Um golpe se chama pelo nome: golpe

O pior erro que cometi como jornalista foi quando – depois de noticiar a assembleia do FMI em Cingapura em setembro de 2006 – fui cobrir o golpe de estado que acabava de ocorrer em Bangkok.
Cheguei com outros companheiros e encontramos uma cidade que parecia apoiar de forma unânime a intervenção do exército contra o primeiro ministro Thaksin Sinawatra e adornava os tanques de flores. Milhares de cidadão em Bangkok – principalmente de classe média – saiam {as ruas para comemorar e aplaudir os golpistas. E nós, quase sem exceção, informávamos de que esse era um golpe do povo contra um primeiro ministro corrupto e odiado, culpado de “populismo” e que “comprava votos” às massas pobres distribuindo subornos estatais.
E quem eram as nossas fontes? Bem, obviamente, tailandeses de um certo nível social que falavam inglês corretamente e imigrantes ocidentais, que são personagens com conhecimento abundante e que “entendem o nosso idioma”. Fiz algumas entrevistas com dissidentes e, no geral, tratei de evitar o erro de pensar que se os estudantes e as pessoas que assistem à CNN apoiavam o golpe ele deveria ser justificado. Mas, como a maioria, classifiquei o evento como “um golpe à tailandesa”, consensuado e pacífico. Ficamos por ali alguns dias e fomos embora.
Mas pouco a pouco foi ficando claro que esse não havia sido o golpe do povo mas o golpe do povo mais ou menos acomodado da grande metrópole, ou seja, da minoria. A maior parte da população, que ainda vive no campo ou nos barracos longe do centro cosmopolita de Bangkok, havia votado no deposto Sinawatra e ainda o apoiava.
O suposto clientelismo de Sinawatra – quer dizer, sua política de subvencionar os camponeses – resultou numa ampla base de apoio eleitoral nas zonas rurais e bairros periféricos pobres. Para as pessoas mais ou menos prósperas em Bangkok, as massas haviam sido subornadas pelo clientelismo de um político populista e corrupto. Mas quando refleti sobre a questão, o populismo de Sinawatra me pareceu bastante menos corrupto que os partidos que ganham votos das classes privilegiadas prometendo cortes de impostos sobre suas rendas.
Por certo, nosso erro em Bangkok foi muito fácil de cometer porque a infraestrutura de aeroportos e hotéis decentes nos levou diretamente aos enclaves de bem-estar de padrão ocidental que existem mesmo nos países mais pobres; os bairros de alto padrão, onde proliferam franquias de multinacionais e hotéis de quatro e cinco estrelas onde os moradores se sentem envergonhados de seus compatriotas da periferia e do campo e odeiam visceralmente ao que eles chamam de populismo.
Isso serve para explicar muitas coisas. A cobertura incondicionalmente favorável ao argumento de que houve fraude nas eleições do Irã no mês passado, para começar. A cobertura exclusivamente negativa na Espanha do “populismo” venezuelano. E agora a confusa cobertura jornalística em Honduras. Porque apenas os enviados especiais com determinação e vontade complicar a sua vida vão falar com as pessoas nas favelas que se espalham pelos morros das serras em torno de Caracas e onde, finalmente, há médicos e rede esgoto, ou nas comunidades populares de Honduras que se beneficiaram da decisão de Zelaya de elevar o salário mínimo em 60% e adotar programas sociais para aplacar a pobreza.
Nossos compatriotas que lá vivem são fontes que todo enviado especial procura em busca de declarações entre aspas que evitam qualquer complicação. Mas tudo indica que em Caracas e Tegucigalpa os espanhóis que lá residem são o que, nos Estados Unidos, se denomina “angry white men” (Homens – e mulheres – brancos e furiosos), em estado perpétuo de indignação pelos subornos aos pobres em troca de votos para governo “populistas”.
Suponho que a raiz de sua raiva inesgotável é que os imigrantes espanhóis em Caracas ou Tegucigalpa têm muito a perder se esse “populismo” funcionar. Quando eu fiz uma crônica sobre uma missão de apoio social numa favela esquecida de Caracas, colocando na mesa a hipótese de que ao invés de clientelismo o programa “Barrio adentro” de ajuda aos pobres era uma manifestação de vontade democrática, uma leitora espanhola residente em Caracas e nascida – ela mesma fez que questão de destacar na carta – em Santa Coloma de Gramenet (Região Metropolitana de Barcelona), escreveu furiosa a este jornal (La Vanguardia) acusando-me de fazer apologia do chavismo populista.
Acontece a mesma coisa em Tegucigalpa. As primeiras matérias dos enviados especiais vinham com declarações extraídas da boca de espanhóis e outros moradores dos melhores bairros da capital hondurenha, descendo o cacete em Zelaya e aplaudindo a intervenção militar em nome da democracia. Na CNN os manifestantes pró golpe falavam em inglês com sotaque norteamericano. “Esses aí são pagos por Mel!”, disse uma senhora em uma reportagem da televisão estadounidense referindo-se a outra manifestação contra o golpe. “Nós somos os que realmente temos independência porque nós trabalhamos para conseguir o que temos”.
O primeiro contato com esses hondurenhos tão parecidos a nós em cultura e renda teve um efeito sobre os enviados especiais como o de um narcótico. Em um flashback enojante das infames matérias sobre a Venezuela no preâmbulo da tentativa de golpe contra Chávez em abril de 2002, esqueceram completamente da presunção de inocência de qualquer presidente derrubado à ponta de pistola. Até se esqueceram que, segundo os manuais de redação, um governo e um presidente golpista devem ser qualificados como governo e presidente de fato.
Em alguns casos chegaram a propor que um golpe de estado é legítimo se o tribunal supremo decide que o poder executivo atuou de forma inconstitucional, o que – se aplicado na Espanha – teria justificado uns tantos golpes nos últimos anos. A confusão dos repórteres, após tantas conversas com espanhóis, normalmente furiosos, mas efemeramente eufóricos, contagiou leitores e telespectadores. “A verdade é que é difícil decidir quem tem razão no golpe de Honduras”, disseram-me dois amigos. Pior, como disse Grahaeme Russel do Instituto Rights Action nos Estados Unidos – www.rightsaction.org – “este golpe jamais foi cinza, sempre foi preto no branco”.
Agora que as coisas começam a ficar claras graças, como sempre ocorre, à chegada a Tegucigalpa da grande massa de descamisados sem First Certificate de inglês. Os primeiros eu vi na Telesur, um canal “populista” – seu principal financiador é a Venezuela – que colocou em nossas TVs imagens que contam uma verdade que havia fugido à CNN Plus (consórcio da CNN e do grupo Prisa). Eu vi, por exemplo, na Telesur uma mulher trabalhadora fumando um puro na entrada de Tegucigalpa que parecia uma trabalhadora da fábrica tabacalera de Lavapiés lá pros idos de 1880, quando as trabalhadoras encantaram Pablo Iglesias [um dos fundadores do Partido Socialista espanhol]. Só que ela era negra, tinha um pano atado à cabeça e gritava: “Abaixo os gorilas! Queremos Mel”. Conforme as massas chegaram dos bairros distantes e dos povoados, tudo começou a ficar claro. Os tiros contra os jovens manifestantes defendendo a democracia também ajudaram.
Do dia para a noite os argumentos sobre a possibilidade de haver legitimidade jurídica nos oito rifles automáticos apontados ao peito do presidente democraticamente eleito viraram pó. De repente, as matérias jornalísticas recuperaram os seus “de fato” e a palavra golpista substituiu “intervenção militar em defesa da democracia”. Charles Krauthammer, o obstinado neoconservador estadounidense, mantém o discurso contra Zelaya, mas isso só mostra a grave crise da direita nos Estados Unidos. Os assessores de Obama sabem do perigo que correm se o novo socialismo latinoamericano for visto como defensor da democracia em oposição aos Estados Unidos.
Tudo lembra o momento em que fracassou o golpe contra o “populismo” venezuelano em abril de 2002 e o líder patronal Pedro Carmona, um homem com um grande futuro às suas costas do mesmo modo que será Roberto Micheletti, converteu-se em Pedro o Breve, e centenas de jornais e emissoras de TV tiveram que dar meia volta. O New York Times publicou um “mea culpa” por apoiar o golpe. As manchetes “A ditadura venezuelana” foram apagados da imprensa espanhola. Mas a história se repete e se repetirá na nova fase do golpismo latinoamericano. Se o golpe é defendido por gente branca, com dinheiro no banco, que estudaram na International House, que esculhambam o “populismo”, a nós os meios de comunicação nos custa chamar esse golpe de golpe.

Andy Robinson

Andy Robinson

Tradução de texto publicado por Andy Robinson em seu blogue, Diario itinerante. Para consultar o original, em espanhol, clique aqui. A dica do original veio de @nivaldolemos.

O pior erro que cometi como jornalista foi quando – depois de noticiar a assembleia do FMI em Cingapura em setembro de 2006 – fui cobrir o golpe de estado que acabava de ocorrer em Bangkok.

Cheguei com outros companheiros e encontramos uma cidade que parecia apoiar de forma unânime a intervenção do exército contra o primeiro ministro Thaksin Sinawatra e adornava os tanques de flores. Milhares de cidadãos em Bangkok – principalmente de classe média – saiam às ruas para comemorar e aplaudir os golpistas. E nós, quase sem exceção, informávamos de que esse era um golpe do povo contra um primeiro ministro corrupto e odiado, culpado de “populismo” e que “comprava votos” às massas pobres distribuindo subornos estatais.

E quem eram as nossas fontes? Bem, obviamente, tailandeses de um certo nível social que falavam inglês corretamente e imigrantes ocidentais, que são personagens com conhecimento abundante  da região e que “entendem o nosso idioma”. Fiz algumas entrevistas com dissidentes e, no geral, tratei de evitar o erro de pensar que se os estudantes e as pessoas que assistem à CNN apoiavam o golpe ele deveria ser justificado. Mas, como a maioria, classifiquei o evento como “um golpe à tailandesa”, consensuado e pacífico. Ficamos por ali alguns dias e fomos embora.

Mas pouco a pouco foi ficando claro que esse não havia sido o golpe do povo mas o golpe do povo mais ou menos acomodado da grande metrópole, ou seja, da minoria. A maior parte da população, que ainda vive no campo ou nos barracos longe do centro cosmopolita de Bangkok, havia votado no deposto Sinawatra e ainda o apoiava.

O suposto clientelismo de Sinawatra – quer dizer, sua política de subvencionar os camponeses – resultou numa ampla base de apoio eleitoral nas zonas rurais e bairros periféricos pobres. Para as pessoas mais ou menos prósperas em Bangkok, as massas haviam sido subornadas pelo clientelismo de um político populista e corrupto. Mas quando refleti sobre a questão, o populismo de Sinawatra me pareceu bastante menos corrupto que os partidos que ganham votos das classes privilegiadas prometendo cortes de impostos sobre suas rendas.

Por certo, nosso erro em Bangkok foi muito fácil de cometer porque a infraestrutura de aeroportos e hotéis decentes nos levou diretamente aos enclaves de bem-estar de padrão ocidental que existem mesmo nos países mais pobres; os bairros de alto padrão, onde proliferam franquias de multinacionais e hotéis de quatro e cinco estrelas onde os moradores se sentem envergonhados de seus compatriotas da periferia e do campo e odeiam visceralmente o que eles chamam de populismo.

Isso serve para explicar muitas coisas. A cobertura incondicionalmente favorável ao argumento de que houve fraude nas eleições do Irã no mês passado, para começar. A cobertura exclusivamente negativa na Espanha do “populismo” venezuelano. E agora a confusa cobertura jornalística em Honduras. Porque apenas os enviados especiais com determinação e vontade de complicar a vida vão falar com as pessoas nas favelas que se espalham pelos morros das serras em torno de Caracas e onde, finalmente, chegaram médicos e rede de esgoto, ou nas comunidades populares de Honduras que se beneficiaram da decisão de Zelaya de elevar o salário mínimo em 60% e adotar programas sociais para aplacar a pobreza.

Nossos compatriotas que lá vivem são fontes que todo enviado especial procura em busca de declarações entre aspas que evitam qualquer complicação. Mas tudo indica que em Caracas e Tegucigalpa os espanhóis que lá residem são o que, nos Estados Unidos, se denomina “angry white men” (Homens – e mulheres – brancos e furiosos), em estado perpétuo de indignação pelos subornos aos pobres em troca de votos para governos “populistas”.

Suponho que a raiz de sua raiva inesgotável é que os imigrantes espanhóis em Caracas ou Tegucigalpa têm muito a perder se esse “populismo” funcionar. Quando eu fiz uma crônica sobre uma missão de apoio social numa favela esquecida de Caracas, colocando na mesa a hipótese de que ao invés de clientelismo o programa “Barrio adentro” de ajuda aos pobres era uma manifestação de vontade democrática, uma leitora espanhola residente em Caracas e nascida – ela mesma fez que questão de destacar na carta – em Santa Coloma de Gramenet (Região Metropolitana de Barcelona), escreveu furiosa a este jornal (La Vanguardia) acusando-me de fazer apologia do chavismo populista.

Acontece a mesma coisa em Tegucigalpa. As primeiras matérias dos enviados especiais vinham com declarações extraídas da boca de espanhóis e outros moradores dos melhores bairros da capital hondurenha, descendo o cacete em Zelaya e aplaudindo a intervenção militar em nome da democracia. Na CNN os manifestantes pró golpe falavam em inglês com sotaque norteamericano. “Esses aí são pagos por Mel!”, disse uma senhora em uma reportagem da televisão estadounidense referindo-se a outra manifestação contra o golpe. “Nós somos os que realmente temos independência porque nós trabalhamos para conseguir o que temos”.

O primeiro contato com esses hondurenhos tão parecidos a nós em cultura e renda teve um efeito sobre os enviados especiais como o de um narcótico. Em um flashback enojante das infames matérias sobre a Venezuela no preâmbulo da tentativa de golpe contra Chávez em abril de 2002, esqueceram completamente da presunção de inocência de qualquer presidente derrubado à ponta de pistola. Até se esqueceram que, segundo os manuais de redação, um governo e um presidente golpista devem ser qualificados como governo e presidente de fato.

Em alguns casos chegaram a propor que um golpe de estado é legítimo se o tribunal supremo decide que o poder executivo atuou de forma inconstitucional, o que – se aplicado na Espanha – teria justificado uns tantos golpes nos últimos anos. A confusão dos repórteres, após tantas conversas com espanhóis residente em Honduras, normalmente furiosos, mas efemeramente eufóricos, contagiou leitores e telespectadores. “A verdade é que é difícil decidir quem tem razão no golpe de Honduras”, disseram-me dois amigos. Pior, como disse Grahaeme Russel do Instituto Rights Action nos Estados Unidos – www.rightsaction.org – “este golpe jamais foi cinza, sempre foi preto no branco”.

Agora que as coisas começam a ficar claras graças, como sempre ocorre, à chegada a Tegucigalpa da grande massa de descamisados sem First Certificate em inglês. Os primeiros eu vi na Telesur, um canal “populista” – seu principal financiador é a Venezuela – que colocou em nossas TVs imagens que contam uma verdade que havia fugido à CNN Plus (consórcio da CNN e do grupo Prisa). Eu vi, por exemplo, na Telesur, uma mulher trabalhadora, fumando um puro na entrada de Tegucigalpa, que parecia uma operária da fábrica tabacalera de Lavapiés lá pros idos de 1880, quando essas funcionárias encantaram Pablo Iglesias [um dos fundadores do Partido Socialista espanhol]. Só que ela era negra, tinha um pano atado à cabeça e gritava: “Abaixo os gorilas! Queremos Mel”. Conforme as massas chegavam dos bairros distantes e dos povoados, tudo começou a ficar claro. Os tiros contra os jovens manifestantes defendendo a democracia também ajudaram.

Do dia para a noite os argumentos sobre a possibilidade de haver legitimidade jurídica nos oito rifles automáticos apontados ao peito do presidente democraticamente eleito viraram pó. De repente, as matérias jornalísticas recuperaram os seus “de fato” e a palavra golpista substituiu “intervenção militar em defesa da democracia”. Charles Krauthammer, o obstinado neoconservador estadounidense, mantém o discurso contra Zelaya, mas isso só mostra a grave crise da direita nos Estados Unidos. Os assessores de Obama sabem do perigo que correm se o novo socialismo latinoamericano for visto como defensor da democracia em oposição aos Estados Unidos.

Tudo lembra o momento em que fracassou o golpe contra o “populismo” venezuelano em abril de 2002 e o líder patronal Pedro Carmona, um homem com um grande futuro às suas costas do mesmo modo tipo que terá Roberto Micheletti, converteu-se em Pedro o Breve, e centenas de jornais e emissoras de TV tiveram que dar meia volta. O New York Times publicou um “mea culpa” por apoiar o golpe. As manchetes “A ditadura venezuelana” foram apagados da imprensa espanhola. Mas a história se repete e se repetirá na nova fase do golpismo latinoamericano. Se o golpe é defendido por gente branca, com dinheiro no banco, que estudou na International House e que esculhamba o “populismo”, a nós os meios de comunicação nos custa chamar esse golpe de golpe.

Textos relacionados:

Surge a oportunidade de dividir melhor o bolo.

Para entender o golpe em Honduras – 3.

One thought on “Um golpe se chama pelo nome: golpe

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *