A unificação alemã

Trabant, ícone da Alemanha Oriental. Foto por luisvilla.

Trabant, ícone da Alemanha Oriental. Foto por luisvilla.

Há alguns anos (em 2002 ou 2003) eu vi uma edição do programa HARDtalk da BBC que entrevistava uma ativista política, cidadã da extinta Alemanha Oriental (RDA). Não me lembro de seu nome nem tampouco consegui descobrir sua identidade pesquisando na Internet. Bem, ela, muito embora tivesse participado ativa e pacificamente da luta pela reunificação alemã, mostrava seu descontentamento com a forma como tinha sido realizada, sem ouvir a população da Alemanha Oriental. Protestava contra o fato de ter havido não uma unificação mas uma anexação pela Alemanha Ocidental (RFA). O HARDtalk, apesar de ser um programa relativamente recente (criado em 1997), já tem uma boa tradição de entrevistadores competentes e que se preparam muito bem para o programa. Entretanto, nesse dia, o Tim Sebastian não me pareceu muito feliz em suas perguntas. Ao invés de se aprofundar naquele sentimento de estranhamento que a entrevistada demonstrava, caiu no clichê de inqueri-la se ainda nutria simpatias pelo antigo regime.

Recentemente, pude ver um filme alemão muito interessante, Adeus, Lênin! É uma comédia leve e engraçada, tendo como pano de fundo a rápida transição e unificação alemã. O interessante é que ela mostra diversos detalhes do cotidiano dos alemães orientais que foi profundamente alterado num espaço muito curto de tempo. Além dessas questões culturais abordadas no filme, problemas legais de maior monta também surgiram: o aborto era muito mais restrito na Alemanha Ocidental que na Oriental.

Como em todos os embates prevaleceram o sistema legal e os costumes da Alemanha Ocidental, não é de se estranhar a sensação amarga da população do Leste quanto à ausência de sua voz na construção da Alemanha unificada.

Nesse contexto, fica mais fácil entender esta notícia do jornal madrilenho El País, publicada em 16/04/2009: El SPD quiere cambiar la Constitución y ganarse el voto del este de Alemania (tradução: O SPD quer mudar a Constituição para ganhar votos na Alemanha do Leste). Muito embora não se possa questionar a validade da democracia construída a partir da atual Constituição Alemã, aproximadamente 20% da população do país, alemães oriundos da extinta RDA, não se sente representada em sua plenitude por ela. Daí a popularidade da ideia de uma nova constituinte para o país.

El SPD quiere cambiar la Constitución y ganarse el voto del este de Alemania

El resto de los partidos políticos rechaza reemplazar la Ley Fundamental de 1949

JUAN GÓMEZ – Berlín – 16/04/2009

El presidente del Partido Socialdemócrata de Alemania (SPD), Franz Müntefering, se ha lanzado a la reconquista del este del país con la propuesta de redactar una Constitución que sustituya a la actual Ley Fundamental (Grundgesetz), en vigor desde 1949. Müntefering recoge de esta forma, 20 años después de la caída del Muro, una vieja demanda de muchos ciudadanos procedentes de la antigua República Democrática Alemana (RDA).

Atualização de 26/04/2009:

Minha tradução:

O SPD quer mudar a Constituição para ganhar votos na Alemanha do Leste
Os demais partidos políticos se recusam a substituir a Lei Fundamental de 1949
JUAN GÓMEZ – Berlim – 16/04/2009

O presidente do Partido Socialdemocrata da Alemanha (SPD), Franz Müntefering, partiu para a reconquista do eleitorado do leste do país com a proposta de uma constituinte que elabore uma substituta para a atual Carta Magna (Grundgesetz), em vigor desde 1949. Müntefering reconhece desta forma, 20 anos depois da queda do Muro de Berlim, um velho anseio de muitos cidadãos da antiga República Democrática Alemã (RDA).

Textos relacionados:

A queda do Muro de Berlim.

2 thoughts on “A unificação alemã

  1. Patrick, sobre o comentário que voce passou do Tim Sebastian… você já assistiu Frost x Nixon? Um bom filme… mostra como os ‘inquisidores’ precisam de uma boa preparação… Abraço!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *