Vale a pena gastar R$ 1,1 milhão por minuto em função da Copa?

dólarPor Allan Patrick

Pois bem, o Rio Grande do Norte gastará R$ 300 milhões (dos cofres públicos, dinheiro dos nossos impostos) para ser uma das sedes da Copa do Mundo. Fizemos uma primeira abordagem dessa questão no texto A Copa do Mundo em Natal. Vamos pagar quanto?

Uma sede de menor importância, como será o caso de Natal, deverá receber 3 (três) partidas. 270 minutos de futebol. Ao custo de R$ 300 milhões, o resultado é fácil de obter: R$ 1,1 milhão por minuto de jogo.

Estaremos sendo muito rigorosos em nossa análise? Não estamos esquecendo que a estrutura da futura Arena das Dunas é permanente e que dará um retorno permanente ao Estado? Bem, façamos uma análise rigorosamente capitalista. O economista Luiz Gonzaga Belluzo menciona na matéria do Valor Econômico, citada no texto anterior, que investidores privados exigem 15% a.a. de retorno para construirem uma “arena”. Vamos esquecer esse número. Pensemos de olho no futuro, com um Brasil mais desenvolvido, economicamente mais forte e com uma taxa de juros mais civilizada. Digamos que essa taxa de retorno possa ser reduzida a 5 % a.a. Para um capital de R$ 300 milhões, seria necessário um retorno anual de R$ 15 milhões apenas para empatar o investimento, sem amortização do capital investido. Na matéria anterior vimos que o Estádio de maior faturamento do País, o Morumbi, rende R$ 19,42 milhões/ano, embora conte com o benefício inigualável de estar localizado no principal mercado consumidor do Brasil.

copa2014Mas e o retorno em imagem para a Cidade e o Estado, intangível, não seria magnífico, dada a escala planetária do evento Copa do Mundo? Para responder a essa questão, vamos dissecá-la. Primeiro, o benefício não é intangível, pois existem empresas especializadas em fazer esse tipo de análise de retorno de investimento em imagem através da medição da sua divulgação na mídia. Segundo, com R$ 300 milhões é possível fazer uma campanha publicitária digna de Dubai, ou mesmo de Hollywood. Um arrasa-quarteirão do cinema americano, que é divulgado até nos mais remotos pontos do planeta, não gasta tanto em publicidade ao ser lançado. Eu fecho a resposta a essa pergunta com um questionamento: alguém lembra qual a cidade-sede da última Copa que recebeu as partidas entre Polônia e Equador, Argentina e Sérvia, Portugal e México, EUA e República Checa, Inglaterra e Portugal? Veja aqui.

E, ainda, na melhor hipótese, com quatro partidas (incluindo uma das oitavas-de-final), o custo será de R$ 830 mil/minuto de jogo.

O lóbi

Não posso deixar de registrar a informação publicada por Luís Fausto sobre o lóbi de José Agripino Maia para a escolha de Natal:

Renata só esqueceu de um detalhe essencial para o sucesso do lobby de José Agripino junto a Ricardo Teixeira: o senador do Rio Grande do Norte nunca permitiu que as denúncias e acusações contra a CBF chegassem ao Congresso Nacional, inclusive trabalhando há alguns anos contra a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), e desde há algumas eleições recebe contribuições (legais, diga-se de passagem) financeiras do órgão máximo do futebol brasileiro para as suas campanhas.

Post Scriptum

Enquanto isso, no Agreste Potiguar: crianças sem infância, que matam e esfolam.

Veja também:

A Copa do Mundo em Natal. Vamos pagar quanto?

Sou favorável a um plebiscito sobre a Arena das Dunas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *