Garzón e o jardim secreto

Baltasar Garzón. Foto: Acervo da Presidência da Argentina.

Baltasar Garzón. Foto: Acervo da Presidência da Argentina.

Por Allan Patrick

O juiz espanhol Baltasar Garzón é tido como polêmico. Na minha opinião ele é apenas proativo e sensato. É conhecido por ter sido o responsável pela ordem de prisão contra Pinochet, que o manteve detido por 503 dias na Inglaterra, entre o final de 1998 e o início do ano 2000. Sua última ação a ganhar as manchetes dos jornais foi a ordem para abrir as valas coletivas onde foram enterradas as vítimas da guerra civil espanhola, para identificação dos corpos. Em reação, grupos da extrema-direita representaram contra ele na corregedoria judicial. O que nos leva a este texto de Ignacio Escolar, cuja tradução segue abaixo.

Garzón e o jardim secreto

É uma constante nos contos, lendas e religiões de todas as tradições religiosas. O poder – seja Deus, o rei ou a própria sociedade – impõe um tabu, um jardim secreto onde não se pode adentrar, sob pena de sofrer os piores castigos. Aquele que se atreve a comer o fruto da árvore da ciência, aquele que pisa no jardim proibido, deve pagar por isso.

Vladimir Propp, um erudito russo do começo do século XX, sintetizou 31 pontos recorrentes que sempre se repetem em todos os contos e lendas. Um deles é a proibição: o jardim secreto. Propp, no fundo, não só teoriza sobre os contos mas também sobre as culturas que os elaboram: a sociedade, que usa essa lenda de cunho moralista – como as parábolas da Bíblia – para transmitir seu código moral. Neste caso a lição é clara: ensina-se a docilidade diante do poder. Respeito, diria a máfia. Aquele que quebrar o tabu deve ser castigado para servir de exemplo.

Jardins da Babilônia na visão de Martin Heemskerck.

Jardins da Babilônia na visão de Martin Heemskerck.

“Baltasar Garzón pisou o jardim secreto do franquismo”, comentou-me um importante advogado criminalista: “há várias décadas a elite política espanhola mantém um pacto não escrito pelo qual a ditadura franquista permaneceu um território proibido”. Tal qual Orfeu, Garzón não deveria olhar para trás. Agora espera o castigo. A pena pode vir antes do julgamento final, a depender da decisão do relator no Supremo, Luciano Varela, que pode vir a público em questão de dias. Em suas mãos está a decisão de fazer sentar no banco dos réus o juizinho valente que ousou passar a limpo o franquismo. Se o fizer, resultaria – antes mesmo do julgamento propriamente dito – na pior das condenações: Garzón teria que se afastar, preventivamente, da Audiência Nacional. Do jardim secreto quase sempre se sai morto.

Veja também:

José Saramago defende o juiz Baltasar Garzón.

One thought on “Garzón e o jardim secreto

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *