Paraísos fiscais vão precisar aumentar impostos

Fonte: Taxing times for secretive havens, The Guardian. Ruth Sunderland, 1º de setembro de 2009

Paraísos fiscais como as Ilhas Caimã terão que começar a tributar multinacionais, aconselha o Foreign and Commonwealth Office

Praia nas Ilhas Caimã.

Praia nas Ilhas Caimã.

Um próspero e rico paraíso fiscal: é justo dizer que no imaginário popular esse é o retrato das Ilhas Caimã. Mas a realidade não corresponde à imaginação e a realidade é que a economia desse território britânico está de joelhos, pressionada por um verdadeiro buraco negro nas contas públicas.

Chris Bryant, agente do Foreign and Common Commonwealth Office FCO deixa bem claro, num relatório oficial, que Caimã não tem condições de assumir novos empréstimos para evitar o impensável: aumentar os impostos. Em outras palavras, as Ilhas Caimã estão aprendendo do jeito mais difícil que não existe almoço grátis e o FCO já deu o recado para começarem a cobrar. Os especialistas acreditam que outros paraísos fiscais britânicos, como Jersey, cujo déficit alcança 100 milhões de libras, e Guernsey (£50 milhões) também estão incorrendo em “modelos de negócios” insustentáveis.

A matéria completa, em inglês, no The Guardian…

Veja também

A íntegra da carta do Foreign Commonwealth Office (PDF).

Textos relacionados:

Ilha de Man: mais um paraíso fiscal ameaçado.

A Europa que não conhecemos: a City de Londres.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *