A Europa que não conhecemos: a City de Londres

Traduzido para o português a partir de La Europa que no conocemos: la City de Londres.

City de Londres.

City de Londres.

Diante da pergunta, frequente nos tempos de hoje, sobre qual é o maior paraíso fiscal do mundo, quase invariavelmente os companheiros da Tax Justice Network/TJN (Rede pela Justiça Fiscal) – alguns, ex altos funcionários da banca – respondem que é a City de Londres.

Do mesmo modo que a maioria dos britânicos, quase todos os espanhóis que deambulam, estudam e/ou trabalham em Londres ignoram que a City, onde está radicado o centro financeiro internacional, não é um distrito municipal da Grande Londres mas uma cidade que possui seu próprio órgão político de governo conhecido como The City of London Corporation; que além de dispor de algumas competências, como a organização de sua própria polícia, provavelmente é o grupo de pressão política (lobby) mais poderoso do mundo. Assim informam os colegas de TJN no seu blogue.

A assim chamada “milha quadrada” da City londrina acolhe diariamente em torno de 450.000 pessoas, quase todas empregadas de bancos, oficinas e escritórios; mas tem somente uns 7.800 residentes (censo de 2006), porque os astronômicos preços imobiliários da região favoreceram a ocupação comercial da zona.

A City é o maior centro financeiro do mundo para não residentes (offshore), estreitamente vinculada aos paraísos fiscais ligados à Europa, como as Ilhas Virgens Britânicas, Turcos e Caicos, Bermudas, Caimã, Bahamas e as Ilhas de Man e do Canal; com as peculariedades e vantagens que descrevemos no livro La Europa opaca de las finanzas, além dos vínculos singulares que também são analisados nessa obra.

Entretanto, ainda está por analisar o papel da City na gestação da crise financeira que provocou uma sensível elevação do desemprego e a perda da poupança de tanta gente na Europa. Um livro recentemente publicado pelo jornalista do Financial Times, Gillian Tett (Fool´s Gold, Ouro de Tolo, Free Press, 2009) relaciona alguns dados significativos que ligam a City e Wall Street com a incubação da crise, a partir dos assim denominados derivativos financeiros, títulos cujo valor deriva de outros ativos, como créditos hipotecários ou obrigações de empresas. Verdadeiras modalidades de apostas para jogar no cassino mundial das finanças, distribuindo os riscos descontroladamente pelo planeta, com as consequências que todos conhecemos.

Tett conta que, no começo, os experimentos realizados com essas criativas ferramentas financeiras por um grupo de jovens traders do banco J. P. Morgan não teve lugar na sede central de Nova Iorque, mas na filial de Londres denominada Morgan Guaranty Limited. A principal razão para isso era fugir da legislação estadounidense (Lei Glass-Steagall), que à época impedia os bancos comerciais que captavam depósitos de poupadores de se dedicar a jogar na Bolsa. E a City de Londres oferecia ainda um maior laissez faire, permitindo que os bancos se dedicassem ao negócio dos “serviços financeiros”; com a vantagem adicional de que as operações para levantar dinheiro pela venda desses títulos artificiais resultavam ser mais baratas na City, onde eram oferecidas reduções e até mesmo isenções fiscais.

E algo parecido aconteceu com a AIG (American Insurance Group) quando J. P. Morgan inventou os derivativos de crédito, os CDS (credit default swap),  pondo em prática esta nova linha de negócios que convertia em valores negociáveis os seguros dos créditos em situação de inadimplência do banco. Como se tratava de varrer do balanço os riscos de inadimplência de sua carteira de empréstimos, buscou como sócio à gigante das seguradoras AIG, que utilizava para essas operações a sua filial AIG Financial Product domiciliada na City, porque a legislação de seguros londrina era mais permissiva que a estadounidense.

Em setembro de 2008, o conglomerado AIG era estatizado pelo governo dos Estados Unidos, um fato político de grande importância, que pela sua relevância analisamos no livro Al rescate de los paraísos fiscales. La cortina de humo del G-20 (Icaria-Más Madera, 2009), junto com os resgates bancários da City praticados pelo governo Brown, com o dinheiro dos contribuintes britânicos que agora padecem a crise econômica.

Textos relacionados:

Ilha de Man: mais um paraíso fiscal ameaçado.

Paraísos fiscais vão precisar aumentar impostos.

O abuso das Ilhas Jersey.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *