A consciência de um liberal, de Paul Krugman

Por Allan Patrick

Capa da edição brasileira. Editora Record.

Há um bom tempo eu acompanho os artigos do economista Paul Krugman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2008. Mais recentemente, tenho lido seu blog. Esta semana, por uma infelicidade, sofri um acidente de carro (estou fisicamente perfeito, embora o evento por muito pouco não tenha sido catastrófico), o que me deixou mais de duas horas abandonado numa BR à espera de um guincho tendo como única companhia uma das últimas obras de Krugman, “A consciência de um liberal“. Trágica ironia: num momento eu poderia ter perdido a vida, 15 minutos depois eu estava acompanhando a prazerosa exposição de Krugman.

Uma breve explicação para quem não conhece o cenário político nos Estados Unidos. No Brasil, liberais (ou, mais recenemente neoliberais, neo = novo) são aqueles que defendem a liberdade econômica para o capital. Nos Estados Unidos, no contexto político atual, liberais são aqueles que defendem a liberdade para o ser humano, que só pode ser satisfeita com a existência alguma estrutura pública e coletiva, tais como a previdência social, a educação pública de qualidade e a saúde pública e gratuita universal.

Pois bem, este é o primeiro livro de Krugman, que tive a oportunidade de ler(*), e fiquei com uma ótima impressão do autor. Na obra, o autor discorre sobre como os Estados Unidos eram uma nação bastante desigual antes do New Deal, como este resultou numa rápida redução das desigualdades no país num brevíssimo período de tempo (que ele denomina “a grande compressão”), tendo Franklin Delano Roosevelt utilizado-se de vários instrumentos para alcançar esse feito, sendo o principal a progressividade fiscal (mais impostos para os mais ricos). E mostra, sempre com base em muitos dados e referências como bom acadêmico que é, como foi o New Deal que criou a sociedade de classe média nos Estados Unidos da América. Krugman narra ainda as décadas de ataque sofrido pelo estado de bem-estar social por parte do “movimento conservador radical”, cujo ápice foi a presidência de George W. Bush, e se mostra esperançoso com as perspectivas para o futuro, valendo-se para tanto de dados demográficos que projetam perspectivas mais otimistas para políticos progressistas do seu país nos próximos anos.

Um ótimo complemento para o livro “Maus Samaritanos“, de Ha-Joon Chang, que comentamos recentemente (aqui).

(*) trecho entre vírgulas acrescentado em 05/12/2012.

5 thoughts on “A consciência de um liberal, de Paul Krugman

  1. Rapaz, eu até fiquei interessada no livro e tal, mas o que me faz te escrever é a preocupação mesmo. O que aconteceu? Como foi isso? Vc está bem de verdade? Ninguém se machucou?
    Cuide-se que eu ainda quero te ler por muito tempo!

    • Obrigado pela mensagem, Ana Paula. Eu fazia o trajeto Natal-Mossoró de carro, como quase todas as semanas, quando um caminhão invadiu a faixa da esquerda para fazer uma ultrapassagem e veio em direção a mim. Isso já me ocorreu umas duas ou três vezes na vida, mas nunca de forma tão brusca e com tão pouco tempo para reação. Tive que jogar o carro no acostamento de qualquer jeito numa fração de segundo. Felizmente, o acostamento estava em boas condições e o resultado foi leve, à vista do que poderia ter acontecido. Apenas um pneu estourado, o eixo da roda traseira empenado e o tanque de combustível furado. Ninguém se machucou.

  2. Meu caro Allan Patrick, gostei muito dos seus comentários a respeito do livro do Paul Krugman, A Consciência de um Liberal. Sou, no entanto, suspeito, já que fui eu quem traduziu a obra para o português. Só gostaria de fazer um reparo aos seus comentários. Você afirmou que esse era o primeiro livro do autor, mas não é verdade. Paul Krugman é autor de vários outros livros e, inclusive, os seus manuais de economia internacional e de introdução à economia são adotados em inúmeras universidades, no Brasil e no mundo. Aliás, foi justamente pelo seu trabalho desenvolvido na campo da economia internacional que ele recebeu o seu prêmio Nobel de economia. Abraços e um bom fim de semana, Alexandre de Oliveira Kappaun

    • Caro Alexandre, obrigado pela visita e pelo comentário. Você está plenamente certo, foi um erro meu, eu quis dizer que era o primeiro livro de Krugman que eu tinha o prazer de ler, não que era a sua primeira obra a ser publicada.

      • Caro Allan,

        Obrigado pela atenção em ler e comentar as minhas observações.

        Abs,
        Alexandre de Oliveira Kappaun

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *