Olhos Azuis

Esse é o título de um documentário sobre um seminário cuja temática é o racismo. A autora e condutora do seminário é Jane Elliott, ex-professora do primário em uma cidade de 800 habitantes no interior do estado norteamericano de Iowa.

O curioso é que por estes dias, ao mesmo tempo em que descobri esse documentário, um amigo que passou um ano na Flórida fazendo seu pós-doutorado me narrou uma situação incômoda pela qual ele passou. Estava na fila de uma lanchonete de fast-food e foi atendido, muito mal, por uma funcionária negra. Após pagar pelo seu pedido, notou que o próximo cliente na fila era negro e foi atendido maravilhosamente bem. Desabafou sua insatisfação com a situação. No entanto, pedi para ele assistir o filme e refletir sobre a questão.

O documentário costumava ser exibido no canal GNT e pode ser encontrado no youtube. Este é o seu início:

O exercício de Elliott foi desenvolvido quando dava aulas para a terceira série e foi resultado do assassinato de Martin Luther King. Na noite de 4 de abril de 1968, Jane Elliott sintonizou sua televisão para se informar sobre o assassinato. Uma cena que ela se lembra vividamente é a de um repórter, com o microfone apontado para um líder negro local, perguntando “Quando o nosso líder (John F. Kennedy) foi morto há alguns anos sua viúva nos mateve unidos. Quem controlará o seu povo?” Ela lembra o estranhamento que aquilo lhe causou. “Afinal, John F. Kennedy não era o presidente de todos os americanos, inclusive os negros?” Não deveriam os brancos americanos estar indignados também com a morte de King? Foi ali, na sua sala de estar que ela decidiu combinar uma aula que havia planejado sobre índios americanos com a lição sobre King para a série “O herói do mês” de fevereiro. Ela iria usar como norte para a experiência o provérbio “Oh Deus, não me permita julgar um homem até que eu ande um quilômetro com os seus sapatos.”

crianças1

Foto por Anthere.

Steven Armstrong foi a primeira criança a chegar à sala de aula de Elliot, no dia seguinte, pedindo informações sobre o assassinato de King no dia anterior. Depois que o resto da turma chegou, Elliot perguntou o que eles sabiam sobre negros. As crianças responderam com vários estereótipos raciais, como “negros eram preguiçosos”, “negros eram mudos” ou “não conseguiam se manter nos empregos”. Ela então perguntou a estas crianças se elas gostariam de descobrir como era para ser uma criança negra e elas concordaram.

Nesse dia, uma terça-feira, ela decidiu fazer o grupo das crianças de olhos azuis superior ao outro, dando-lhes alguns privilégios, como o direito de repetir a refeição no almoço, acesso ao novo salão de ginástica e cinco minutos extras no recreio. Ela não permitiu que as crianças de olhos azuis e castanhos bebessem água no mesmo lugar. Ela se pôs a elogiar as crianças de olhos azuis por serem trabalhadoras e inteligentes. Os castanhos, por outro lado, foram desmotivados. Ela até fez essas crianças usarem fitas em torno de seus pescoços.

Foto por Christiaan Briggs.

Foto por Christiaan Briggs.

Inicialmente, houve resistência entre as crianças à idéia de que as de olhos castanhos não eram iguais às de olhos azuis. Para reverter essa situação, ela usou uma pseudo-explicação científica, afirmando que a melanina era responsável pela coloração dos olhos castanhos e que sua presença esteva associada à pouca inteligência e à preguiça. Em pouco tempo, a resistência inicial arrefeceu. Aqueles que foram considerados como “superiores” se tornaram arrogantes, autoritários e desagradáveis para os seus colegas de classe “inferiores”. Suas notas também melhoraram, e foram capazes de fazer exercícios de matemática e ler textos que antes pareciam estar além de sua capacidade. Os colegas “inferiores” também se transformaram: em crianças tímidas e subservientes, mesmo aquelas que tinham sido anteriormente dominantes na classe. Seu desempenho acadêmico tornou-se sofrível, mesmo com as tarefas simples de antes.

No dia seguinte, Elliott inverteu o exercício, tornando as crianças de olhos castanhos superiores. Embora essas crianças tenham mal-tratado os de olhos azuis de forma semelhante ao que havia ocorrido no dia anterior, Elliott relatou que a intensidade era muito menor. Às 14:30 dessa quarta-feira, Elliott disse às crianças de olhos azuis que retirassem seus colares e as crianças choraram e se abraçaram. Para refletir sobre o ocorrido, ela incentivou as crianças a escreverem cartas sobre a experiência a Coretta Scott King.

Fonte: Artigo sobre Jane Elliott na wikipédia.

Textos relacionados:

Racismo e política de cotas.

One thought on “Olhos Azuis

  1. adorei esse documentário, pois as pessoas tem que parar com esse preconceito principalmete paises como USA e outros da Europa aqui no Brasil é mais tranquilo pois somos feitos de misturas de raças e isso é bem lega.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *