Um negro na Alemanha nazista

Hans J. Massaquoi na sua infância. Fonte: arquivo pessoal do autor.

Hans J. Massaquoi na sua infância. Fonte: arquivo pessoal do autor.

Por Allan Patrick

Uma matéria muito interessante no El País deste domingo (26/04/2009): El Negro que sobrevivió a los nazis. É a resenha de um livro, a autobiografia escrita por Hans J. Massaquoi,  mulato, filho de um diplomata liberiano e uma enfermeira alemã, que viveu sua infância e adolescência durante a ascensão do nazismo na Alemanha e o transcorrer da Segunda Guerra Mundial. A matéria narra também o trágico destino da maior comunidade afrodescendente da Alemanha na época: os “bastardos da Renânia“, filhos de militares franceses oriundos de suas então colônias africanas e mulheres alemãs da região da Renânia, ocupada pela França ao final da Primeira Guerra Mundial. Uma história da qual raramente se ouve falar e que revela diversos aspectos da vida cotidiana sob o regime nazista.

Eis o início da matéria do El País:

El Negro que sobrevivió a los nazis

IÑIGO LÓPEZ PALACIOS 26/04/2009

Hans J. Massaquoi nació en Hamburgo de madre alemana y padre liberiano. Tenía seis años cuando Hitler llegó al poder. De niño se quedó fascinado con la parafernalia nazi. Incluso quiso entrar en las juventudes hitlerianas. Se salvó por casualidad. Cuenta su extraña historia.

“¿Yo no soy ario?”. Hans tenía ocho años cuando lanzó esta pregunta a su madre. Así lo narra en su biografía Testigo de raza. Un negro en la Alemania nazi. La historia de un mulato nacido en Hamburgo en 1926 y que vivió en esa ciudad el ascenso y la caída del nazismo. “Sobreviví gracias a un resquicio en las leyes raciales. No éramos suficientes en mi ciudad para que los nazis se fijaran en mí, al revés de lo que les pasó a los llamados bastardos de Rhineland”, dice Massaquoi desde su jubilación en Estados Unidos.

Continua …

Minha tradução:

O Negro que sobreviveu aos nazistas

IÑIGO LÓPEZ PALACIOS 26/04/2009

Hans J. Massaquoi nasceu em Hamburgo de mãe alemã e pai liberiano. Tinha seis anos quando Hitler chegou ao poder. Na infância ficou fascinado com o fuzuê nazista. Teve vontade de ingressar nas juventudes hitleristas. Deu sorte e dessa ele se salvou. Conta agora sua estranha história.

“Eu não sou ariano?”. Hans tinha oito anos quando fez essa pergunta a sua mãe. Assim ele narra em sua biografia. Testemunha da raça. Um negro na Alemanha nazista. A história de um mulato nascido em Hamburgo em 1926 e que viveu a ascenção e queda do nazismo. “Sobrevivi graças a um descuido das leis raciais. Não eramos em número suficiente em nossa cidade para que os nazistas se lembrassem de mim, ao contrário do que ocorreu com os bastardos da Renânia”, diz Massaquoi, aposentado e vivendo nos Estados Unidos.

Textos relacionados:

Racismo e política de cotas.

Joaquim Barbosa

Ainda estou dando os primeiros passos neste caderno. Meu objetivo é trazer informações novas, originais ou que ainda não tenham sido devidamente divulgadas na blogosfera brasileira. Por isso, frequentemente evito repercutir o que está sendo publicado por todo mundo. Até para não tornar enfadonha a leitura por quem já frequenta muitos blogues. Mas este vídeo é especial, porque o Ministro Joaquim Barbosa falou o que estava entalado na garganta de muita gente:

Atualização de 23/04/2009:

O Azenha resumiu muito bem a situação no artigo “Porque a mídia e Gilmar vão mudar de assunto rapidinho“.

E o Gilson Caroni citou a fábula de Hans Christian Andersen – que me veio à mente quando vi o vídeo pela primeira vez – no seu artigo “A nudez de Gilmar Mendes“.

Atualização de 26/04/2009:

Evolução. Charge de Aroeira para O Dia (RJ).

Evolução. Charge de Aroeira para O Dia (RJ).

A unificação alemã

Trabant, ícone da Alemanha Oriental. Foto por luisvilla.

Trabant, ícone da Alemanha Oriental. Foto por luisvilla.

Há alguns anos (em 2002 ou 2003) eu vi uma edição do programa HARDtalk da BBC que entrevistava uma ativista política, cidadã da extinta Alemanha Oriental (RDA). Não me lembro de seu nome nem tampouco consegui descobrir sua identidade pesquisando na Internet. Bem, ela, muito embora tivesse participado ativa e pacificamente da luta pela reunificação alemã, mostrava seu descontentamento com a forma como tinha sido realizada, sem ouvir a população da Alemanha Oriental. Protestava contra o fato de ter havido não uma unificação mas uma anexação pela Alemanha Ocidental (RFA). O HARDtalk, apesar de ser um programa relativamente recente (criado em 1997), já tem uma boa tradição de entrevistadores competentes e que se preparam muito bem para o programa. Entretanto, nesse dia, o Tim Sebastian não me pareceu muito feliz em suas perguntas. Ao invés de se aprofundar naquele sentimento de estranhamento que a entrevistada demonstrava, caiu no clichê de inqueri-la se ainda nutria simpatias pelo antigo regime.

Recentemente, pude ver um filme alemão muito interessante, Adeus, Lênin! É uma comédia leve e engraçada, tendo como pano de fundo a rápida transição e unificação alemã. O interessante é que ela mostra diversos detalhes do cotidiano dos alemães orientais que foi profundamente alterado num espaço muito curto de tempo. Além dessas questões culturais abordadas no filme, problemas legais de maior monta também surgiram: o aborto era muito mais restrito na Alemanha Ocidental que na Oriental.

Como em todos os embates prevaleceram o sistema legal e os costumes da Alemanha Ocidental, não é de se estranhar a sensação amarga da população do Leste quanto à ausência de sua voz na construção da Alemanha unificada.

Nesse contexto, fica mais fácil entender esta notícia do jornal madrilenho El País, publicada em 16/04/2009: El SPD quiere cambiar la Constitución y ganarse el voto del este de Alemania (tradução: O SPD quer mudar a Constituição para ganhar votos na Alemanha do Leste). Muito embora não se possa questionar a validade da democracia construída a partir da atual Constituição Alemã, aproximadamente 20% da população do país, alemães oriundos da extinta RDA, não se sente representada em sua plenitude por ela. Daí a popularidade da ideia de uma nova constituinte para o país.

El SPD quiere cambiar la Constitución y ganarse el voto del este de Alemania

El resto de los partidos políticos rechaza reemplazar la Ley Fundamental de 1949

JUAN GÓMEZ – Berlín – 16/04/2009

El presidente del Partido Socialdemócrata de Alemania (SPD), Franz Müntefering, se ha lanzado a la reconquista del este del país con la propuesta de redactar una Constitución que sustituya a la actual Ley Fundamental (Grundgesetz), en vigor desde 1949. Müntefering recoge de esta forma, 20 años después de la caída del Muro, una vieja demanda de muchos ciudadanos procedentes de la antigua República Democrática Alemana (RDA).

Atualização de 26/04/2009:

Minha tradução:

O SPD quer mudar a Constituição para ganhar votos na Alemanha do Leste
Os demais partidos políticos se recusam a substituir a Lei Fundamental de 1949
JUAN GÓMEZ – Berlim – 16/04/2009

O presidente do Partido Socialdemocrata da Alemanha (SPD), Franz Müntefering, partiu para a reconquista do eleitorado do leste do país com a proposta de uma constituinte que elabore uma substituta para a atual Carta Magna (Grundgesetz), em vigor desde 1949. Müntefering reconhece desta forma, 20 anos depois da queda do Muro de Berlim, um velho anseio de muitos cidadãos da antiga República Democrática Alemã (RDA).

Textos relacionados:

A queda do Muro de Berlim.

Islândia sob ataque

Protesto pela crise econômica na Islândia (nov/2008). Foto por Haukurth.

Protesto pela crise econômica na Islândia (nov/2008). Foto por Haukurth.

O economista Michael Hudson escreveu um ótimo artigo descrevendo a situação de tensão a que está submetida a Islândia. O artigo foi traduzido para o português europeu pelo resistir.info:

A Islândia está sob ataque – não militar, mas financeiro. Ela deve mais do que pode pagar. Isto ameaça os devedores com o confisco  (forfeiture)  do que resta nos seus lares e de outros activos. Dizem ao governo para liquidar o domínio público do país, seus recursos naturais e empresas públicas, a fim de pagar as dívidas do jogo financeiro acumuladas irresponsavelmente por uma nova classe de banqueiros. Esta classe procura aumentar a sua riqueza e poder apesar do facto de que a sua estratégia de alavancamento de dívida já ter lançado a economia na bancarrota. No topo desta, os credores procuram aprovar impostos permanentes e a liquidação de activos públicos para pagar os salvamentos deles próprios.

A derrota pela dívida é tão mortal quanto uma derrota militar absoluta. Confrontados com a perda das suas propriedades e dos meios de subsistência, muitos cidadãos ficarão doentes, levará a vidas de crescente desespero e morte prematura se não repudiarem a maior parte dos empréstimos oferecidos fraudulentamente nos últimos cinco anos. E defender a sua sociedade civil não será tão fácil como numa guerra em que a cidadania se posiciona em conjunto para enfrentar um agressor visível. A Islândia está confrontada pelos países mais poderosos, encabeçados pelos Estados Unidos e a Grã-Bretanha. Eles estão a por em acção os seus propagandistas e a mobilizar o FMI e o Banco Mundial para exigir que a Islândia não se defenda a si própria anulando as suas dívidas podres. Mas estes países credores até agora não assumiram responsabilidade pela actual desordem do crédito. E, na verdade, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha são devedores líquidos no cômputo geral. Mas no que se refere à sua posição em relação à Islândia, eles estão a exigir que esta empobreça os seus cidadãos através do pagamento de dívidas de formas que estes países nunca o fariam. Eles sabem que falta o dinheiro para pagar, mas estão bastante desejosos de receberem o pagamento na forma de arresto dos recursos naturais do país, da terra e da habitação e de uma hipoteca sobre os próximos séculos do seu futuro.

Continua…

Estes dias estou lendo Doutrina de Choque, de Naomi Klein. Leitura obrigatória para tentar entender como essas crises são encaradas pelos oportunistas da Escola de Chicago (os discípulos de Milton Friedman).

Textos relacionados:

Os islandeses disseram não.

Por que a Rússia “ajudou” a Islândia?

Irlanda, crise financeira e liberdade cambial.

Islândia, um possível paraíso da liberdade de expressão?