Por que a Rússia “ajudou” a Islândia?

Glaciar na Islândia. Foto: Andreas Tille.

Glaciar na Islândia. Foto: Andreas Tille.

Voltamos à ótima matéria publicada pelo El País no domingo passado (19/07/2009): Irlanda no quiere ser Islandia. Sobre a situação da Irlanda, escrevemos aqui.

Quando do estouro da crise financeira, entre setembro e outubro de 2008, ficamos sabendo que a Islândia vinha desenvolvendo sua economia com base na atuação agressiva de seus bancos, que captavam investimentos nos mercados internacionais. Quando os bancos quebraram muita gente – principalmente no Reino Unido, onde o alvo eram clientes de varejo – perdeu suas economias. Estranhamente, um dos países que se ofereceu para “ajudar” a Islândia, com um empréstimo emergencial de US$ 5 bilhões, foi a Rússia. Houve quem opinou que o objetivo da Rússia era seduzir um membro da OTAN.

Aloysio Biondi, falecido jornalista econômico brasileiro, costumava dizer que a imprensa revela a verdade no último parágrafo de suas matérias. E o que o último parágrafo da reportagem do El País nos revela? Traduzo aqui:

Resumindo, a Irlanda não quer ser a Islândia, rica iilha do Atlântico Norte que faliu e se viu obrigada a pedir sua entrada na União Europeia. A comparação parece incomodar o ministro [irlandês] Lenihan. “Não podemos comparar a Islândia com a Irlanda”, decreta. “A Islândia são: 300 mil pessoas, alguns bancos criados com investimentos de imensos volumes de capitais de fundos de risco russos e muitos depositantes do Reino Unido, que aplicaram nesses bancos islandeses em função das taxas de juros muito atraentes. Isso é a Islândia”, explica. “A Irlanda”, acrescenta, “é um país com uma força de trabalho composta por duas milhões de pessoas com elevado nível de educação e um vibrante setor exportador, em constante crescimento econômico desde mediados dos anos 1990”. (grifo nosso)

Um furo de reportagem como esse (não vimos essa informação em nenhum outro lugar) merecia um pouco mais de destaque.

Textos relacionados:

Os islandeses disseram não.

Islândia sob ataque.

A Lei de Aloysio Biondi.

Irlanda, crise financeira e liberdade cambial.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *