Irlanda, crise financeira e liberdade cambial

irlanda

República da Irlanda

Por Allan Patrick

O El País publicou uma reportagem muito interessante neste domingo, 19 de julho de 2009: A Irlanda não quer ser a Islândia. Vou destacar e traduzir alguns trechos.

O governo levou a cabo quatro ajustes no orçamento e ainda assim o déficit público disparou e deve chegar, este ano, a 12% do PIB. O Banco Central prevê que a economia vai se contrair em 6% neste ano e 3% no ano que vem. Os salários estão caindo na iniciativa privada e foram cortados no setor público, reduzindo o nível de vida da população aos níveis de 2002.

Para fins de comparação: Irlanda, 12 % de déficit público; Brasil, 3% de superávit; Irlanda, 6% de queda no PIB; Brasil, de 0 a 1 % de crescimento do PIB; Irlanda, salários em queda; Brasil, massa salarial crescente e aumento do salário mínimo.

Os irlandeses não só se congratulam por fazerem parte da União Europeia, como também por fazerem parte do Euro. Muitos se perguntam o que teria sido da economia de seu país sem o guarda-chuva do Euro e do Banco Central Europeu. O poderoso vizinho britânico, orgulhoso por manter sua independência monetária, viu como se desvalorizava dramaticamente sua libra esterlina, numa queda talvez até provocada pelo governo de Londres, mas que não deixa de refletir a debilidade de sua divisa em tempos turbulentos.

Há diversas vantagens em pertencer à União Europeia. Entretanto, o aspecto que o El País destaca com mais ênfase é a estabilidade cambial. Que não é necessariamente uma vantagem. Enquanto o Brasil e o Reino Unido (citado no texto) puderam jogar parcela expressiva da pressão da crise no câmbio, a Irlanda não teve essa liberdade – pois faz parte do grupo de países que adota o Euro – e portanto todo o peso da crise financeira foi lançado diretamente na economia real, resultando nos números catastróficos relatados na matéria. Faz lembrar o começo do século XX, quando a rigidez do padrão-ouro e o liberalismo econômico radical faziam a economia sofrer em prol de uma estabilidade infrutífera.

Voltaremos a essa matéria em outro texto, desta vez para analisar a Islândia.

Textos relacionados:

Por que a Rússia “ajudou” a Islândia?

Islândia sob ataque.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *