Para entender o clima de 1964 – parte 1

Capa da Folha em apoio ao AI-5. Sábado, 14 de abril de 1968.

Capa da Folha em apoio ao AI-5. Sábado, 14 de abril de 1968.

O blogueiro Miguel do Rosário fez uma interessante pesquisa na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Fuçou as manchetes e o conteúdo do noticiário da imprensa no ano de 1964. O resultado – um deprimente paralelo entre o passado e a atualidade – mostra porque o termo Partido da Imprensa Golpista (cujo acrônimo pig é a tradução de porco em inglês), criado por Paulo Henrique Amorim, é tão certeiro. Vamos ao texto de Miguel, longo porém necessário:

Notas sobre a ditabranda

Original publicado em 16/06/2009

Conforme já mencionei aqui, há muitos anos frequento a Biblioteca Nacional, que além de abrigar a maior variedade de livros do país, possui uma coleção microfilmada de todos os jornais brasileiros, de todos os tempos. As épocas que mais me interessam pesquisar, naturalmente, são aquelas de grande comoção nacional e por isso tenho fuçado sobretudo os meses de agosto de 1954, e março e abril de 1964.

Esta semana, passei uma tarde pesquisando as edições de março e abril de 1964 do jornal Folha de São Paulo, e topei com editoriais e notícias que, senão me causaram nenhuma surpresa, forneceram-me algumas peças para o quebra-cabeças que venho montando há tempos, tentando compreender um pouco mais a história contemporânea brasileira.

Por que houve um golpe militar no Brasil? Esta é uma questão que não pode, definitivamente, ser respondida com um dar de ombros. (…)

Devemos urgentemente, portanto, incluir nos acontecimentos de 1964 um ator político fundamental. Não se trata de culpar a mídia por tudo. Ao contrário, trata-se de lhe dar o status e o prestígio – para o bem e para o mal – que ela merece. Ela foi, afinal, um dos atores mais importantes da cena política que se descortinava e não se pode representar Othelo sem o personagem Iago. Os jornais eram tão cruciais nos anos 60 porque não havia uma tv relevante, as rádios eram fragmentadas, e não existia internet. A imprensa escrita constituía a grande, e única, tribuna política do país. Quer dizer, a imprensa não era apenas uma tribuna; era um Tribuno; os jornais brasileiros, como aliás seus congêneres em todo o mundo democrático ocidental, tinham opinião própria, muita opinião, sobre os fatos políticos.

Até aí tudo bem. Ocorre que em março de 1964, os jornais brasileiros deixaram de ser meros agentes de opinião (conservadora, católica, colonial, golpista) para se tornarem protagonistas naquele que certamente foi o mais terrível, o mais faccioso, o mais perverso crime jamais perpetrado contra o espírito de união nacional, contra a justiça, contra a democracia, contra a paz, contra a moral, contra nossa inocência e cordialidade, enfim contra todos os valores importantes por trás de uma nação como o Brasil.

Para começar, não éramos uma ditadura como a que existia em Cuba, com Fulgêncio Batista; nem uma autocracia medieval, como havia na Rússia cezarista. O Brasil possuía, em 1964, uma das democracias mais avançadas do mundo; aos trancos e barrancos, vinha se desenvolvendo a um ritmo invejável, a nível cultural, acadêmico, industrial, artístico, educacional, econômico, político. O Brasil havia produzido Guimarães Rosa, Glauber Rocha e Chico Buarque, apenas para citar três símbolos de uma cultura da qual parecia jorrar tanto entusiasmo e genialidade.

A academia brasileira vinha experimentando, por sua vez, um grande momento. O estereótipo do estudante sessentista, visto como baderneiro revolucionário e maconheiro, é injusto e preconceituoso. Tínhamos jovens estudiosos e politizados. O “engajamento” político dos anos 60 era autêntico, generoso, verdadeiro, criativo. O jovem que hoje participa de “micaretas”, lá atrás, estudava Marcuse, Nietszche e escutava Ismael Silva.

Quando abordamos o golpe militar, portanto, esse ato de barbárie que violentou um momento histórico tão importante, tão delicadamente belo e poderoso, é preciso analisar, atentamente, esse contexto.

(…)

Desde o final da II Guerra, quando a guerra fria ganha força no mundo, as notícias internacionais que chegam às redações brasileiras são publicadas com todos os filtros ideológicos impostos por Washington. O golpe de Estado contra Árbenz, na Guatemala, em 1954, por exemplo, assume ares de legalidade. A mesma coisa vale para a derrubada do regime democrático em Cuba, por Fulgêncio Batista.

A leitura da Folha de 1964 esclareceu um ponto para mim. As três personagens políticas mais importantes para a preparação e realização do golpe de Estado foram os governadores de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais: respectivamente, Ademar de Barros, Carlos Lacerda e Magalhães Pinto. Ademar entrava com dinheiro, Lacerda com um discurso incendiário e terrorista, Magalhães com os tanques de guerra.

A Folha reproduzia o terrorismo lacerdiano com uma placidez cúmplice apenas comparável à tolerância e pusilanimidade com que a Europa deixou Hitler crescer e rearmar a Alemanha. Infelizmente, os microfilmes da Biblioteca Nacional não estão digitalizados, o que permitiria uma reprodução fácil na internet. Mas eu fiz algumas anotações. O mais impressionante, de longe, é o discurso de Carlos Lacerda, muito parecido ao terrorismo esquizóide e delirante de um Olavo de Carvalho.

Lendo a Folha (eu já li também o Globo e o Correio da Manhã de 1964), pode-se constatar que o plano dos golpistas consistia nos seguintes pontos:

1) Associar o governo ao comunismo e à ilegalidade.
2) Causar a impressão de perigo imediato para as instituições.
3) Criar a impressão de que eles, a oposição conservadora, tinham imenso apoio popular.

As eleições presidenciais aconteceriam em 1965. Goulart e todos os seus aliados não faziam a menor menção de mudar isso. Nem lhes interessariam mudar. Lacerda, no entanto, lançava diariamente a suspeita de que as eleições não ocorreriam e que Goulart tentaria se “perpetuar no poder”. Lacerda pinta uma imagem cada vez mais diabólica do presidente Goulart, como se ele fosse um perigossíssimo comunista russo infiltrado no governo para derrubar a democracia brasileira. Aliás, quando o golpe ocorre, os jornais divulgam a seguinte afirmação de Lacerda: “A ditadura russa foi derrubada!” Podem rir.

Vejam o que Lacerda afirmava que Goulart faria nos próximos meses. A citação é textual (inclusive com itens numerados):

“1) Substituirá a Constituição por outra.
2) Dissolverá o Congresso Nacional.
3) Fará plesbicitos autoritários [essa é boa, héin?! Plebiscitos autoritários! Podiam ter ensinado essa ao Stálin, héin?]
4) Associação crescente entre comunismo e negocismo [!!!!!!!!!!! Não me perguntem o que é isso!]
5) Desmoralização das forças armadas.
6) Transformação do presidente em caudilho. Não haverá mais eleições.
7) Destruição da livre-iniciativa e sua substituição por um dirigismo incompetente e desvairado, logo substituído pelo controle totalitário de todas as atividades nacionais, inclusive o controle das consciências.”

A imprensa publicou esses tópicos sem permitir nenhuma resposta “do outro lado”, e, o pior, sem criticá-los; ao contrário, chancelava-os em seus editoriais, conforme se verá logo a seguir. Detalhe: o governo vinha negando veementemente esse tipo de acusação. Mas como negar “boatos” sem base nenhuma na realidade? Lacerda nem ninguém apresentava qualquer prova de suas acusações insanas. Mas pra que provas, quando se tem apoio midiático?

Esta série continua na parte 2.

4 thoughts on “Para entender o clima de 1964 – parte 1

  1. Pingback: Para entender o clima de 1964 – parte 2 « O Caderno de Patrick

  2. Pingback: Para entender o clima de 1964 – parte 3 « O Caderno de Patrick

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *