O Banco do Brasil salvou o país da crise

Por Allan Patrick

Banco do Brasil salvou o país de uma crise bancária.

Na semana passada, Mário Torós, agora ex-diretor do Banco Central, deu um depoimento ao jornal Valor Econômico que serviu de base para uma longa, Os Bastidores da Crise. Nessa reportagem, além de se arvorar como o herói que salvou o Brasil de uma grave crise bancária, Torós fez insinuações gravíssimas contra o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, como no seguinte trecho:

A resistência do BC e do presidente da República em queimar reservas era, até então, uma informação estratégica, mantida em segredo dentro do governo. O mercado não podia saber, em hipótese alguma, que o BC negaria munição. Mas no dia 6 de outubro, uma segunda-feira, o ministro Guido Mantega disse, em entrevista, que Lula proibira o BC de gastar reservas. O efeito no mercado foi imediato. A cotação do dólar saltou de R$ 2,19 para R$ 2,45 em menos de 48 horas. O ingrediente final foi uma corrida bancária, que se originou em outros países do mundo e atingira o Brasil. Torós fez seu diagnóstico definitivo: era preciso vender dólar no mercado à vista. E imediatamente. (grifo nosso)

Na sua coluna, Eles quase quebraram o país, Luís Nassif revelou como na verdade a ação do Banco Central, ao estimular o swap reverso (um derivativo que permitia aos exportadores ganhar com a queda do dólar frente ao real, mas com elevados riscos em caso de subida do dólar), gerou um prejuízo de R$ 10 bilhões para o Tesouro Nacional, jogou na lona empresas financeiramente saudáveis como Sadia e Aracruz, e quase resultou numa crise bancária. Mário Torós deixou o Banco Central na semana passada e agora veio à tona o papel do Banco do Brasil no resgate do sistema bancário brasileiro, quando o Banco Central decidiu lavar as mãos.

A atuação do Banco do Brasil foi narrada na matéria “Na crise, BB colocou R$ 6,7 bi para socorrer bancos e Sadia“:

O Banco do Brasil assumiu o papel de emprestador de última instância para evitar uma crise bancária de grandes proporções entre setembro de 2008 e janeiro de 2009, enquanto o Banco Central relutava em desempenhar essa função, temendo riscos judiciais em operações de empréstimos aos bancos. O BB injetou R$ 5,8 bilhões nos bancos Votorantim, Safra e Alfa durante a crise, para ajudá-los a reforçar o caixa em meio a uma corrida bancária no mundo. O banco federal também socorreu a Sadia, que havia sofrido perdas em operações com derivativos, liberando um empréstimo de R$ 900 milhões.

Executivos do Banco do Brasil e outras fontes do governo revelaram ao Valor o papel do banco estatal nesse período, que no caso dos bancos foi cumprido por meio de compras de carteira de crédito e de depósitos interfinanceiros garantidos por empréstimos.

Ao mesmo tempo em que ajudou a estancar a crise, o BB colocou em prática uma bem-sucedida estratégia que permitiu recuperar a liderança em ativos no mercado bancário, temporariamente perdida com a compra do Unibanco pelo Itaú, anunciada em 3 de novembro de 2008. O acesso a informações sobre a carteira de crédito de bancos concorrentes pavimentou o caminho para a aquisição de metade do controle acionário do Banco Votorantim.

Continua…

Textos relacionados:

Menor carga tributária é sinônimo de desenvolvimento?

Krugman: o Estado salvou o mundo da crise.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *