Cinismo nas críticas ao Plano de Saúde de Obama

Fonte: blogue da Rede pela Justiça Fiscal. Texto original em inglês. A tradução é uma cortesia deste Caderno.

Obama durante o discurso sobre o seu projeto de reforma da saúde.

Obama durante o discurso sobre o seu projeto de reforma da saúde.

Traduzo aqui texto do blogue da Rede pela Justiça Fiscal, em que são expostos os argumentos cínicos dos que criticam o “excesso de gastos” no programa de reforma da saúde pública de Barack Obama.

A redução de impostos de Bush e o plano de saúde de Obama

A introdução do relatório (em inglês) elaborado pela Citizens for Tax Justice (CTJ, Cidadãos pela Justiça Fiscal) de Washington diz tudo:

“Estimativas recentemente revistas pela Citizens for Tax Justice mostram que os cortes de impostos da era Bush alcançaram cerca de US$ 2,5 trilhões ao longo da década seguinte à sua implantação (2001-2010). As projeções preliminares do Congressional Budget Office [agência vinculada ao Congresso americano e que lhe provê de informações econômicas e orçamentárias] mostram que a reforma na legislação de saúde deverá custar cerca de US$ 1 trilhão ao longo da década seguinte à sua implantação (2010-2019).”

E ninguém vai ficar surpreso ao ler que:

“muitos dos congressistas que criticam a reforma da saúde pelos “gastos em demasia” que vai gerar são os mesmos que apoiaram os cortes de impostos promovidos por Bush. Seu histórico de votos no Congresso mostra que a reforma da saúde pública, para eles, não é uma questão de gastos, mas de prioridades.”

E ainda:

“Em 2010, quando todos os cortes implantados por Bush estiverem em vigor, impressionantes 52,5% dos benefícios gerados por esses cortes beneficiarão os 5% mais ricos dos contribuintes.”

E o CTJ também percebeu que:

“Se aprovados projetos de lei em tramitação na Câmara, metade dos custos gerados serão compensados diretamente com reduções nos custos dos nossos planos de saúde, enquanto a outra metade terá como origem um aumento na carga tributária dos contribuintes mais ricos. Uma análise elaborada previamente pelo CTJ mostrou que esse aumento na carga tributária é uma solução razoável para financiar a reforma da saúde pública e que afetará apenas 1,3% do total de contribuintes. Outro relatório do CTJ conclui que o aumento na carga tributária não terá impacto significativo nas pequenas empresas, ao contrário do que a desinformação que vem sendo publicada a respeito desse assunto faz crer.”

Veja também:

Os principais pontos da lei da reforma na saúde de Obama.

Reforma da saúde de Obama: quem vai pagar a conta?

2 thoughts on “Cinismo nas críticas ao Plano de Saúde de Obama

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *