A casa dos espíritos

La casa de los espíritus, edição Editorial Sudamericana, 2007.

La casa de los espíritus, edição Editorial Sudamericana, 2007.

Confesso: nunca tinha me interessado em ler o romance de Isabel Allende  por causa do título da obra. Culpa do meu ceticismo bissexto. Mas tudo na vida tem solução. Allende deu uma entrevista para o meu programa de rádio favorito, o Democracy Now, sobre seu último livro, “A soma dos dias”. Bom, foi amor à primeira vista

No começo deste mês tirei uma semana de férias e fui a Buenos Aires. Encantado com tantas livrarias, comprei meu exemplar de “La casa de los espíritus”. Livro gostoso, daqueles que a gente quer ler de um fôlego só. A história narra, principalmente a partir da perspectiva das mulheres, a trajetória de uma poderosa família de um país latinoamericano ao longo do século XX. Embora, implicitamente, fique claro que os eventos transcorrem no Chile, qualquer latinoamericano pode se identificar, dada as semelhanças históricas que nos aproximam. E o toque de surrealismo que dá nome à obra é mais um ponto de identificação da comunidade latinoamericana. Mostra que temos um quê que nos diferencia dos europeus que vivem às voltas com os embates entre igrejas medievais e opressoras e setores anticlericais.

Não bastasse tudo isso, a obra é profundamente feminista – de uma forma tão sutil que os mais desavisados não perceberão – e portadora dos ideais da esquerda mais humana. Tanto mais chocante se levarmos em conta o machismo da sociedade chilena, onde o divórcio só foi legalizado em 2004.

Isabel Allende

Isabel Allende. Foto por Mutari.

E pensar que o livro é resultado de uma carta de Isabel Allende ao seu avô, que aos 99 anos estava à beira da morte. Definitivamente, esta é uma leitura que recomendado a a todos!

Por último, deixo a dica de uma ótima resenha que encontrei na rede (atenção, revela vários detalhes da obra).

China versus Brasil

Índios guaranis escravizados

Índios guaranis escravizados. Autor: Jean Baptiste Debret. Fonte: wikipédia.

É muito comum encontramos no Brasil, até mesmo entre pessoas bem intencionadas, quem repete a cantilena propagada pelo PIG de que o Brasil é uma desgraça, o povo não presta, somos todos corruptos, não temos futuro, a Constituição de 1988 deu muitos direitos, etc. Para coroar a narração, costuma-se dar um exemplo de lugar onde tudo é feito como se deve: a China. Lá não há direitos trabalhistas, não tem essa bobagem de ambientalismo nem muito menos essa tolice romântica de direitos humanos. Lá sim é que as coisas são bem feitas e o país é bem conduzido!

Bom, isso nos faz refletir sobre um assunto importante: o que é relevante para o desenvolvimento da humanidade? Números econômicos? Estatísticas? Ou, quem sabe, a vida das pessoas?

Faço essa reflexão com base na recente Operação Da Shan, executada pela Polícia Federal, que desbaratou uma quadrilha especializada no tráfico de seres humanos – no caso, chineses – de seu país de origem para, pasmem caros leitores do PIG, o Brasil. Um tanto chocante para quem tem na mente a imagem estereotipada criada pela mídia. Pelo visto, os próprios chineses sabem muito bem qual o melhor lugar para se viver, ainda que tenham que pagar e se submeter a traficantes que irão vendê-los como escravos.

PF prende 14 suspeitos de tráfico de trabalhadores chineses para o Brasil

Alex Rodrigues – Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Polícia Federal (PF) prendeu hoje (22) 14 pessoas suspeitas de integrarem uma organização criminosa internacional especializada em tráfico de pessoas. O líder do grupo, suspeito de introduzir ilegalmente trabalhadores chineses no Brasil, Zhu Ming, foi detido em São Paulo, onde mais uma pessoa ligada ao grupo também foi presa. Mais 12 prisões ocorreram em Rondônia.

Ao cumprir os 14 mandados de prisão e 24 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal, a PF também apreendeu R$ 84 mil na casa que Ming mantinha em Recife (PE) e mais R$ 124 mil em sua casa em São Paulo. Também foram encontrados ainda instrumentos para a falsificação de passaportes e duas notificações originais para a saída de chineses do Brasil. As notificações haviam sido expedidas pela Delegacia da Polícia Federal, em Vilhena.

Os membros da organização responderão pelos crimes de formação de quadrilha e por manter trabalhadores em condições análogas a de escravidão. As penas podem chegar a 11 anos. Os suspeitos podem ficar presos, em caráter preventivo, até o julgamento.

Segundo a nota divulgada pela PF, as investigações que desencadearam a Operação Da Shan (referência à província chinesa de Fujan, no Sul da China, origem da maioria dos trabalhadores) começaram em 2008, após as prisões em flagrante realizadas nas cidades rondonenses de Porto Velho, Ji-Paraná e Vilhena.

Os chineses foram flagrados usando passaportes com carimbos de visto de entrada falsificados. A partir daí, as autoridades brasileiras descobriram que um grande número de imigrantes entravam ilegalmente no país por Rondônia. A rota usada passava ainda pela Holanda, Peru, Equador e e Bolívia.

De acordo com a PF, o grupo criminoso liderado por Ming (também conhecido por Tony) é composto por aliciadores – os chamados coiotes – que atraem as pessoas com promessas de trabalho.

Textos relacionados:

Brasil versus China: previdência e saúde pública.

Relações de trabalho na China.

A bolha imobiliária

Por Allan Patrick

Esse gráfico da revista The Economist mostra o tamanho do tombo no mercado imobiliário americano e me faz crer que a crise ainda revelará más notícias para diversos vários países, principalmente a Espanha, onde os preços de imóveis ainda estão nos patamares de 2007:

Evolução dos preços de imóveis na Espanha, Irlanda, Grã-Bretanha, Alemanha e EUA.

Evolução dos preços de imóveis na Espanha, Irlanda, Grã-Bretanha, Alemanha e EUA.

Fonte: The Economist, via Escolar.net e Las penas del Agente Smith.

Também me leva a conjecturar que a bolha imobiliária em Natal pode desinflar de um modo mais bruco do que eu pensava e comentava com amigos, posto que há muitos imóveis na nossa cidade que pertencem a investidores espanhóis e eles podem eventualmente ser levados a vender esse ativos para cobrir perdas a serem registradas, no futuro, em seu país de origem.