Islândia sob ataque

Protesto pela crise econômica na Islândia (nov/2008). Foto por Haukurth.

Protesto pela crise econômica na Islândia (nov/2008). Foto por Haukurth.

O economista Michael Hudson escreveu um ótimo artigo descrevendo a situação de tensão a que está submetida a Islândia. O artigo foi traduzido para o português europeu pelo resistir.info:

A Islândia está sob ataque – não militar, mas financeiro. Ela deve mais do que pode pagar. Isto ameaça os devedores com o confisco  (forfeiture)  do que resta nos seus lares e de outros activos. Dizem ao governo para liquidar o domínio público do país, seus recursos naturais e empresas públicas, a fim de pagar as dívidas do jogo financeiro acumuladas irresponsavelmente por uma nova classe de banqueiros. Esta classe procura aumentar a sua riqueza e poder apesar do facto de que a sua estratégia de alavancamento de dívida já ter lançado a economia na bancarrota. No topo desta, os credores procuram aprovar impostos permanentes e a liquidação de activos públicos para pagar os salvamentos deles próprios.

A derrota pela dívida é tão mortal quanto uma derrota militar absoluta. Confrontados com a perda das suas propriedades e dos meios de subsistência, muitos cidadãos ficarão doentes, levará a vidas de crescente desespero e morte prematura se não repudiarem a maior parte dos empréstimos oferecidos fraudulentamente nos últimos cinco anos. E defender a sua sociedade civil não será tão fácil como numa guerra em que a cidadania se posiciona em conjunto para enfrentar um agressor visível. A Islândia está confrontada pelos países mais poderosos, encabeçados pelos Estados Unidos e a Grã-Bretanha. Eles estão a por em acção os seus propagandistas e a mobilizar o FMI e o Banco Mundial para exigir que a Islândia não se defenda a si própria anulando as suas dívidas podres. Mas estes países credores até agora não assumiram responsabilidade pela actual desordem do crédito. E, na verdade, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha são devedores líquidos no cômputo geral. Mas no que se refere à sua posição em relação à Islândia, eles estão a exigir que esta empobreça os seus cidadãos através do pagamento de dívidas de formas que estes países nunca o fariam. Eles sabem que falta o dinheiro para pagar, mas estão bastante desejosos de receberem o pagamento na forma de arresto dos recursos naturais do país, da terra e da habitação e de uma hipoteca sobre os próximos séculos do seu futuro.

Continua…

Estes dias estou lendo Doutrina de Choque, de Naomi Klein. Leitura obrigatória para tentar entender como essas crises são encaradas pelos oportunistas da Escola de Chicago (os discípulos de Milton Friedman).

Textos relacionados:

Os islandeses disseram não.

Por que a Rússia “ajudou” a Islândia?

Irlanda, crise financeira e liberdade cambial.

Islândia, um possível paraíso da liberdade de expressão?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *