O Haiti e a “ajuda” internacional

Por Allan Patrick

Localização do epicentro do terremoto.

Para deixar mais claro o motivo da preocupação de Naomi Klein no texto que publicamos ontem (15/01/2009), transcrevemos aqui trechos do artigo publicado por Bill Quigley no Huffington Post e traduzido por Azenha no Vi o Mundo.

Na última década, os Estados Unidos cortaram ajuda humanitária ao Haiti, bloquearam empréstimos internacionais, forçaram o governo do Haiti a reduzir serviços, arruinaram dezenas de milhares de pequenos agricultores e trocaram apoio ao governo por apoio às ONGs.

O resultado? Pequenos agricultores fugiram do campo e migraram às dezenas de milhares para as cidades, onde construiram abrigos baratos nas colinas. Os fundos internacionais para estradas, educação e saúde foram suspensos pelos Estados Unidos. O dinheiro que chega ao país não vai para o governo mas para corporações privadas. Assim o governo do Haiti quase não tem poder para dar assistência a seu próprio povo em dias normais — muito menos quando enfrenta um desastre como esse.

(…)

Em 2001, quando os Estados Unidos estavam contra o presidente do Haiti, conseguiram congelar 148 milhões de dólares em empréstimos já aprovados e muitos outros milhões de empréstimos em potencial do Banco Interamericano de Desenvolvimento para o Haiti. Fundos que seriam dedicados a melhorar a educação, a saúde pública e as estradas.

Entre 2001 e 2004, os Estados Unidos insistiram que quaisquer fundos mandados para o Haiti fossem enviados através de ONGs. Fundos que teriam sido mandados para que o governo oferecesse serviços foram redirecionados, reduzindo assim a habilidade do governo de funcionar.

Os Estados Unidos tem ajudado a arruinar os pequenos proprietários rurais do Haiti ao despejar arroz americano, pesadamente subsidiado, no mercado local, tornando extremamente difícil a sobrevivência dos agricultores locais. Isso foi feito para ajudar os produtores americanos. E os haitianos? Eles não votam nos Estados Unidos.

Aqueles que visitam o Haiti confirmam que os maiores automóveis de Porto Príncipe estão cobertos com os símbolos de ONGs. Os maiores escritórios pertencem a grupos privados que fazem o serviço do governo — saúde, educação, resposta a desastres. Não são guardados pela polícia, mas por segurança privada pesadamente militarizada.

O governo foi sistematicamente privado de fundos. O setor público encolheu. Os pobres migraram para as cidades.

E assim não havia equipes de resgate. Havia poucos serviços públicos de saúde.

Quando o desastre aconteceu, o povo do Haiti teve que se defender por conta própria. Podemos vê-los agindo. Podemos vê-los tentando. Eles são corajosos e generosos e inovadores, mas voluntários não podem substituir o governo. E assim as pessoas sofrem e morrem muito mais.

Os resultados estão à vista de todos. Tragicamente, muito do sofrimento depois do terremoto no Haiti  é “Feito nos Estados Unidos”.

Veja também:

O Haiti e a Doutrina do Choque.

Os imprescindíveis.

O Haiti por Eduardo Galeano.

Porque os Estados Unidos devem bilhões ao Haiti.

2 thoughts on “O Haiti e a “ajuda” internacional

  1. É um País de negros, obviamente os preconceituosos norte americanos fizeram de tudo para deixar miserável, o já miserável país.

    Fora que ele pode ser uma excelente base militar para investidas contra a America do Sul.

    O Hugo que não se cuide…

  2. Pingback: 3º GUERRA MUNDIAL SENDO FOMENTADA AGORA – ILLUMINATIS – GRUPO BILDERBERG | planetabrutal

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *