Biutiful

Por Allan Patrick

Cartaz para o cinema de Biutiful

Finalmente tive a oportunidade de ver Biutiful no cinema, neste fim de semana. Como todos os filmes do mexicano Alejandro González Iñárritu que tive a oportunidade de ver, tem uma narrativa social muito forte e personagens e histórias construídas a partir dos que estão à “margem” do mundo, de forma muito intensa e real. Sinto-me tão desconfortável vendo seus filmes quanto lendo uma obra de Dostoiévski, Émile Zola ou Victor Hugo.

Mas, para citar mais uma vez Ortega y Gasset, “Eu sou eu e minhas circunstâncias“, o que me tocou pessoalmente em relação ao filme foi que fiz, como turista, uma viagem a Madri no final de 2008 e, apesar de me concentrar nas amenidades que agradam um viajante, não pude deixar de notar diversas disfunções sociais que o filme relata com muita precisão. Imaginei que o filme tivesse sido planejado no pós-crise, mas em realidade ele começou a ser rodado exatamente no mesmo período em que estive na Espanha, momento em que o país mal havia entrado na ressaca do estouro da bolha imobiliária e ainda surfava o fim da onda da euforia desfrutada desde a adesão ao euro.

Três episódios que me marcaram nessa viagem foram testemunhar o covarde abuso verbal de um membro da polícia nacional em relação a um imigrante africano (tanto destempero policial, no Brasil, eu só testemunhei em São Paulo), a tentativa de duas crianças de me aplicarem um golpe num caixa eletrônico e a abordagem agressiva de um agenciador de garotas de programa. Todos esses fatos ocorridos na Gran Vía, a principal avenida de Madri. (O filme se passa em Barcelona, mas para o assunto que estamos tratando, sinto dizer, não há diferença, para além do bairrismo, entre catalães e madrilenhos).

Mídia

Não pude deixar de notar, ao pesquisar para escrever este texto, que o jornal espanhol Público, que se posiciona mercadologicamente como progressista e de esquerda, publicou à época do lançamento do filme uma resenha em que acusa a obra de fazer “exploração da miséria“. Surpreendente, não fosse pelo fato de que o jornal pertence ao Mediapro, conglomerado de mídia catalão interessado em vender uma outra imagem de Barcelona (Vicky Cristina Barcelona, de Woody Allen, foi produzido pelo Mediapro).

2 thoughts on “Biutiful

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *