão afetada por uma recaída europeia e americana.

Veja também

Como a crise atual (2008) se compara com a de 1929?
Europa: um desastre da Grécia à Letônia.
O Banco do Brasil salvou o país da crise.
– Tudo o que publicamos sobre a crise financeira.

Causos londrinos: o empoderamento feminino

Por Allan Patrick

A participação da mulher no mercado de trabalho mostra como ainda estamos muito atrasados em relação a Londres, principalmente por ser um problema cuja solução depende unicamente da nossa vontade de agir. Ver mulheres no comando dos ônibus e das composições de trem e metrô, apenas para ilustrar a diferença com um exemplo público e notório, é sintoma de uma sociedade sadia.

Mulher no volante, sociedade pujante.

Causos londrinos: o oyster card

Por Allan Patrick

Oyster card, um smartcard "esperto".

Como já tive a oportunidade de registrar, o custo de uma passagem simples no metrô de Londres é absurdamente alto (£ 4.00 ou R$ 10,40). A alternativa para gastar menos é o Oyster Card, um smartcard que deve ser usado toda vez que se entra e sai das estações do metrô. Além de oferecer um desconto significativo, ele calcula automaticamente o menor custo para a viagem do usuário. Isso porque o metrô de Londres não utiliza tarifa única; ele possui um sistema de zonas e o custo das viagens varia conforme o passageiro as cruza. É bastante complicado de entender e penaliza os morados dos bairros mais distantes (e pobres).

Eu diria que o oyster não é um cartão “inteligente” (smart), mas “esperto” (na pior conotação que damos à palavra no Brasil). Eu tive o desprazer de usar a linha DLR do metrô (que, vejam só, pertence a um operador diferente daquele que administra as outras linhas). O problema é que, por ser um operador diferente, nessa linha a sinalização do local onde você deve registrar a sua saída com o oystercard é diferente (e quase imperceptível). Justamente foi isso que me ocorreu, eu passei desapercebido pelo local onde deveria registrar o “touch out” do oystercard ao sair da estação. Como eu estava indo pra estação de trem contígua à estação final dessa linha de metrô, vi uma catraca igual à que se usa na saída das estações tradicionais do metrô (só que, pro meu infortúnio, era na verdade a catraca de entrada da estação de trem). Então, ao invés de registrar minha “saída” do metrô, o que eu fiz foi registrar minha “entrada” no sistema ferroviário. Ter deixado minha saída do metrô em aberto fez o meu cartão ser debitado pela tarifa cheia do metrô. Pior, ter registrado minha entrada no sistema ferroviário (pensando que era a saída o metrô) me fez pagar também a tarifa cheia dos trens (que é de £ 8.00), além de ter comprado o próprio ticket do trem. Não entendeu? Não se preocupe, você é uma pessoa razoável, porque eu também não entendi e só descobri o ocorrido no momento de voltar pra casa, quando percebi que o saldo do meu cartão estava negativo (gastei meia hora rachando a cabeça, olhando pro extrato on-line na máquina de auto atendimento, até entender o que tinha ocorrido). Resultado: o meu oystercad foi debitado na tarifa máxima na rede ferroviária e do metrô. Perdi umas 10 libras nessa história (quase R$ 30,00).

Veja também:

Causos londrinos: a terra da privatização

Causos londrinos: olhe o batente!