Relações de trabalho na China

Praça da Paz Celestial.

Praça da Paz Celestial.

Volto a um tema que me interessa muito: a China. Porque se tem um assunto que me causa um certo desconforto, é o absoluto desconhecimento da realidade desse país. O quão desinformados estamos sobre como as coisas acontecem por lá. Isso me leva a ser cada vez menos paciente com quem repete a lenga-lenga de que os chineses estão progredindo porque trabalham muito (16h/dia, dizem), não tem direitos trabalhistas, previdência nem assistência médica pública. Porque as informações que eu colho aqui e acolá me revelam uma realidade muito mais complexa. Vejamos esta matéria do Wall Street Journal.

Protesto violento expõe desafios a reforma da siderurgia chinesa
Sky Canaves e James T. Areddy – 31/07/2009
The Wall Street Journal, de Tonghua, China

Quando Chen Guojun assumiu o cargo de gerente geral da Tonghua Iron & Steel, deveria ter sido um passo à frente no esforço apoiado pelo governo chinês para consolidar a gigantesca indústria siderúrgica do país.

Mas, em vez disso, a chegada de Chen se tornou o trágico símbolo dos desafios enfrentados por Pequim enquanto tenta transformar o inchado cenário industrial que surgiu no país.

Na sexta-feira passada, depois de ficarem sabendo que a empresa privada que empregava Chen planejava assumir o controle da estatal Tonghua Iron & Steel, milhares de trabalhadores, preocupados com a possibilidade de perderem seus empregos, promoveram um protesto violento e interromperam a produção da usina, localizada num bairro coberto por cinzas nesta cidade no nordeste da China.

Enquanto se espalhavam os boatos de que o Grupo Jianlong, empregador de Chen, planejava demitir operários, um grupo deles encontrou o executivo de 41 anos e o espancou gravemente, afundando seu crânio. Depois os operários bloquearam as ruas próximas da fábrica e arremessaram tijolos para afastar a polícia e os paramédicos que tentavam alcançar Chen.

Para entender o porque de uma reação de tal gravidade, temos que parar a leitura aqui e dar um salto para um parágrafo quase no meio da matéria:

As siderúrgicas chinesas têm quadros de pessoal gigantescos. A Shanghai Baosteel emprega mais de 108.000 pessoas. A japonesa Nippon Steel Corp., cuja produção é bem maior, emprega cerca de 17.000. O governo central acusou as pequenas siderúrgicas, controladas pelos governos provinciais, de terem controle ambiental fraco, de consumir eletricidade e outros recursos valiosos de modo pouco eficiente e de inundar o mercado com produtos de baixa qualidade. (grifo nosso)

O Journal sugere que os cortes poderiam ser brutais (+ de 80%). A violência contra a pessoa do gerente foi intolerável e imperdoável. No entanto, como qualquer literatura de psiquiatria básica esclarece, o desemprego é um fator motivador de suicídio. Quantos não morreriam entre as dezenas de milhares de demitidos? Por que essa informação sempre é escondida do público (como ocorreu com ex-funcionários do Banco do Brasil nos anos 1990)? De volta à matéria:

Amedrontadas, as autoridades locais anunciaram na televisão na noite de sexta-feira que os planos da Jianlong de comprar a Tonghua Iron & Steel foram cancelados. Quando os protestos acalmaram e as autoridades conseguiram chegar a Chen, cinco horas depois de ele ser atacado, ele, que era pai de dois filhos, já estava morto. (grifo nosso)

Como é que é? Autoridades amedrontadas? Na China? Não estou questionando o fato narrado pelo Journal. Respeito sua credibilidade jornalística construída ao longo de décadas. O meu questionamento é em relação a nossa ignorância da realidade chinesa, cuja imagem não casa com “autoridades amedrontadas”.

A violência em Tonghua motivou um debate de intensidade incomum na mídia chinesa e entre especialistas no tratamento dos recursos humanos durante fusões. “Esse caso faz soar um alarme necessário”, diz Li Xinchuang, vice-presidente do Instituto de Planejamento e Pesquisa da Indústria Metalúrgica da China, um centro de estudos do governo que ajudou a traçar a política oficial para a indústria siderúrgica. “Antes, (as reestruturações) se preocupavam apenas com os benefícios para os governos locais e as empresas, mas os interesses dos empregados deveriam receber muito mais atenção.”(grifo nosso)

Debate de intensidade incomum? Quer dizer então que a questão não foi simplesmente resolvida com a tropa de choque e tanques? Houve debate público? Na mídia? O governo chinês parou de consultar os Chicago boys?

Mesmo antes, a China vinha enfrentando dificuldades para avançar em seu esforço para consolidar o setor. A indústria siderúrgica chinesa é de longe a maior do mundo, respondendo ano passado por cerca de 38% da produção mundial. Essa fatia só tem crescido, em meio à recessão mundial. A produção chinesa subiu 6% no primeiro semestre, enquanto a mundial encolheu 21% no mesmo período.

Enquanto isso, no nosso país a Vale permanece como uma vendedora de pedras, sem agregar valor à matéria-prima que exporta do Brasil. E é aplaudida por muita gente.

Mas a indústria chinesa do aço é fragmentada em mais de 800 produtores. A Shanghai Baosteel Group, há muito tempo a maior siderúrgica do país, respondeu por cerca de 5% das quase 500 milhões de toneladas de aço produzidas no país ano passado. Já na Coreia do Sul, a Pohang Iron & Steel Co., ou Posco, foi responsável por mais de 60% do aço produzido no país no ano passado.

Os planos para a indústria siderúrgica têm enfrentado a resistência dos governos locais donos das empresas, que consideram as usinas uma fonte importante de receita tributária e empregos. “As questões mais profundas nas outras fusões que acompanhei foram políticas e tributárias, como quem manda no quê”, diz Thomas Wrigglesworth, analista do Citigroup em Hong Kong. Quando as fusões realmente ocorrem, ele afirma que geralmente a produção não diminui.

Os chineses não querem virar suco.

Os chineses não querem virar suco.

Na lógica do Wall Street Journal, empresas aumentarem seus lucros é virtuoso. Ótimo, concordo. Mas governos querendo preservar sua arrecadação para manter o serviço público funcionando e empregados querendo manter seus salários para sobreviver, é visto pelo WSJ como o 8º pecado capital.

Embora violência como a de Tonghua seja incomum, especialistas em questões trabalhistas dizem que os trabalhadores estão ficando mais firmes quando sentem que seus interesses estão ameaçados.

Colaboraram Gao Sen, de Tonghua, e Ellen Zhu e Bai Lin, de Xangai)

Hã? Direitos trabalhistas? Na China? Perdoem-me pela ironia, pois tento acompanhar pela internet os acontecimentos naquele país e já era do meu conhecimento que lá a situação não é como a maior parte dos meios de comunicação retrata e muita gente, ingênuamente repete. Desde janeiro de 2008 que vigora uma legislação trabalhista razoavelmente rigorosa, inclusive com um órgãos de solução de conflitos trabalhistas que se assemelham, de certa forma, ao que é a nossa justiça trabalhista.

Textos relacionados:

- Brasil versus China: previdência e saúde pública.

- China versus Brasil.

- Flexibilidade trabalhista e desemprego.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>