Chile vai elevar ITR e IPTU

Por Allan Patrick

Sebastián Piñera, Presidente do Chile. Roosewelt Pinheiro/Agência Brasil.

Vi a notícia no blogue do Brizola Neto, o Tijolaço (a matéria original saiu no Estado de S. Paulo).  Para arcar com os custos da reconstrução da nação, o Chile vai elevar os impostos sobre a propriedade dos imóveis que estejam no topo dos 5% mais caros do país. E, ainda, vai alterar a destinação dos royalties do cobre (o pré-sal dos chilenos), atualmente destinada ao aparato militar, para financiar atividades do governo civil. É uma notícia tão boa que, reconheço, tenho até dificuldade em acreditar.

Veja também:

Chile, terremoto e estado mínimo.

Como Milton Friedman não salvou o Chile.

Capitalismo, uma história de amor

Capitalismo: uma história de amor. De Michael Moore.

Por Allan Patrick

Acabei de ver o último filme de Michael Moore, Capitalism: A Love Story. Incisivo como suas obras anteriores, me prendeu do começo ao fim. Além de abordar Wall Street com a mesma técnica que adotou ao tratar das empresas de seguro saúde americanas em Sicko, Moore coloca na tela várias histórias que já são conhecidas de quem teve a oportunidade de ler suas obras. Os relatos de pilotos de companhias aéreas americanas que tem salários tão pequenos que precisam se registrar no programa de food stamps (o bolsa família americano; horror, quer dizer que há um bolsa família nos Estados Unidos??) já estavam presentes em Cara, cadê o meu país? Mas desta vez não é apenas George Bush o único político a dar vexame. O Senador democrata Christopher Dodd é mostrado embolsando, de forma legal mas imoral, US$ 1 milhão em empréstimos graciosamente subsidiados pela Countrywide (atualmente incorporada ao Bank of America). E depois a turma do complexo de vira-latas vem dizer que nós é que somos um povo corrupto. A propósito, o mês passado eu tinha visto a notícia de que esse Senador não seria candidato à reeleição, mas a matéria não dizia o porque. Pois é, agora fiquei sabendo que o filme de Michael Moore foi a pá de cal nas pretensões do Senador. Recomendo fortemente o filme que, por enquanto e tragicamente, não foi lançado no Brasil, estando disponível apenas em DVD no exterior (na Amazon, por exemplo).

Eduardo Galeano e os professores

De pernas pro ar. A escola do mundo ao avesso. De Eduardo Galeano. Coleção L&PM Pocket, 2009. Pág. 185:

De pernas pro ar, a escola do mundo ao avesso. De Eduardo Galeano.

Em fins de 1997, Leonardo Moledo publicou um artigo em defesa dos baixos salários no ensino argentino. Esse professor universitário revelou que as magras compensações aumentam a cultura geral, favorecem a diversidade e a circulação de conhecimentos e evitam as deformações da fria especialização. Graças ao seu salário de fome, um catedrático que, pela manhã, ensina cirurgia no cérebro, pode enriquecer sua cultura e a cultura alheia fazendo fotocópias à tarde e, à noite, exibindo suas habilidades como trapezista de circo. Um especialista em literatura germânica tem a estupenda oportunidade de atender também um forno de pizza e à noite pode desempenhar a função de lanterninha do Teatro Colón. O titular de Direito Penal pode dar-se o luxo de manejar um caminhão de entregas de segunda a sexta e, nos fins de semana, dedicar-se aos cuidados de uma praça, e o adjunto de biologia molecular está em ótimas condições para aproveitar sua formação fazendo bicos em chapeação e pintura de automóveis.

Made in Madrid

Por Allan Patrick

De vez em quando eu me vejo na obrigação de publicar algo sobre os casos de corrupção que pipocam no exterior, apenas para desmitificar o complexo de vira-latas nelsonrodriguiano das pessoas que repetem o chavão anti-povo de que o Brasil é a terra da corrupção. A nota é do blogue de Ignacio Escolar e vai aqui traduzida:

Um novo milagre desses que só acontecem na corte de Esperanza Aguirre (N. do T.: governadora da Comunidade Regional de Madri), a condessa de Fundescam (N. do T.: uma ONG que só existia no papel, presidida pela governadora e que financiava campanhas do seu Partido Popular) a Comunidade de Madri gastou 1.250.000,00 euros numa campanha publicitária fantasma da qual ninguém ouviu falar, tendo desaparecido sem deixar nenhum rastro, como se tivesse sumido no Triângulo das Bermudas (ou quem sabe em algum outro paraíso fiscal). É o primeiro caso conhecido de publicidade clandestina, um verdadeiro oxímoro. Essa invenção tinha por nome Made in Madrid e, teoricamente, esse dinheirão foi investido em anúncios e em merchandising, em 50 mil folhetos e 100 mil canetas com o simpático bordão. Se você tiver um em casa, guarde-o bem, pois a pesar da extensa tiragem é alvo de colecionadores: nada se sabe dos folhetos, das canetas nem do próprio Made in Madrid; uma campanha que, casualmente, foi encomendada a um dos fornecedores habituais da trama Gürtel (N. do T.: extenso caso de corrupção, investigado sob pelo juiz Baltasar Garzón, envolvendo o Partido Popular) e que, também por coincidência, foi escolhido em procedimento emergencial às vésperas das eleições regionais de 2007.

P.S.: não é a toa que Baltasar Garzón é tratado pelo Tribunal Supremo da Espanha de modo semelhante ao juis De Sanctis no nosso STF.

Veja também:

José Saramago defende o juiz Baltasar Garzón.

Atualização em 12/04/2010:

A Carta Maior publicou um artigo mais extenso sobre o tema: clique aqui.