O gasolinazo e a reação popular

Por Allan Patrick

Evo Morales. Foto: Simon Wedege.

Num dos textos mais recentes, O alto custo da gasolina barata, escrevi sobre o que considerei um acerto do governo boliviano em suprimir os subsídios ao combustível em seu país. Como presenciei em primeira mão (estava em Rondônia e não pude visitar a Bolívia), vários movimentos sociais realizaram protestos contra a medida. O ponto de vista desses movimentos foi bem exposto pelo sociólogo Pablo Mamani Ramírez no artigo O levante contra o “gasolinazo” na Bolívia, publicado na Carta Maior e republicado no Fazendo Media. O ponto mais crítico é uma suposta capitulação neoliberal:

O governo, com a medida tomada, estava dando uma clara guinada na direção de um liberalismo de mercado com rosto índio, pois reaparecia de forma oficial a lei de oferta e procura. Além disso, era um reconhecimento explícito do fracasso da “nacionalização dos combustíveis”. Sobre esse ponto, anunciava-se que se abririam incentivos a investimentos das petroleiras transnacionais para atividades de perfuração e exploração, e a venda de combustíveis no mercado nacional e internacional, ainda que de forma mediada pelo Estado.

O jornal argentino Página 12 publicou uma análise mais ponderada:

A Bolívia importa petróleo a 90 dólares o barril e o revende a 27 no mercado interno. O litro de gasolina custa cinquenta centavos, contra dois pesos na Argentina, onde os subsídios são dirigidos ao transporte público, enquanto na Bolivia vão para o combustível. A Bolívia é um dos grandes produtores mundiais de gás natural, mas é obrigada a importar gás de cozinha ou GLP da Argentina, porque não tem refinarias. O gás natural que produz só é útil para distribuir através da rede encanada, mas menos de 15% da população tem acesso a essa rede, enquanto o grosso da população tem que se virar com lenha ou com o produto importado. Como a Bolívia não fabrica carros nem ônibus, todo o parque automotivo é importado e funciona a gasolina, em vez de gás natural veicular (GNV). A produção de petróleo na Bolívia caiu este ano em 50% porque tem como destino o mercado interno e ninguém tem interesse em produzir petróleo a 27 dólares quando pode fazê-lo a 90.

A necessidade de subsidiar o transporte público, ainda que não seja através do combustível, é mais do que evidente na Bolívia, o país com a renda per capita mais baixa do subcontinente. Mas, na situação atual, um litro de gasolina é mais barato que uma garrafa de água e a indústria petrolífera fica com boa parte do lucro.

Todos esses transtornos tem uma raiz comum: a falta de investimentos. São necessários montantes muito elevados de dinheiro para instalar canalizações, produzir GLP, converter o parque automotivo e extrair mais petróleo para o mercado interno.

Essa é uma encruzilhada comum para qualquer governo de esquerda. A empresa pública de petróleo, Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) havia sido esquartejada e privatizada durante o governo de Gonzalo Sánchez de Lozada (o “Goni”). O Estado boliviano é fraco e pobre. Não lhe resta alternativa senão captar investimento privado para o setor. Mas há uma diferença fundamental em relação aos governos anteriores, que os movimentos sociais não estão analisando adequadamente: agora o marco tributário e regulatório do setor de petróleo e gás é mais equilibrado e remunera adequadamente o país, o que lhe dá a esperança de construir um presente melhor e mais justo.

Não passa desapercebido, no entanto, a incapacidade de Evo Morales e sua equipe de comunicar-se adequadamente com a população.

Veja também:

O alto custo da gasolina barata.

Atualização:

Em 30/05/2011, a Carta Maior publicou uma entrevista, “A Bolívia vive um novo momento da sua história”, com o vice-presidente boliviano, Álvaro García Linera, na qual ele faz uma avaliação do episódio.

One thought on “O gasolinazo e a reação popular

  1. Patrick, desculpa o off-topic, mas respondendo ao que vc me perguntou no blog da Lola, recomendo que vc comece pelo que mais lhe interessar, tomando o cuidado de ler o autor em questão com suas próprias palavras antes de ler comentários a respeito dele. Ok? Procure uma bibliografia, e vá lendo a lista de livros, folheie algum, e veja se algum te interessa.

    Um abraço

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *