Para entender o golpe em Honduras – 3

Ignacio Escolar publicou esta ótima entrevista, que traduzi aqui. Os enlaces no interior da entrevista são de minha autoria. Já publicamos sobre o assunto dois outros textos: Para entender o golpe em Honduras e Para entender o golpe em Honduras – 2.

Vicente Boix, colaborador na Nicarágua e autor do livro O parque das redes, enviou esta interessante entrevista, realizada através do correio eletrônico, com o jornalista hondurenho Rubén Escobar. Serve para entender o antes e o depois do golpe militar.

“Estamos voltando à época em que ser de “esquerda” era uma heresia”

Vicente Boix

Diante dos lamentáveis fatos que estão acontecendo na República de Honduras, tive a oportunidade de poder entrevista via Internet o jornalista Rubén Escobar. Atualmente ele ocupa o posto de chefe de notícias no Diario Tiempo, rotativo localizado em San Pedro Sula, a segunda cidade mais importante do país centroamericano, só atrás da capital Tegucigalpa.

Honduras é um país que gera poucas notícias na Europa. Muitos não conheciam o seu atual presidente José Manuel Zelaya Rosales (Mel) e muito menos seu trabalho político à frente do executivo. Tudo mudou há alguns dias quando foi vítima de um vergonhoso golpe de estado que pulou para as primeiras páginas dos meios internacionais e que está provocando uma rejeição sem precedentes na região.

Pergunta: Quem era Manuel Zelaya antes de se lançar à corrida presidencial? Por qual partido se apresentou nas eleições?

Manuel Zelaya. Foto: Marcello Casal Jr/ABr
Manuel Zelaya. Foto: Marcello Casal Jr/ABr

Resposta. José Manuel Zelaya Rosales é filho de um fazendeiro, já falecido, e de uma professora. É oriundo de uma província rural chamada Olancho, daí vem o seu costume de usar chapéu Stetson, seu estilo “caubói” e seu amor pelos cavalos, o que o levou a encabeçar desfiles hípicos em diversas cidades do país e até em Manágua.

Seu pai esteve envolvido nos anos 1970 num complô no qual foram assassinados vários membros da Igreja Católica e civis de esquerda, pelo que sua repentina inclinação ao socialismo surpreendeu muita gente. Esse fato é conhecido na história de Honduras como “o massacre de Horcones“, em função do nome da fazenda da família Zelaya.

De fato, alguns detratores chegaram a apontar que o jovem “Mel” [como  Zelaya é conhecido em seu país] era motorista de um dos veículos  de apoio dos que sequestraram e “desapareceram” os dirigentes, mas nunca se conseguiu provar isso e, mesmo que seu pai tenha sido condenado, depois foi favorecido e não esteve preso.

Com o retorno da “democracia” (assim, entre aspas), em 1981, despontou como membro do Partido Liberal e ajudou outros candidatos a chegar à presidência, até que o mandatário Carlos Flores Facussé, em 1998, o nomeou ministro diretor do Fundo Hondurenho de Investimento Social (uma entidade encarregada de construir escolas, creches, sistemas de abastecimento de água e outras obras de infra-estrutura para as comunidades mais pobres).

Renunciou a esse cargo sob o argumento de que começaria a trabalhar na sua postulação à presidência, algo que fez nas eleições de 2005, nas quais derrotou por escassa margem Porfirio Lobo Sosa, do Partido Nacional. Ainda que muitos o chamem de engenheiro, sabe-se que só cursou 11 matérias de engenharia civil na Universidade Nacional Autônoma de Honduras, porque era um mau estudante.

Apesar de encabeçar um dos tradicionais partidos de direita do país, rapidamente Mel deu um giro à esquerda chegando ao extremo de ingressar na ALBA. Existe algum motivo para que Mel tenha abandonado a raiz conservadora do Partido Liberal para iniciar uma série de medidas políticas de caráter progressista e nacionalista?

A princípio nada levava a crer nesse estranho movimento, ainda que ele se fizesse rodear de personagens que na juventude formavam parte de grupos universitários da ala esquerda do Partido Liberal, como Patricia Rodas (nomeada chanceler), Milton Jiménez Puerto (que foi também seu chanceler e, nos anos 1980, quando era estudante universitário, havia sido detido pelos militares por ser “comunista”) e Jorge Arturo Reina (quem nos anos 1950 liderou um grupo que combateu militares golpistas e que foi nomeado embaixador de Honduras na ONU).

Tudo parece indicar que as necessidades econômicas o fizeram girar à esquerda, ainda que não se possa descartar que sob a assessoria de algum dos acima mencionados. Segundo suas próprias declarações, ele esteve batendo à porta dos organismos financeiros de Washington e não recebeu apoio, foi assim que encontrou em Hugo Chávez um cofre aberto num momento em que o petróleo alcançava o pico mais alto no mercado internacional. Originalmente, o acordo consistia em nos vender petróleo, a preço de mercado, pelo qual o governo pagaria a curto prazo 60 centavos por dólar do custo real enquanto que os outros 40 centavos iriam a um fundo de empréstimo para gasto social. Esse empréstimo teria 25 anos de prazo, com um por cento de juros, sendo considerado uma verdadeira “pechincha”.

Logo em seguida veio a Alternativa Bolivariana para os Povos da América, através da qual Chávez ofereceu cem tratores e mais dinheiro em empréstimos. Os tratores chegaram há dois meses mas até agora ainda não foram colocados em uso e os empréstimos ainda não foram sacados, salvo o fundo petroleiro que não se sabe onde está ou como foi investido.

Refletindo sobre a questão anterior, muitos de nós nos perguntamos se realmente o governo do presidente Zelaya empreendeu mudanças políticas palpáveis, estruturais e reais no rumo de uma sociedade menos desigual e mais justa ou, pelo contrário, tudo é fachada e retórica. Honduras experimentou reformas significativas desde que Mel é Presidente? Você pode citar algum exemplo dessas mudanças?

No meu entendimento, não houve mudanças de fundo, mas sim decisões polêmicas que foram minando sua relação com os empresários, os políticos tradicionais e o poder judiciário. Por exemplo, quando os preços do petróleo estavam muito altos ele iniciou um processo de leilão de combustíveis e contratou um assessor norteamericano (Robert Meyeringh), mas seu plano não pode ser executado porque o governo não tem instalações de armazenamento de combustível e quando tentaram desapropriar os tanques da empresa Distribuidora de Productos de Petróleo S.A. (Dippsa), a iniciativa esbarrou em decisões judiciais. Esse foi um dos embates que perdeu contra empresas privadas e o judiciário.

Em seguida, tentou regulamentar o tráfego de veículos para diminuir o consumo de combustível, mas do mesmo modo uma decisão judicial o impediu sob o argumento de limitar o direito de ir e vir.

Uma das medidas que provocou comoção entre os empresários foi em janeiro deste ano, quando subiu o salário mínimo em 60%, o que desatou uma onda de críticas por parte dos empresários e vários meios de comunicação produziram campanhas mal intencionadas para minar sua imagem, o que só fez fortalecê-la perante a maioria, que é pobre, pois frequentemente se enfrentava com líderes empresariais e os donos da mídia, algo que os presidentes anteriores não faziam. Então, passou a ser parte dos “descamisados” e ainda que muitos não acreditassem nos seus discursos, ao serem consultados mostravam-se ao menos felizes com as atitudes desafiadoras do “Presidente diante dos poderosos da oligarquia deste país” como ele costumava dizer.

De vez em quando me comunico com uma amiga nicaraguense que trabalhou comigo em projetos de cooperação no país. Desde a entrada de Daniel Ortega como Presidente da Nicaragua, acompanhou até Cuba dezenas de pessoas de sua cidade para que fossem operadas da vista, dentro da denominada “Operação Milagre“. Qual o benefício de Honduras por ter entrado na ALBA?
A verdade é que a presença cubana e a “Operação Milagre”, onde também está envolvida a Venezuela, teve inicio em Honduras muito antes da sua  entrada na ALBA. De fato, a presença de brigadas cubanas começou depois da passagem do furacão Mitch, em outubro de 1998, quando o país foi destroçado. Os médicos cubanos se caracterizam por irem a lugares remotos, onde seus correspondentes hondurenhos não vão, motivo pelo qual muita gente tem apreço pelo seu trabalho. Além disso, Cuba formou dezenas de hondurenhos pobres na Escola Latinoamericana de Medicina em Havana, enquanto que na Venezuela foram operadas centenas de pessoas com problemas de vista na “Operação Milagre”. Instruídos por assessores cubanos, professores hondurenhos ensinaram a ler milhares de analfabetos, especialmente gente do campo.

No entanto, os benefícios da ALBA ainda não estão muito claros porque o país não esteve muito tempo nesse sistema. Entretanto, os cem tratores doados pela Venezuela já estão no país e o fundo de empréstimo criado, supostamente seria utilizado em algumas obras sociais que cuja definição ainda não havia sido feita pelo governo de Zelaya porque a esta altura do ano não estava pronto o orçamento de 2009.

A burguesia hondurenha, os deputados, o exército, etc. discrepavam das decisões e do governo de Mel. A consulta popular para perguntar sobre a criação de uma assembleia constituinte que desembocasse numa nova constituição foi a gota d’água e disparou a revolta dos setores reacionários. O Presidente expôs quais as reformas que pretendia introduzir na constituição se finalmente houvesse uma constituinte?

Ele sempre insistiu que não pensava na reeleição e que entregaria o poder em janeiro de 2010 como era devido. No entanto, a Constituição hondurenha na sua maior parte pode ser reformada pelo Congresso Nacional e só há oito artigos fora de seu alcance. São os que tem relação com a forma de governo, incluindo os períodos presidenciais. Esses artigos são denominados de “pétreos” porque não podem ser reformados, salvo por uma constituinte, portanto por dedução pode-se dizer que ele tentaria criar as condições para uma reeleição. Além disso, havia o antecedente de que a maioria dos países da ALBA mudaram suas constituições para permitir a reeleição.

Não é nenhum segredo que Mel está isolado até dos deputados de seu próprio partido. Além disso, seu mandato se acaba em poucos meses e não pode ser reeleito. Portanto, sua debilidade é manifesta e seus dias na política estão contados. Você acredita que Mel pensava na fundação de uma força política que pudesse optar ao poder num futuro?

Eu penso que sim, posto que a Constituição aceita reformas econômicas e sociais, mas não as políticas, por exclusão pode-se dizer que ele buscava as condições propícias para a reeleição, incluindo a dele mesmo pois apesar de que já tinha três anos de governo, era bastante popular. De fato, uma pesquisa do Cid-Gallup publicada há alguns meses por La Prensa, um jornal adversário, revelou que ele era mais popular que Porfirio Lobo Sosa, o mesmo candidato que derrotou em novembro de 2005. Seguindo com a ideia da reeleição, recordemos o exemplo “Chavista”, no qual uma das bases ideológicas é que uma “revolução” não pode ser executada em quatro anos, sendo um “projeto” de longo prazo.

Se Ronald Reagan ressuscitasse, observaria que chegaram ao poder seus dois inimigos dos anos 1980 na América Central: a Frente Sandinista na Nicaragua e a Frente Farabundo Martí em El Salvador. Além do mais, Honduras, o país que serviu como base militar e de operações para Estados Unidos em sua luta contra as guerrilhas da Nicaragua, El Salvador e Guatemala, tem agora um presidente que empreendeu medidas políticas progressistas e que além disso comparte inquietudes e discursos com figuras como Fidel Castro ou Hugo Chávez. Esse cenário era impensável inclusive há apenas cinco anos. O que está mudando na América Central?

Parece-me que é o mesmo fenômeno em toda a América Latina (Venezuela, Paraguai, Argentina, Chile, Brasil, Equador, Bolívia, Nicaragua, El Salvador e, quase, o México). Tem a ver com o desencanto com a “democracia”. O povo é chamado a votar a cada quatro ou seis anos mas depois das eleições passa para segundo plano enquanto deputados, ministros, funcionários e o próprio presidente repartem com seus amigos empresários os contratos, os acertos confidenciais e todo tipo de verba pública. Então a alternativa que encontraram foram os partidos de esquerda, sobre tudo agora que há um marco legal para que cheguem ao poder e que não há a propaganda como nos anos 1980, onde rótulos como “socialista” e “comunista” eram o equivalente a ser o diabo.

Começam a respirar os novos ares e aromas que chegam da América do Sul e, concretamente, da Venezuela, Bolívia, Equador, Argentina, etc?

Definitivamente, ainda que, para desgraça da maioria dos hondurenhos, tenhamos uma oligarquia que se preocupou em não oferecer uma educação decente às massas, de modo que muita gente é facilmente manipulada, a tal ponto que neste momento a sociedade está polarizada após o golpe e estamos voltando à época onde ser de “esquerda” era uma heresia e não enxergam a questão de fundo: os golpistas destruiram em um dia o que levou 28 anos para construir, uma débil democracia, uma criaturazinha que ainda estava se formando e que agora já não existe por culpa do afã de poder de poucos e pela ignorância de muitos

Regressando ao golpe de estado atual, surpreendeu-me o respaldo internacional colhido por Mel. Roberto Micheletti, o presidente de fato, está totalmente isolado. Curiosamente isso não aconteceu nos golpes de estado da Venezuela em 2002 nem no Haiti em 2004. O modus operandi foi similar: sequestro do Presidente, documento falso de renúncia e nomeação de um fantoche de transição. Nesses dois capítulos, a imprensa internacional e muitos governo esconderam o caráter golpista com manipulação informativa. A que se deve esse apoio internacional histórico que está recebendo o governo de Mel? Talvez haja o temor de que se esse governo golpista se mantém, estoure uma espécie de “guerra fria” e a instabilidade se espalhe na região e afete os investimentos das empresas do norte?

Eu penso que em parte se deve à atual tendência de união dos governos latinoamericanos, marcados por diversos tipos de socialismo, onde, se bem é certo que o mercado é importante, também se valoriza as pessoas. Do mesmo modo, o governo de Barack Obama mostra um caráter mais flexível para quem pensa diferente. Talvez se quem estivesse no poder fosse George Bush nesta altura já teria reconhecido o governo golpista. Além disso, parece-me que os militares, políticos e empresários hondurenhos agiram sem consultar. Quer dizer, historicamente os golpes de estado na América Latina tiveram a autorização ou foram promovidos pelos Estados Unidos e de lá o reconhecimento do novo governo se espalhava para sua área de influência. Acredito que, neste caso, não houve “permissão”.

Qual o cenário que você prevê para o país nos próximos meses?

Muita incerteza e instabilidade. Se esse governo ficar, muita gente, dentro e fora, não vai aceitá-lo e Honduras pode ficar isolada. Se Zelaya regressar vai se deparar com um Congresso, um Poder Judiciário, um Ministério Público e um Exército afinados com o outro lado e não vão deixá-lo governar.

Qual foi o papel dos Estados Unidos em Honduras nos últimos anos e agora no golpe de estado? Alguma mudança foi percebida desde que Barack Obama é Presidente?

Estados Unidos sempre foi um apoio financeiro para Honduras, em todos os sentidos. Seja diretamente ou por permitir que quase cem mil hondurenhos residam lá com visto de trabalho. Entretanto, na última década e desde a queda do Muro de Berlim perdemos importância estratégica, ao menos aparentemente, e a participação dos embaixadores se limitou a criticar algumas determinações dos governantes sem se aprofundar muito. De fato, quando Zelaya deu o giro à esquerda nomearam como embaixador Hugo Llorens, um diplomata que não é dado a confrontos e que soube levar a situação com declarações “suaves” e não-intervencionistas. Acredito que Obama é bastante tolerante mas esperamos decisões importantes na próxima semana.

Diante da situação de Honduras, qual o papel que deveriam adotar países como a Espanha ou mesmo a União Europeia?

Parece-me que foi fundamental o papel do secretário de Relações Exteriores, Miguel Ángel Moratinos, ao solicitar a retirada dos embaixadores europeus, o que foi feito ontem. Suas palavras foram fortes, contundentes, ao dizer que o governo de fato nem sequer deve tentar entrar em contato com as autoridades espanholas porque não vai ter resposta. Nesse sentido devem ser todos os esforços, para isolar um governo que ninguém elegeu e que ninguém quer, salvo alguns empresários e seus empregados, que são “convidados” a participar em marchas e manifestações a favor de Roberto Micheletti, um político de quinta categoria que nem sequer conseguiu ganhar as eleições internas de seu partido no passado mês de novembro.

Entrando um pouco no papel da sociedade nos acontecimentos, em algum lugar li que Honduras não dispõe de organizações sociais fortes e experientes. Entretanto, está havendo mobilização do povo e de suas organizações em defesa da legalidade democrática? Você acredita que essa mobilização é fundamental para retomar a normalidade política e para que Mel regresse ao país e à presidência, da mesma maneira que aconteceu em 2002 na Venezuela quando o povo saiu às ruas em defesa de Hugo Chávez?

São várias coisas. Em primeiro lugar é verdade que não há organizações fortes, pois predomina a cultura da indiferença. Os que estão se mobilizando a favor de Zelaya são os sindicalistas e professores que foram vilipendiados durante anos e cujo prestígio estava muito baixo. Também os camponeses. Mas somos muitos os que não estamos com Micheletti, que tampouco estamos com Zelaya, mas que estamos com a lei e a Constituição e deploramos o golpe, mas não encontramos onde nos encaixarmos nas manifestações contra os golpistas. Os que protestam tem também a desvantagem de que estão sendo controlados pelos militares, pois muita gente foi impedida de chegar até Tegucigalpa, sendo detidos na estrada. Além do mais, várias redes de televisão e de rádio e a maioria do jornais formaram parte do complô golpista e agora se negam a relatar os protestos contra o novo governo e sobredimensionam as manifestações a favor. Enquanto isso, os militares mantém sob controle alguns canais e jornais que eram afins ao governo anterior ou que estão tentando informar de maneira imparcial.

Por diversos meios se comenta que o exército começou a repressão. Inclusive citam nomes como Rafael Alegría da Via Campesina ou militantes do partido Unificação Democrática. Essas notícias estão certas?

É verdade que várias pessoas que se manifestaram contra o governo foram surradas e feridas pelos soldados e policiais. Outros foram detidos e liberados em poucas horas.

Por outro lado, os que participam nas manifestações a favor do governo são protegidos pelas forças da ordem. Por certo, ontem publicamos uma fotografia de um dos manifestantes “pró-governo”. Era um guarda-costas que fez vários disparos quando dois grupos de opositores se encontraram. Isso mostra que muitos desses manifestantes são gente da elite que deixarou a comodidade de suas mansões e empresas para protestar contra o capeta Chávez e seu filho, Mel, mas vão acompanhados de seus capangas, que além de defendê-los vão lá pra provocar tumulto.

Outra situação sobre a qual temos lido é que os meios que não são afins aos golpistas estão sendo silenciados e amordaçados. Você e o Diario Tiempo estão passando por essa situação?

Em Tegucigalpa, no dia do golpe, no domingo, 28 de junho, um caminhão com soldados esteve rondando as instalações do Diario Tiempo, enquanto em San Pedro Sula um contingente de soldados chegou até as instalações do Canal 11, uma empresa do mesmo grupo, e pediu ao pessoal da segurança que abrisse os portões porque iam entrar, no momento em que um jornalista entrevistava via telefone Enrique Flores Lanza, um dos ministros de Zelaya.

Os guardas disseram não e, depois de várias ligações entre executivos e oficiais, eles optaram por não entrar, mas ficaram do lado de foram brandindo seus fuzis.

Outra coisa que se deve investigar é que os exemplares do jornal “desaparecem” muito rápido das bancas. Hoje eu recebi uma chamada de um leitor de Tegucigalpa e ele me disse que às 08 da manhã já não havia exemplares, mas não sabemos se alguém os está comprando em grande quantidade para que não cheguem ao público. A mesma coisa acontece em San Pedro Sula e em outras cidades.

Na terça fomos o único jornal que mostrou na primeira página e com foto o grande enfrentamento entre o exército e os manifestantes em Tegucigalpa. Hoje voltamos a informar sobre os protestos em todo o país enquanto os outros meios praticam autocensura sob o argumento de que querem “a paz” e o regresso “da ordem”.

A União Internacional de Trabalhadores na Alimentação, através de sua sede na América Latina (Rel-Uita), para dar um exemplo, apresentou um documento de apoio ao Presidente Zelaya em nome das 374 organizações que dela fazem parte e que estão situadas em 120 países do mundo. Houve um apoio real de outras organizações e da esquerda social internacional ao presidente legítimo de Honduras?

Até agora, o apoio de organizações não repercutiu em Honduras, salvo a convocatória de uma marcha em Paris por sindicatos e organizações latinoamericanas a ser realizada hoje, quinta-feira. As informações se concentraram nos esforços da OEA, da ONU e dos países.

Nota do autor (Vicente Boix): para acompanhar a atualidade de Honduras, além de visitar o Diario Tiempo http://www.tiempo.hn/, você também pode ir à web da União Internacional de Trabalhadores na Alimentação, http://www.rel-uita.org/ Nela poderão ser encontradas entrevistas, artigos, vídeos fotografias, etc. e todo o material que está sendo enviado pelo jornalista italiano Giorgio Trucchi, que atualmente está cubrindo o golpe de estado em Tegucigalpa.

Textos relacionados:

Para entender o golpe em Honduras.

Para entender o golpe em Honduras – 2.

Um golpe se chama pelo nome: golpe.

Surge a oportunidade de dividir melhor o bolo.

9 thoughts on “Para entender o golpe em Honduras – 3

  1. Pingback: Vários Um :: Simples verdade :: July :: 2009

  2. Allan Patrick,
    A entrevista de Vicente Boix com Rubén Escobar que você nos trás aqui é não somente oportuna e esclarecedora, como uma verdadeira aula de história. Tanto pela excelente análise das condições econômicas, políticas e sociais que favoreceram o golpe militar em Honduras, como pelos dados biográficos dos personagens que encenaram, voluntária ou involuntariamente, mais este patético e anacrônico drama no palco já tristemente acostumado com esse tipo de tragédia.

    Meus parabéns a você e minha solidariedade ao povo de Honduras.

    Abraços
    Nivaldo Lemos

    • Obrigado pela visita e pelo comentário, Nivaldo. Sempre que possível, vou tentar traduzir notícias sobre o que está ocorrendo em Honduras. É o mínimo que podemos fazer para apoiar os hondurenhos.

  3. Patrick,

    Novamente venho lhe desejar os parabéns pela cobertura do golpe militar em Honduras e por esse entrevista esclarecedora. Creio que o entrevistado foi bastante honesto na forma de narrar seu ponto de vista. No fim das contas, a singularidade do Golpe Hondurenho mora no fato de ter sido um golpe militar clássico dentro de uma conjuntura totalmente atípica nas Américas – uma corrida de bigas na Avenida Paulista -, ao mesmo tempo em que revela uma ferida ainda não cicatrizada – ou em processo de cicatrização – no continente que é o oligarquismo.

    Esse oligarquismo promoveu a passagem de uma ordem coisinha a mais do que medieval para um simulacro do que seria um Estado Liberal, fazendo o devido recorte do Liberalismo, mas na hora em que as coisas saem do lugar – ou seja, as instituições liberais atrofiadas passam a ser utilizadas pelos movimentos populares – tiram um ás nazista da manga: As próprias instituições que eles criaram, por eles são destruídas como forma de manter a ordem social, o que revela não só uma descrença na credo liberal (à europeia continental) da lei positiva como o entendimento que a há uma ordem de fato e de direito na socializada para qual o ordenamento formal é apenas uma máscara, podendo ser uma máscara falsa – como de fato o é.

    Obviamente, o cerne de tudo não é Liberalismo ou fascismo na medida em que nunca houve uma Revolução Burguesa no continente, é o oligarquismo de uma elite pós-colonial defendendo seus privilégios por meio do uso tático de instrumentos liberais e fascistas frente a ameaça não do socialismo, mas sim ao reformismo burguês dos países da ALBA – excetuando Cuba, um belo adorno, os demais membros se veem às voltas com movimentos, no máximo, social-democratas na forma de lidar com a economia.

    Eis aí que eu discordo de um ponto da leitura de Boix sobre o fato de que as mudanças latino-americanas “Tem a ver com o desencanto com a ‘democracia'”; na verdade se fundam no exato oposto, tem a ver com a necessidade material dos povos oprimidos que aliados aos reformadores mais ou menos radicais da burguesia passam a enxergar que Democracia não é exatamente essa fantasia institucionalóide que lhes estavam vendendo. Isso, na atual conjuntura mundial, com os EUA sem poder nem interesse suficientes para manter um intervencionismo perene no continente, acabou resultando no atual quadro que é, na realidade, um começo ainda que tênue, me muitos casos questionável, da Democracia na AL – levando em conta que é o aspecto material que funda o aspecto formal.

    abraços

  4. Sou aluna de História do Centro Universitário Salesiano do Estado de São Paulo-Cidade de Lorena,e aqui está uma completa aula de História!Gostei muito do que está colocado aqui, e aqui obtive ajuda para maior compreensão do assunto!Parabéns

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *