Risco moral

A crise de 2008 e a economia de depressão. Paul Krugman. Editora Campus.

A crise de 2008 e a economia de depressão. Paul Krugman. Editora Campus.

Nelson Rodrigues tinha um rótulo engraçado e certeiro para a parcela da sociedade brasileira que não desperdiçava uma oportunidade de difamar o próprio país. Era o “complexo de vira-lata“. A turma que padece desse complexo também costuma sofrer, simultaneamente, de deslumbramento em relação aos países de “primeiro mundo”, que idealizam infantilmente. Lembrei disso quando folheei o último livro de Paul Krugman, “A crise de 2008 e a economia de depressão”, cujo excerto, extraído da pág. 64, transcrevo abaixo:

O termo “risco moral” se originou no setor de seguros. Desde muito cedo, sobretudo no ramo de incêndio, as seguradoras perceberam que os proprietários com seguro total contra perdas apresentavam a tendência curiosa de sofrerem incêndios destruidores – sobretudo quando mudanças nas condições vigentes reduziam o valor de mercado de seus prédios a nível inferior ao da cobertura do seguro. (Em meados da década de 1980, havia na cidade de Nova York numerosos proprietários de imóveis, conhecidos pela “propensão a incêndios criminosos”, que compravam prédios de empresas fantasmas, sob seu controle, a preços inflacionados, os quais, em seguida, eram segurados pelo custo de aquisição, como suposto valor de mercado; para algum tempo depois sofrerem perda total em decorrência de incêndio; ou seja, risco moral de fato.) Por fim, o termo passou a referir-se a qualquer situação em que alguém decide sobre o nível de riscos aceitável, enquanto outro assume os custos, se algo der errado.

Textos relacionados:

As casas uivantes e a crise mundial.

Fraude na restituição do Imposto de Renda nos EUA.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *