Racismo à brasileira

Por Allan Patrick

Já vimos neste Caderno como o racismo, no mundo dito “civilizado”, pode aparecer de maneira transparente: Racismo escancarado, O referendo suíço, Olhos Azuis, Golpista chama Obama de “ese negrito”.

No Brasil, o estilo é outro, embora a discriminação seja a mesma. No passado fim de semana (12 e 13/dez/2009), tive a oportunidade de visitar minha cidade de origem: Natal, Rio Grande do Norte. Tinha ouvido de amigos e familiares diversas críticas à decoração natalina preparada pela Prefeitura Municipal (administração Micarla de Souza, Partido Verde), mas não esperava surpreender-me de forma tão negativa. A decoração natalina da cidade choca pela maneira quase exemplar de demonstrar como funciona o racismo à brasileira: sutil, mas contundente.

Como uma imagem vale mais do que mil palavras, seguem algumas que valem por um livro:

Anjo de cabelo vermelho.

Você já viu um nordestino de cabelo vermelho? Nem eu!

Anjo élfico.

E este anjo? Parece um elfo d’O Senhor dos Anéis. Bela referência à cultura… anglosaxã!

Uma anjo galega.

Esta anjinho é linda, não? Vamos supor que é uma homenagem à parcela de nossos antepassados galegos.

Papai Noel.

Papai Noel. De bochechas rosadas, como não haveria de ser? A cota dos galegos parece já ter sido ultrapassada…

Duende (espantalho?).

O que o Espantalho do Mágico de Oz faz por aqui? Seria um dos duendes da fábrica do Papai Noel? Por isso a carinha de quem acabou de chegar da Lapônia.

Anjo com bordado de cajus.

Ah, agora sim. Respeito à cultura e ao povo potiguar! Uma referência ao caju, fruto nativo do Rio Grande do Norte! Mas o anjo precisava ser loiro e ter as bochechas rosadas?

Anjo com bordado de praias e dunas.

Mais um tema regional. E mais um galeguinho!

Anjo com bordado do Mar.

Quando não é galego, o cabelo é vermelho…

Anjo sanfoneiro.

Será que o sanfoneiro é uma homenagem a Hermeto Pascoal ou a Sivuca? E só eu que não percebi isso?

Anjo com triângulo.

Mais um galeguinho de bochechas rosadas…

Anjo com zabumba.

Não confunda: o que este anjo tem na cabeça não é um chapéu de couro, mas o cabelo vermelho… deve ter vindo de Massachusetts.

Mas o pior está por vir…

Os Três Reis Magos.

Tentem ignorar o merchandising do supermercado francês. Notaram algo de estranho nos Três Reis Magos? Não? Vamos aproximar as imagens:

Primeiro Rei Mago.

Segundo Rei Mago.

Terceiro Rei Mago.

Notaram? Em Natal, o racismo subliminar é tão forte que nem Baltazar é negro! A maior parte da população do Estado (60%, segundo dados do IBGE, PDF) é ignorada na representação dos personagens natalinos. Se considerarmos que sequer na minoria de 35% de brancos há tão alta incidência de galegos, a exclusão é ainda maior.

Fotos

Todas as fotos são de minha autoria. Licença Creative Commons BY-SA 2.5, como tudo o que publico por aqui.

Textos relacionados:

Racismo escancarado.

O referendo suíço.

Olhos Azuis.

Golpista chama Obama de “ese negrito”.

O referendo suíço

Por Allan Patrick

Os suíços, em recente referendo, proibiram a construção de almádenas (ou minaretes) nas mesquitas existentes em seu país. Este quadrinho, desenhado pelo espanhol Manel Fontdevila, ilustra de forma irônica nossa opinião sobre o resultado:

Reação de hidrófobos de extrema-direita ao referendo na Suíça. Por Manel Fontdevila.

Tradução:

– Viva Suíça!

– Os muçulmanos estão nos colonizando!

– Estão nos invadindo!

– Impõe seus costumes! Comem nossos impostos!

– Quando eu penso… Tenho vontade de recolher o lixo ou limpar eu mesmo o ra** de Yaya!

– Fo***-se!

Yaya: Cid Hiaya el-Nayyar, membro de uma influente família muçulmana do Califado de Granada, último reino islâmico da Península Ibérica a ser derrotado e anexado pelos Reis Católicos, em 1492. Yaya vendeu-se ao reino cristão de Castela e converteu-se ao cristianismo, ajudando na conquista da nação de seus antepassados. Retificação em 18/08/2011: ver o comentário de João, abaixo.

Textos relacionados:

Racismo escancarado.

Ricos alemães defendem Imposto sobre Grandes Fortunas

O grupo afirma que a receita extra poderia financiar programas sociais para ajudar na recuperação econômica da Alemanha.

Fonte: BBC News, 23 de outubro de 2009.

Um grupo de ricos alemães preparou um abaixo-assinado dirigido ao governo de seu país solicitando o aumento dos impostos para pessoas ricas.

O grupo afirma que possuem mais dinheiro do que precisam, e a receita extra poderia financiar programas sociais e econômicos para ajudar na recuperação econômica da Alemanha.

O país poderia arrecadar 100 bilhões de euros se os contribuintes mais ricos pagassem, por dois anos, um imposto de 5% sobre o total de seu patrimônio, afirmam os defensores da medida

O abaixo-assinado já reuniu 44 assinaturas e será apresentado à Chanceler, recém-reeleita, Ângela Merkel.

O grupo afirma que a recente crise financeira está levando o país a um incremento nos índices de desemprego, pobreza e desigualdade social.

Simplesmente doar dinheiro não é suficiente para lidar com o problema, por isso eles pedem uma mudança na abordagem da questão.

“O caminho para sair da crise deve ser construído com investimentos maciços em meio ambiente, educação e justiça social,” defendem no abaixo-assinado.

Os que fizeram “fortuna pelo recebimento de uma herança, pelo trabalho duro, no mercado financeiro ou através de empreendimentos de sucesso” devem contribuir pagando mais impostos para aliviar a crise.

O homem por trás do abaixo assinado, o médico aposentado Dieter Lehmkuhl, afirmou ao jornal berlinense Tagesspiegel que há 2,2 milhões de pessoas na Alemanha com uma fortuna superior a 500.000 euros.

Se todos pagarem o imposto por dois anos, a Alemanha poderia arrecadar 100 bilhões de euros para financiar programas relacionados com meio ambiente, educação e projetos sociais, disse o médico aposentado e herdeiro de uma cervejaria.

Continua…

A dica da matéria da BBC veio do twitter de Ricardo Gentil, através do Vi o Mundo e blogue Anais Políticos.

Veja também:

O Imposto sobre Grandes Fortunas e o PNDH-3.

Salário mínimo: Brasil vs Portugal

Por Allan Patrick

Torre de Belém, símbolo português.

Quem conhece o conceito da paridade do poder de compra e já teve a oportunidade de visitar a Europa, deve ter percebido como o custo de vida do lado de lá do Atlântico é semelhante ao nosso, na divisa local. Ou seja, produtos e serviços que, para nós brasileiros, custam R$ 10 ou R$ 20, invariavelmente, custam na Europa 10 ou 20.

Faço essa introdução para informar aos leitores deste caderno, em sua maioria brasileiros, que o governo português propôs o aumento do salário mínimo de 450 para 475 euros. E planeja reajustá-lo novamente em 2011, para 500 euros (com a oposição explícita da Confederação da Indústria). Valores que não são essencialmente melhores do que os que serão adotados pelo Brasil nesse mesmo período: atualmente (nov/2009), o salário mínimo é de R$ 465 e em 2010 deverá ser reajustado para R$ 505,90.

O mundo passa por um período de mudanças. Nem todos estão percebendo.

Flamengo campeão, Henfil no coração

Em comemoração ao hexacampeonato do Flamengo, não posso deixar de lembrar um dos mais ilustres rubronegros da história: Henfil. Está vivo e presente, no nosso coração.

Henfil sabia muito bem como retratar a alma do time: o flamenguista.

Obrigado, Henfil, pelo legado que você deixou à nação rubronegra.

Fonte: Urubu, Henfil. Editora Martha Mamede Batalha (perdoem-me pela má digitalização das imagens).