Alecrim na Série C

Alecrim Futebol Clube

Alecrim Futebol Clube

Pausa para um assunto de ordem esportiva. Embora não costume postar sobre tópicos pessoais, não posso deixar de anotar que o meu time de futebol, o Alecrim Futebol Clube, depois de 16 anos afastado do Campeonato Brasileiro, e há mais de 20 sem ganhar nenhum título, alcançou as semifinais da Série D do Campeonato Brasileiro, feito que lhe concede o direito de participar na Série C dessa competição no próximo ano de 2010. Parabéns, Verdão!

Dia Mundial Sem Carro

Fonte: apocalipse motorizado, blogue de articulações e reflexões para superar a sociedade do automóvel (adaptado)

Dia Mundial Sem Carro. Arte: Singer / World Carfree Network.

Dia Mundial Sem Carro. Arte: Singer / World Carfree Network.

Enfrentar a dependência do automóvel e suas patologias associadas parece tarefa impossível para um número cada vez maior de pessoas e para grande parte dos governantes.

Quem possui um carro (e algum dinheiro para sustenta-lo), passa a não enxergar nenhum outro horizonte de mobilidade urbana.

Do outro lado, vultuosos montantes envolvidos na construção e manutenção de tudo que os carros precisam para rodar (ruas, pontes, avenidas, combustível, pneus, autopeças, estacionamentos…) e quase 100 anos de técnicas de planejamento urbano e de políticas públicas voltados para atender o fluxo sempre crescente de automóveis deixaram o poder público amarrado ao problema, sem enxergar nem conseguir agir em favor das alternativas (a não ser quando a saturação de carros começa a ser um problema para os próprios carros).

Somado a estes elementos, interesses privados monumentais sustentam e estimulam o desperdício e o individualismo associados ao automóvel, em uma indústria responsável por boa parte do dinheiro em circulação no planeta (junto com as indústrias da guerra e do tráfico de drogas).

A epidemia mundial de cidades degradadas pela presença marcante do automóvel se alimenta desta tríade: indivíduos dependentes, iniciativas privadas altamente lucrativas e poder público inerte e/ou interessado no estímulo ao automóvel.

A proposta do Dia Sem Carro é, em primeiro lugar, experimentar outras formas de deslocamento e deixar o carro em casa. Vivenciar a cidade, seus problemas e belezas de maneira não-mediada é um remédio surpreendente para a carrodependência,  um antídoto para a degradação do tecido social, podendo inclusive resultar em transformações coletivas maiores e inesperadas.

Além disso o Dia Sem Carro é um momento de reflexão sobre o impacto do automóvel nas cidades e sobre a carrodependência urbana, momento de exigir condições de deslocamento dignas para quem não possui automóveis e de promover suas alternativas.

Saúde pública: o que o SUS consegue fazer?

Adib Jatene. Foto: Janine Moraes/ABr.

Adib Jatene. Foto: Janine Moraes/ABr.

Fechando esta série aqui no Caderno sobre a entrevista de Adib Jatene ao UOL Notícias, destacamos o trecho em que o médico e ex-Ministro da Saúde demonstra os benefícios do Sistema Único de Saúde (SUS).

UOL Notícias: O senhor disse certa vez que, pelo o que o SUS oferece, talvez ele seja o sistema de saúde mais bem gerido do mundo. Por quê?
Adib Jatene: Quando você trabalha com grande deficiência de recursos, você apura o seu desempenho. E ele vem sendo apurado. Vários hospitais de primeira linha foram buscar no SUS os seus gestores. Quem é o superintendente do prestigiado hospital Sírio-Libanês? Gonçalo Vecina [ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e secretário da Saúde do município de São Paulo na gestão de Marta Suplicy (PT)]. Quer dizer que ele era um péssimo gestor quando estava no sistema público e agora é bom? Nada disso. O Sírio-Libanês e o Albert Einstein têm recursos para gerir bem. O SUS não tem recursos para gerir.

UOL Notícias: E o que consegue fazer com o pouco que tem?
Adib Jatene: Anualmente, o SUS interna 11 milhões de pessoas, faz 3 milhões de partos, 400 milhões de consultas. Nós erradicamos a poliomielite, o sarampo, a rubéola. Nós vacinamos mais do que qualquer país do mundo. Temos um programa de combate à Aids que é referência internacional. Fazemos hemodiálise para uma quantidade brutal de pessoas. Cirurgias complexas. Os transplantes de fígado feitos no Albert Einstein é o SUS que paga. Oncologia, medicamentos que os planos de saúde não cobrem… É um trabalho tão grande, que a população que pode deveria vir ajudar espontaneamente, e não obrigada por tributos.

Atualização em 06/11/2009:

Outros trechos desta mesma entrevista:

Diagnóstico da saúde pública no Brasil.

Brasil versus China: previdência e saúde pública.

Textos relacionados:

Os procedimentos complexos e o SUS.

Impostos e o bem-estar das crianças

Fonte: Rede pela Justiça Fiscal. Original em inglês. A tradução é uma cortesia deste Caderno.

A OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) reuniu uma série de novas estatísticas sobre o bem-estar das crianças nos seus países membros. O relatório pode ser consultado aqui.

Carga tributária vs. Crianças vivendo abaixo da linha da pobreza.

Carga tributária vs. Crianças vivendo abaixo da linha da pobreza.

Fizemos uma breve análise de como o bem-estar das crianças se comparava com a incidência de impostos. Diversas variáveis poderiam ser escolhidas e decidimos optar pelo percentual de crianças vivendo em lares abaixo do nível da pobreza. O gráfico acima (clique para vê-lo ampliado) é impressionante (os números utilizados em sua confecção podem ser encontrados na página 35 do estudo citado).

A linha representa uma ladeira abaixo e o que isso nos diz é que para uma carga tributária mais elevada (percentagem dos impostos sobre o PIB), a pobreza infantil tende a ser mais baixa. Não é exatamente uma grande surpresa: os impostos podem ser (e muitas vezes, de fato o são) poderosas ferramentas para redistribuição de riqueza, de forma que é natural que se tenha como resultado que os países com cargas tributárias elevadas tenham uma menor pobreza relativa (e é exatamente isso que os dados do relatório estão averiguando).

Curiosamente, dois dos países que têm menor carga tributária, Grã-Bretanha e Estados Unidos, tiveram resultados radicalmente diferentes em relação à pobreza infantil. Embora estes dois países tenham cargas tributárias de 37,1 e 25,4 % do PIB, respectivamente, suas taxas de pobreza infantil eram de 10,1% para a Grã-Bretanha – melhor do que a média da amostra -, enquanto nos Estados Unidos, as taxas de pobreza infantil alcançaram 20,6% e só foram melhores do que as da Polônia, do México e da Turquia. Como explicar tais resultados tão diferentes? Se a tendência que aqui mostramos for considerada um fator importante, então não é de se estranhar que a carga tributária radicalmente baixa dos Estados Unidos se reflita nos dados da pobreza infantil. Mas, o governo da Grã-Bretanha, sob o controle dos trabalhistas, apesar de seus defeitos, teve um foco especial sobre a pobreza infantil. Diversos programas foram implementados para de alguma forma atenuar a pobreza causada pela baixa remuneração, mas o pequeno crescimento dos salários nos últimos anos ameaça destruir os progressos feitos nos primeiros anos desses programas.

Cada gráfico que montamos, utilizando diferentes critérios para se medir o bem-estar infantil, mostraram as mesmas tendências básicas, embora em alguns não de forma tão evidente. Mas, de um modo geral, países com altas cargas tributárias geralmente tendem a ter um melhor resultado em todas as séries estatísticas estudadas.

Não estamos aqui buscando tirar conclusões a partir da causalidade, ou fazer recomendações para adoção desta ou aquela política – apenas estamos trabalhando com algums dados e traçando gráficos. No entanto, eles nos mostram uma visão desconfortável para os ideólogos que insistem que o corte de impostos é sempre a resposta para os problemas do mundo.

Estes dados recentes são inteiramente consistentes com outras pesquisas, diferentes, mas relacionadas, tais como esta (sobre desigualdade e condições sociais) ou esta – uma pesquisa canadense sobre países membros da OECD ligeiramente mais antiga e que trabalha com uma variedade muito maior de indicadores e que chega a esta conclusão:

“Países com elevada carga tributária foram os mais bem sucedidos em alcançar seus objetivos sociais do que países com baixa tributação. Curiosamente, o fizeram sem qualquer penalização econômica.”

Seria extremamente útil se fôssemos capazes de trazer dados para os países em desenvolvimento no quadro. Infelizmente, não há qualquer base de dados global decente que possa ser usada para fazer esse tipo de trabalho. Esperamos ser capazes de trazer mais dados para jogar luz sobre este tema nos próximos meses, através deste projeto em desenvolvimento.

Textos relacionados:

Diagnóstico da saúde pública no Brasil.

Bolso de pobre cheio ativa economia mais que desoneração.

Brasil versus China: previdência e saúde pública

Adib Jatene. Foto: Janine Moraes/ABr.

Adib Jatene. Foto: Janine Moraes/ABr.

Ainda sobre a entrevista de Adib Jatene ao UOL Notícias, destacamos a comparação com a China e a Europa/Canadá:

UOL Notícias: Porque a Previdência se retirou da saúde?
Adib Jatene: O número de aposentados cresceu. Hoje, cerca de 30 milhões de brasileiros vivem com recursos da Previdência. Paga-se pouco, mas dá para o sujeito viver. Então, como ainda dizem que a população não tem nenhum benefício? Quer comparar o nosso sistema de saúde com o da França ou Canadá? Eles gastam US$ 2.500 per capita. Isso dá quase R$ 5.000 per capita. Nós dispomos de apenas R$ 650 per capita. É desonesto fazer esse tipo de comparação. As pessoas se esquecem da evolução dos países. Os países da Europa ocidental se desenvolveram com a Revolução Industrial. Naquele período, houve uma grande migração das pessoas para as cidades. Só que os trabalhadores não tinham nenhum direito. Trabalhavam 16 horas por dia, inclusive crianças. O que aconteceu? Surgiu Karl Marx, que escreveu uma doutrina sobre a exploração do trabalhador pelo capital. Mas eles passaram por isso 200 anos antes. E, nessa época, esses países tinham colônias. Eles drenavam a riqueza do resto do mundo. As grandes cidades da Europa foram construídas no século 19. É uma história absolutamente distinta da nossa. A China, hoje, tem um grande desenvolvimento econômico, mas não dá nada para o trabalhador. E todo mundo acha formidável a China. No Brasil, pelo menos, o trabalhador tem aposentadoria. (grifo nosso)

Quer comparar o nosso sistema de saúde com o da França ou
Canadá? Eles gastam US$ 2.500 per capita. Nós dispomos de R$ 650.

UOL Notícias: Quer dizer que o Brasil optou por um modelo de desenvolvimento mais humano?
Adib Jatene: A sociedade brasileira decidiu garantir ao menos a previdência e a saúde, e se engrandece com essa escolha. Está cuidando daqueles que podem menos e dando as mínimas condições de sobrevivência. Mas o setor da saúde não tem o mínimo de recursos para dar assistência à toda população. Como o Brasil não tem o volume de recursos suficientes para fazer o saneamento, o transporte, a segurança, a habitação. O Brasil ainda é um país pobre, que se industrializou muito recentemente. Nós temos de correr atrás do prejuízo. Mas houve um setor da nossa sociedade que se desenvolveu, que vive hoje como se estivesse num país de US$ 40 mil de renda per capita. É este setor que tem grande compromisso de corrigir as desigualdades.

Atualização em 06/11/2009:

Outros trechos desta mesma entrevista:

Saúde pública: o que o SUS consegue fazer?

Diagnóstico da saúde pública no Brasil.

Textos relacionados:

Relações de trabalho na China.

China versus Brasil.

Os procedimentos complexos e o SUS.