Declaração de voto 2014 – RN

Por Allan Patrick

Coloco aqui minha declaração de voto para as eleições de 2014 na ordem solicitada pela urna eletrônica.

Deputado Federal

Hugo Manso 1366 é o nosso candidato a Deputado Federal.

Hugo Manso 1366 é o nosso candidato a Deputado Federal.

Hugo Manso 1366 (PT). É o único candidato no Rio Grande do Norte que está chamando a atenção para a responsabilidade de decidir o que fazer com o multibilionário Fundo do Pré-Sal. Sua proposta, adequada à situação de nosso estado e ao porte do fundo, é progressivamente federalizar o ensino médio, amarrando recursos estaduais atualmente destinados a ele ao custeio de creches públicas e escolas de ensino fundamental. Eleitores à esquerda tem se sentido órfãos com a saída de Fátima Bezerra para o Senado. Na matemática do voto proporcional, a coligação onde o PT se insere tem boa chances de eleger 3 deputados federais. Hugo Manso, até onde as pesquisas mostram, tem ótimas chances de ser o terceiro colocado, mantendo a representação do PT-RN na Câmara dos Deputados. Representação esta que foi fundamental na expansão do ensino federal no RN, que conta hoje com 19 campi do IFRN e duas universidades federais com vários campi: UFRN e Ufersa. Hugo é ainda comprometido com causas pouco comuns à maioria dos candidatos, como Ciência & Tecnologia e a garantia de um estado laico.

Deputado Estadual

Fernando Mineiro 13666 (PT). A voz mais independente e crítica na Assembleia Legislativa, foi eleito parlamentar do ano em 2013.

Senadora

Fátima Bezerra 131 (PT). Candidata ao Senado, foi durante 12 anos Deputada Federal. Mostrou como transformações sociais importantes podem ocorrer a partir de um instrumento de poder tão pequeno (apenas 1/513 avos da Câmara dos Deputados!), ao focar o seu mandato na expansão do ensino federal no Rio Grande do Norte, provocando uma pequena revolução social no estado.

Governador

Robinson Faria 55 (PSD). Única alternativa com chances reais de derrotar a coligação popularmente conhecida como Acordão e que reúne todos os ex-governadores do Rio Grande do Norte. Apesar de ser o atual vice-governador, é o político fora do PT que está há mais tempo na oposição ao atual governo estadual, com quem rompeu há três anos. Boa parte do Acordão continua na base do atual governo – um dos mais impopulares da história – ou convenientemente mal acabou de passar pra oposição.

Presidenta

Dilma, Presidenta, 13.

Dilma, Presidenta, 13.

Dilma 13 (PT). O Brasil é o país relevante que mais reduziu a desigualdade social nos últimos 12 anos. Mais devagar do que gostaríamos, mas reduziu. Os demais candidatos, ou não tem viabilidade eleitoral ou simplesmente ignoram a questão (como Marina e Aécio), o que é simplesmente vergonhoso se lembrarmos que essa é a pior característica do Brasil.

Por que o BNDES financia um porto em Cuba?

Edifício Sede do BNDES. Foto: Marinelson.Almeida.

Edifício Sede do BNDES. Foto: Marinelson.Almeida.

Por que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) financia a construção de um porto em Cuba? Por que esse mesmo banco financia a American Airlines? E a chinesa Tianjin Airlines? Ou a Saratov Airlines na Rússia?

Isso acontece porque o BNDES, dentre os seus outros objetivos, tem a tarefa de funcionar no Brasil como uma Agência de Crédito à Exportação, seja para exportadores de bens (como os jatos da Embraer) ou serviços (como obras de construção civil da Odebrecht).

Não é à toa que, nos últimos doze anos, as exportações brasileiras quadruplicaram, tendo o BNDES tido participação fundamental nessa conquista.

É tão tolo acusar o governo brasileiro de ser “parceiro” do regime cubano por financiar o Porto de Mariel como seria “acusá-lo” de ser “parceiro” dos governos da Rússia, China, Estados Unidos ou algum dos 40 países para os quais a Embraer exporta aviões ou a quase dezena de nações onde a Odebrecht realiza obras de construção pesada.

Mas e o contrato secreto?

Argumenta-se que “ah, tudo bem, é um financiamento à exportação, mas por que o contrato é secreto? tem falcatrua aí!”

Neste Caderno somos favoráveis à extinção de todos os sigilos, inclusive o fiscal e bancário. Já divulgamos que na Finlândia e Noruega não existe sigilo fiscal.

Isto posto, as nossas empresas exportadoras (de produtos e serviços) concorrem com conglomerados sediados em países onde esse sigilo existe. Sendo assim, serão vítimas de concorrência desleal e perderão contratos se dados essenciais às suas atividades comerciais forem divulgados e, ao mesmo tempo, essa regra não se aplicar a seus concorrentes.

Mas a União é fiadora dos empréstimos!

Essa é uma prática do comércio internacional, não foi o Brasil nem o governo atual quem a inventou. Isso não significa que a Odebrecht pode dar calote impunemente no BNDES. Se o fizer, o Tesouro cobrirá o prejuízo do banco, mas terá o direito de acionar a empresa pela dívida, com as prerrogativas de qualquer execução fiscal. Além disso, a construtora ficará sem crédito na praça para outros empreendimentos do mesmo tipo.

P.S.: este texto nasceu a partir de comentários num post no Lola Escreva Lola.