A Copa do Mundo em Natal. Vamos pagar quanto?

Por Allan Patrick

Muita gente pergunta minha opinião sobre o fato de Natal ser uma das sedes da Copa do Mundo. Resolvi reunir os dados públicos a respeito desse assunto para refletirmos em conjunto. Seguiremos a ordem cronológica. Desde já, perdoem-me pelo longo texto.

Estádio João Machado, o Machadão. Foto por Mansueto77.

Estádio João Machado, o Machadão. Foto por Mansueto77.

Em 2006, o América foi o quarto colocado na Série B do Campeonato Brasileiro, o que lhe garantiu uma vaga na Série A em 2007. Dadas as más condições do Estádio Machadão, a Prefeitura providenciou uma reforma emergencial, ao custo de R$ 17 milhões, para deixá-lo apto à primeira divisão. O construtor responsável pela reforma declarou que o Machadão estaria pronto para encarar os próximos 40 anos (fonte). O Prefeito à época, Carlos Eduardo, defendia que o estádio, após a reforma e com mais algumas adaptações para o padrão FIFA, seria um forte argumento da cidade para candidatar-se a sediar a Copa do Mundo de 2014. Isso foi em maio de 2007.

Contudo, quando chegamos ao mês de junho, ainda em 2007, o Governo do Estado anunciou o projeto de um novo estádio, Estrela dos Reis Magos, localizado em Parnamirim (município contiguo a Natal), com custo estimado entre R$ 150 e 200 milhões. É claro que a torcida deste modesto contribuinte e blogueiro era pela proposta da Prefeitura, ou seja, por uma nova reforma do Machadão, dado o seu valor histórico e o desperdício que seria construir mais um estádio (o terceiro) de grande porte na região metropolitana de Natal.

Eis que o tempo passa e, em junho de 2008, surge a notícia de que Prefeitura e Estado unificaram seus esforços. Venceu a opção reformista, agora bastante inflacionada (vá lá, a reforma de R$ 17 milhões foi para colocar o Machadão em condições mínimas de uso; a nova, de R$ 200 milhões, seria para deixá-lo num invejável padrão FIFA):

No projeto da reforma do Machadão, que ficará em torno de R$ 200 milhões – metade do que chegaria a custar o novo estádio –, a capacidade será aumentada em 10 mil lugares para que atenda aos requisitos mínimos da Fifa, que determina a utilização de estádios com mais de 40 mil assentos.

“O campo será ‘abaixado’ e mais dois anéis serão construídos. Como o estádio tem 35 mil lugares, com os 10 mil lugares a mais o Machadão estará apto a receber os torcedores e a imprensa mundial”, informou Ney Dias.

Além do aumento da capacidade do estádio, a Fifa também exige que o investimento tenha retorno para a sociedade, com o local servindo para outras atividades após a Copa do Mundo. “A Fifa não aceita os ‘elefantes brancos’. Para ser aceita como sede, as cidades têm que provar que, após a Copa, os estádios não ficarão em condições de abandono, e sim com atrativos para a sociedade, como cinemas, restaurantes, boates, entre outras coisas”, disse Fernando Fernandes.

Fonte: nominuto.com,“Governo e Prefeitura se unem e definem que Machadão será reformado para Copa de 2014”

Vejam que a matéria já dá a entender que o novo estádio custaria R$ 400 milhões e não “entre R$ 150 e 200 milhões”, como havia sido afirmado antes. São muitos números, temos que ter cuidado para não nos perdermos com a elevação dos gastos!

Em janeiro deste ano de 2009 tivemos novidade:

Terça-feira, 27/01/2009 às 18h17 – nominuto.com

Projeto da arena esportiva custará R$ 300 milhões

Por Artur Dantas

Está prevista a edificação de uma arena multiuso, prédios comerciais e os centros administrativos do Estado e Município, além de bosques e hotéis.

Projeto do Comitê da Copa 2014 (Natal). Fonte: nominuto.com

Projeto do Comitê da Copa 2014 (Natal). Fonte: nominuto.com

Em entrevista coletiva realizada na tarde desta terça-feira (27), o Comitê esportivo da Copa de 2014 mostrou o novo projeto da capital para acolher o mundial de futebol. O projeto prevê a edificação de uma arena esportiva, arena multiuso, prédios comerciais e os centros administrativos do Estado e Município, além de bosques e hotéis.

Para viabilizar o projeto, o secretário de Turismo do Estado e presidente do comitê, Fernando Fernandes, explicou que a iniciativa privada entra como grande financiadora da obra. Através de uma parceira público-privada (PPP), os investidores trabalham com a construção do complexo e em troca tem a cessão do terreno por um prazo de 30 anos.

Fernando Fernandes detalhou o funcionamento da parceria entre Estado e o capital privado. “O Rio Grande do Norte entra com a moeda que tem, que é o terreno. Na construção do complexo, não gastaremos nada. Em compensação, os investidores que ganharem a licitação venderão os prédios comerciais, o que pode chegar a um valor geral de venda (VGV) de R$ 1,2 a 1,5 bilhão de reais. É uma obra bonita, funcional e economicamente viável”, disse o secretário.

(…)

Para tornar realidade o projeto audacioso que planeja a demolição do centro administrativo, Machadão e Machadinho, totalizando uma área de 45 hectares, o comitê esportivo destacou a participação de grupos internacionais e nacionais na concretização. De acordo com o secretário de Turismo, Fernando Fernandes, a readequação do Machadão para a realização dos jogos custaria aos cofres públicos cerca de R$ 250 milhões.

Os grifos em negrito são meus. Quem não é de Natal já está se sentindo confuso. Não se preocupe, o natalense também. Vamos explicar a situação: ao lado do estádio Machadão fica o Centro Administrativo do Governo do Estado do Rio Grande do Norte, espalhado por 45 ha. em área nobre da capital potiguar. Esse terreno, aparentemente, seria permutado em troca de um novo Centro Administrativo, instalado no local, e o vencedor da licitação teria o direito de construir prédios e centros comerciais no local.

Notem que o gasto público já cresceu para R$ 250 milhões (ou R$ 300 milhões se o correto for o título). Já com relação à parceria público-privada, com valor geral de venda superior ao R$ 1 bilhão, não há maiores explicações.

Em março de 2009 surge uma nova notícia:

Quinta-feira, 12/03/2009 às 12h13 – nominuto.com

Governo apresenta detalhes do projeto Natal 2014

Havia um certo clima de aflição na divulgação dos detalhes por conta do adiamento da confirmação das sedes.

Por Rogério Torquato

(…)

De fato, foram mostrados alguns detalhes a mais além dos dados já conhecidos – detalhes antes mantidos sob sigilo por determinação da Fifa. Por exemplo, desta vez ficou claro que ao lado da Arena das Dunas será erguido um ginásio – que vai suceder o atual Ginásio Humberto Nesi “Machadinho” – climatizado (antes, foi divulgado que seria uma “arena poliesportiva”); ao lado do mesmo, vai surgir um teatro; e a construção de tudo o que está atualmente no terreno que engloba os atuais Machadão, Machadinho e Centro Administrativo poderá ser feita em módulos de acordo com o orçamento disponível.

Sobre a Arena das Dunas em si, o local terá capacidade para 45 mil pessoas, espalhadas em três áreas: um anel inferior com capacidade para cerca de 18 mil espectadores; um anel superior com capacidade para aproximadamente 22 mil pessoas; e uma área intermediária composta por dois setores destinados a camarotes “vip”, ao pessoal da Fifa, e para a imprensa, entre outros (a estimativa é de cerca de 5 mil pessoas). Estão previstos 20 acessos – curtos, os torcedores pelo projeto mostrado para a Fifa não devem andar muito – e 32 escadas para tal, de acordo com as exigências atuais internacionais, fora os elevadores (de serviço do estádio, de carga e de convidados).

(…)

Observem: a reforma do Machadão desapareceu. Agora é um novo estádio: a Arena das Dunas. O Ginásio Humberto Nesi também já era. Novidade  importante: a obra “poderá ser feita em módulos de acordo com o orçamento disponível”. Não há mais referências a investidores privados ou parcerias de qualquer tipo.

Pois bem, neste 31 de maio de 2009 foi anunciado nas Bahamas que Natal será uma das sedes da Copa do Mundo. Em quanto andará a conta?

Segunda-feira, 01/06/2009 às 10h12

Copa: obras em infraestrutura somam mais de R$ 2 bilhões

Entre construção do estádio e obras acessórias ao complexo, Governo confirma gastos de mais de R$ 2 bilhões.

Por Marília Rocha

Os investimentos nas obras de infraestrutura do Rio Grande do Norte para receber a Copa do Mundo de 2014 já somam bilhões, número confirmado pelo secretário estadual de Infraestrutura (SIN), Dâmocles Trinta.

Além da construção do Complexo Arena das Dunas, que inclui estádio, shoppings e estrutura turística e de hospedagem, o Governo do Estado junto com a iniciativa privada deve acelerar as obras em andamento, garantindo uma melhor estrutura para sediar a Copa.

No dia do anúncio das cidades sedes da Copa, a governadora Wilma de Faria confirmou a criação de uma secretaria especial da Copa do Mundo. “A secretaria especial será exclusiva para acompanhar as obras do complexo e manter contato com as obras que já estão em andamento”, descata Dâmocles.

O secretário explica que o projeto Arena das Dunas será viabilizado através de uma Parceria Público Privada (PPP) com investimentos mais altos do que os anunciados. “A obra gigantesca terá que ser construída num curto espaço de tempo com lagoa, arena de estádio e estrutura de lazer, aumentando o custo da obra”, afirma.

As obras acessórias que cabem a Secretaria de Infraestrutura são: prolongamento da Prudente de Morais, da Via Costeira, que vão melhorar o acesso viário ao estádio; o projeto Via Metropolitana, que dará fluxo de transporte aos veículos que vem de Macaíba e do Aeroporto de São Gonçalo e o Pró-transporte, melhorando as condições da zona Norte.

“As obras acessórias a Arena das Dunas devem custar mais do que o esperado, ultrapassando as cifras de R$ 2 bilhões”, aponta Dâmocles.

O secretário lembra que os projetos do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), tem investimento orçado em R$ 500 milhões no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o Aeroporto Internacional de São Gonçalo, sem orçamento definido, não estão incluídos nesses custos anunciado pelo Governo de mais de R$ 1 bilhão, somente nas obras acessórias.

Questionado sobre o valor anunciado pelo Governo do Estado, o secretário afirma. “os investimentos no Estado para Natal sediar a Copa serão bem superiores aos anunciados, com prazo curto e investimento privado somente na construção da Arena”, justifica.

Bom, o investimento no Aeroporto e no VLT eram independentes da Copa, já estavam no PAC. Mas parecem que não estão embutidos na conta de R$ 2 bilhões do Secretário. Voltam os “investidores privados”. O projeto do Governo parece ser o de um empreendedor imobiliário: troca o seu terreno pela construção do Centro Administrativo e de todo o entorno do Estádio, que por sua vez custará R$ 200 (250? 300?) milhões, a cargo dos cofres públicos. Será que isso vai dar certo? Em tempos de crise imobiliária? Quem não sabe deve ser avisado: Natal foi atingida pela fiebre del ladrillo (febre do tijolo) oriunda da Espanha. Estamos no day after, com inúmeras obras paralisadas pela falta de fôlego financeiro dos investidores ibéricos. Nesse cenário será que aparecerão investidores privados dispostos a fazer desembolsos de tal magnitude? Num mercado, como o de Natal, já bem servido (até demais, em função dos excessos da bolha) de prédios comerciais, shopping centers e edifícios residenciais?

Essa preocupação não deve ser exclusiva do contribuinte potiguar por um singelo motivo: o Estado do Rio Grande do Norte não tem a menor chance de bancar sozinho sequer o Estádio. O fôlego financeiro é muito curto. É provável que essa conta vá parar no colo do governo federal quando os prazos estiverem a ponto de estourar e comprometer o evento.

Para esclarecer um pouco mais a questão, vale a pena dar uma olhada nessa matéria do Valor Econômico:

Anúncio das cidades da Copa abre corrida por investidores privados

Valor Econômico – 01/06/2009
Fernando Teixeira, Humberto Saccomandi e Chico Santos, de São Paulo e do Rio

O anúncio das 12 cidades brasileiras que vão sediar a Copa do Mundo de 2014, feita ontem pela Federação Internacional de Futebol (Fifa), nas Bahamas, abre caminho para que governos estaduais e investidores privados comecem a negociar as obras de infraestrutura necessárias para que as cidades escolhidas possam receber as partidas do Mundial. Da lista das 17 candidatas, ficaram Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Brasília, Cuiabá, Manaus, Fortaleza, Salvador, Recife, Natal. Foram eliminadas Campo Grande, Belém, Rio Branco e Florianópolis.

O potencial dos negócios relacionados à infraestrutura da Copa é bilionário. Os números variam de acordo com a fonte, mas as estimativas mais altas apontam para R$ 30 bilhões, sendo R$ 6 bilhões deles apenas na construção e reforma de estádios. O governo federal deve liberar dinheiro para os projetos que envolverem transporte urbano, estradas, ferrovias e aeroportos. No caso das arenas, o plano é deixar as obras a cargo dos governos locais em associação com investidores privados. Mas essa é a principal dúvida: com projetos que chegam a R$ 500 milhões para construir novos estádios ou reformá-los, e considerando o risco financeiro que esses projetos costumam oferecer, a iniciativa privada vai entrar em campo?

Para o economista Luiz Gonzaga Belluzzo, presidente do Palmeiras, a maior parte dos projetos de construção e reforma de estádios terá dificuldade para atrair investidores privados. Belluzzo tem experiência no assunto, pois negocia há mais de dois anos o projeto da Arena Palestra, uma ampla reforma para transformar o estádio Palestra Itália, em São Paulo, numa arena multiuso, em parceria com a construtora WTorre.

O maior problema, afirma o economista, é como obter uma taxa de retorno mínima para o investimento. No caso da Arena Palestra, a taxa de retorno anual foi fixada em 15%. “Não é fácil tirar esse percentual de estádios”, diz Belluzzo. Isso significa, grosso modo, que um novo estádio como o previsto para Salvador, com custo estimado inicialmente em R$ 400 milhões, teria de render cerca de R$ 60 milhões ao ano para que o negócio compense financeiramente.

Amir Somoggi, consultor da Casual Auditores, especializada em negócios esportivos, faz contas parecidas. Para um estádio de R$ 350 milhões ser rentável, ele precisaria de uma receita anual de pelo menos R$ 40 milhões. Nenhum estádio brasileiro, porém, chega perto de receitas líquidas desse porte. No seu balanço relativo ao ano de 2008, o São Paulo Futebol Clube relata receita bruta de R$ 19,243 milhões com o estádio do Morumbi, o que mais arrecada no Brasil.

“Corremos o risco de ter uma manada de elefantes brancos após o final do evento”, diz Jorge Hori, autor de um estudo sobre o os investimentos da Copa para o Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaenco). Sem depender de outros eventos além dos jogos, os estádios precisariam abrigar anualmente pelo menos 60 partidas, com ocupação média de 60% a 65% e ingressos vendidos a R$ 40, algo pouco viável na maioria das cidades.

É por isso que muita gente no setor aposta na construção de arenas multiuso, cujo funcionamento vá além de abrigar partidas esportivas. “Caso se faça uma reforma apenas para atender às exigências da Fifa, o estádio recebe a Copa, mas depois não tem receita. É preciso mudar o conceito”, diz Felipe Jens, responsável pela área de investimentos em infraestrutura da Odebrecht. Na Europa vários países já adotaram a fórmula de usar estádios como espaços para eventos corporativos, entre outras finalidades, diz o executivo, que defende um modelo semelhante para novos estádios no Brasil.

O modelo multiuso, com boa possibilidade de exploração do espaço comercial, também é destacado por Belluzzo. “O que não se pode imaginar é construir um estádio apenas para futebol sem dinheiro público”, diz o presidente do Palmeiras.

O problema é que poucas cidades brasileiras têm o porte necessário para atrair essas fontes de receita alternativa. Hoje, diz Hori, consultor do Sinaenco, somente São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília estão na rota regular dos grandes shows internacionais – que funcionariam como peça importante na composição da receita -, com uma participação menos intensa de outros centros, como Porto Alegre e Belo Horizonte.

A localização dos estádios, diz Belluzzo, talvez seja o ponto central quanto à capacidade de ganhar dinheiro com as arenas: “O projeto Arena Palestra leva em conta o potencial consumidor da cidade e do Estado de São Paulo”. diz. Ele lembra que o PIB da cidade de São Paulo é igual ao do Chile, e o do Estado é quase o da Argentina. “Tirando São Paulo e talvez o Rio, as outras unidades da federação terão dificuldades para ter investimentos. É uma questão de nível e de massa de renda”, afirma. “

Essa geografia do investimento deve determinar, em grande parte, o percentual de participação do governo e das empresas nas Parcerias Público-Privadas (PPPs) que, ao que tudo indica, serão o formato escolhido para tocar as obras. “Nas cidades onde houver menor interesse comercial tende a haver maior participação pública”, diz Luiz Fernando Santos Reis, presidente do Sindicato Nacional da Construção Pesada (Sinicom).

Um desafio adicional para as companhias que vierem a investir será ir além da construção e assumir a administração do estádio. Na Arena Palestra, por exemplo, a WTorre fará a gestão imobiliária do estádio. “Ela vai explorar o estádio, camarotes, cadeiras, os espaços usados para outros fins, como shows. O clube receberá um percentual da receita”, diz Belluzzo.

Para Somoggi, da Casual Auditores, a despeito das novas tendências – como as arenas multiuso e a administração terceirizada -, ainda é mais acertado tentar ganhar dinheiro do modo tradicional: vendendo ingressos. O Arsenal, um dos times mais rentáveis da Inglaterra, consegue 85% da receita do seu estádio com a bilheteria de seus próprios jogos, diz o especialista. “Estamos falando de marketing esportivo. Precisamos é melhorar o relacionamento dos clubes com o torcedor”, afirma. Há dois anos o Arsenal trabalha com ocupação de 100% do seu estádio, graças à venda antecipada de ingressos e operação de camarotes, diz. Para o consultor, a entrada de investidores privados é viável se associado a um plano de marketing dos clubes que ocuparão o estádio.

Segundo um levantamento de Amir Sommogi, todas essas restrições não impediram que o capital privado fosse abundante em outras copas: na Alemanha de 2006 foram gastos € 1,5 bilhão em reforma e construção dos estádios, 62% dos quais vieram de investidores particulares.

Os grifos em negrito são meus. Primeiramente, notamos que o tom otimista da manchete não se ampara no seu conteúdo. O estádio mais rentável do Brasil, o Morumbi, não gera nem R$ 20 milhões de retorno por ano. Belluzzo está certo. Nessas condições, como prometer retorno de 15 % ao ano aos investidores? Só nos resta concluir que o contribuinte vai bancar boa parte da festa.

A título de comparação: em 2008, a soma de todos os benefícios que a previdência social pagou no Rio Grande do Norte totalizou R$ 2,5 bilhões.

Entretanto, imagino que será muito difícil ver as vozes que bradam contra o gasto público, quando se aumenta o salário mínimo ou se eleva o número de beneficiários do bolsa-família, contestar a situação aqui descrita.

Veja também:

Vale a pena gastar R$ 1,1 milhão por minuto em função da Copa?

Sou favorável a um plebiscito sobre a Arena das Dunas.

One thought on “A Copa do Mundo em Natal. Vamos pagar quanto?

  1. Pingback: Vale a pena gastar R$ 1,1 milhão por minuto em função da Copa? « O Caderno de Patrick

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *