Bolso de pobre cheio ativa economia mais que desoneração

Presidente Lula. Ricardo Stuckert/ABr

Presidente Lula. Foto: Wilson Dias/ABr

Impressiona como Lula consegue traduzir ao grande público temas complexos. Nesse discurso, conseguiu explicar muito bem o conceito de progressividade fiscal (grifo nosso):

“Bolso de pobre cheio ativa economia mais que desoneração”
Valor Econômico – 24/06/2009
Reuters, do Rio

Ao criticar empresários que nem sempre repassam as desonerações fiscais para os consumidores, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu ontem, no Rio, a distribuição direta de recursos à população como o melhor meio de se ativar a economia.

Segundo Lula, cada real dado às famílias mais pobres é certamente revertido em consumo.

Tenho tido reuniões no Ministério da Fazenda e dito que, em vez de desonerar tudo, por que não dar para os pobres? Às vezes, desoneramos e vocês (empresários) não passam para o preço do produto“, disse o presidente Lula em discurso durante sua participação no lançamento do projeto de revitalização do Porto do Rio.

Ele lembrou que, desde que assumiu o governo, as desonerações sobre produtos como máquinas, automóveis e eletrodomésticos, entre outros, somam R$ 100 bilhões. “Imaginem R$ 100 bilhões na mão do povo”, declarou o presidente.

Como exemplo, o presidente voltou a lembrar que o fim da CPMF (imposto do cheque) não provocou uma redução nos preços dos produtos no país. Mas admitiu que a redução de impostos promovidas para enfrentar a crise têm estimulado o consumo de veículos e eletrodomésticos.

Ele salientou ainda que desonerações para classes mais altas normalmente não se revertem em consumo.

“Cada real que você dá na mão de um pobre ele volta automaticamente para o comércio, para o consumo e vai reativar a economia. Um real para mil pessoas são mil reais para o comércio”, disse Lula. “Ele (o pobre) não vai para o banco, para o derivativo, é isso que precisamos fazer para a economia deste país crescer“.

Lula também defendeu o nível da carga tributária brasileira como mecanismo de política social. “A carga tributária da América Central é 9% ou 10%. Um país com essa carga não tem Estado, porque o Estado não pode cuidar de nada“, afirmou. No Brasil, a carga é de 38,45% do Produto Interno Bruto (PIB).

Em São Paulo, onde participou de inauguração de novo prédio do complexo hospitalar Albert Einstein, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, queixou-se, em discurso, da rejeição da CPMF pelo Congresso Nacional. “É preciso resolver a questão do financiamento da saúde pública no país. Se a CPMF não tivesse sido rejeitada, o orçamento da saúde seria o dobro do atual. Hoje temos R$ 50 bilhões disponíveis. Com a CPMF esse valor seria de R$ 93 bilhões.

O presidente, que também participou do evento, fez um discurso lido, sem retomar o tema. O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), e o prefeito da capital, Gilberto Kassab (DEM), também discursaram. Serra louvou a parceria entre os governos federal, estadual e municipal. (Colaborou Yan Boechat, de São Paulo)

Atualização em 04/07/2009:

Enquanto isso, Serra reduz ICMS para iates e veleiros.

Textos relacionados:

Fim da CPMF afetou poder de fiscalização da Receita Federal.

Wall Street e o imposto sobre transações financeiras.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *