O combate ao tráfico na gestão de Hélio Luz

Por Allan Patrick

Estou no meio de uma viagem de férias, com pouco acesso à internet e ao noticiário, mas passo aqui para deixar registrado que terminei de ler na semana passada o livro Hélio Luz, um Xerife de esquerda (esgotado, mas pode ser encontrado no portal dos sebos, a Estante Virtual). Nesse livro está a narrativa dos dois anos que Luz esteve à frente da Polícia Civil do Rio de Janeiro, nos anos 1990. Ele relata como, dos 22 maiores traficantes do Rio, 20 foram presos durante sua gestão, sem disparar nenhum tiro, apenas fazendo o trabalho clássico de investigação policial e mobilizando equipes competentes. Afinal, os líderes do tráfico não tem rendas na casa das dezenas de milhares de reais para viverem entocados nas favelas. Uma hora ou outra, eles “descem” e ficam expostos, momento em que a Polícia Civil sob o comando de Luz os prendia.

Revistar todas as casas?

Por Allan Patrick

Li no noticiário que há autoridades querendo revistar todas as casas de uma favela do Rio de Janeiro. Observo, como consequência, diversas mensagens de apoio no twitter. Aí me lembro que, ao ler o livro Elite da Tropa 2, havia a história da captura de um dos maiores traficantes e milicianos do Rio de Janeiro. Pelo que o relato do livro nos dá a entender, ele foi preso em Natal/RN, num condomínio de luxo da Av. Getúlio Vargas (onde os apartamentos valem em média R$ 1 milhão), bairro nobre da capital. Quantas pessoas e autoridades apoiariam uma revista casa a casa nessa avenida?

Tráfico de drogas e violência no Rio de Janeiro em números

Por Allan Patrick

Passo aqui só para registrar um número que poucas pessoas conhecem.

(…) Só no Rio de Janeiro ocorrem anualmente 4 mil mortes associadas a crimes de drogas, enquanto o uso provoca cerca de 100. A droga tem produzido efeitos menos nocivos do que o próprio crime relacionado à droga. (grifo nosso)

A fonte é a matéria “Drogas: parar ou reduzir danos?” publicada no Vi o Mundo de Luiz Carlos Azenha em novembro de 2009.

Grupos de direitos humanos defendem bandidos?

Por Allan Patrick

Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão já tem mais de 200 anos.

Tenho o costume de ler quase diariamente o blogue de um jornalista da cidade onde resido, Mossoró. Habitualmente, ele escreve com grande senso de profissionalismo. Entretanto, ao narrar uma tragédia (um crime de estupro), caiu no lugar comum de creditar a culpa pela violência nos “grupos de direitos humanos que defendem bandidos”. Claro, a acusação foi feita de modo genérico e indefinido, de modo a não permitir a identificação de que “grupo” seria esse. E o motivo é bem simples: esse “grupo” simplesmente não existe.

A organização de direitos humanos mais conhecida da cidade é o Centro Feminista 8 de Março (CF8). Justamente um grupo que defende o combate à violência de gênero, da qual as vítimas do crime narrado foram vítimas. Um grupo que defende, por exemplo, a Lei Maria da Penha, cuja publicação implicou na elevação das penas para violência contra a mulher.

Essa é uma contradição muito comum que vemos em parcela expressiva da opinião pública, potencializada por comunicadores mal informados.

Exemplo: uma das grandes ações de entidades de direitos humanos no Rio Grande do Norte, durante o ano de 2008, passou praticamente desapercebida pelos jornais, rádios e TVs locais: crianças libertadas pela fiscalização do trabalho de atividade laboral num matadouro em São Paulo do Potengi, Nova Cruz e João Câmara, onde haviam sido encontradas limpando fezes, descarnando bois e curtindo couro, sem nenhum equipamento de proteção.

Álcool e violência

Álcool-Imlauer_Ihr_zu_Fuessen_1883

Ilustração de um alcoolatra. Fonte: Wikipédia.

Já tratamos da questão das drogas neste caderno, mais especificamente da maconha. Hoje, trazemos um breve relato do blogue DoLaDoDeLá sobre a droga que mais gera violência no Brasil: o álcool.

Vocês pediram, então aí vai mais uma da série faz de conta. Era uma reportagem de fôlego. O ponto de partida: uma pesquisa, obtida com exclusividade, em 2004. Estabelecia uma relação direta entre abuso de álcool, sobretudo de cerveja, e índices de violência, criminalidade e saúde pública. Produtores foram a campo e coletaram flagrantes de ameaças, brigas e confusões, principalmente em bares que funcionam à noite nas regiões mais violentas de São Paulo, à época: Jardim Ângela, Capão Redondo, Parque Santo Antônio e alguns bairros da Zona Leste. Depois de editada, era o tipo de matéria que serviria para abrir o telejornal antes da novela, com o apresentador dizendo, de voz cheia: – Exclusivo! Nossos repórteres mostram como o abuso de álcool se transformou na maior doença do país. Mas o vídeo tape foi vetado para a exibição, foi para o freezer, no jargão. No diálogo que um dos produtores travou com o Guardião da Doutrina da Fé, ouviu o seguinte argumento: – Não podemos exibir uma reportagem assim, sabendo que a indústria de bebidas é a maior anunciante da casa e dona de cotas de patrocínio dos principais eventos esportivos que transmitimos. É um tiro no pé! E vai que algum deputado ‘maluco’ resolva propor uma lei que proíba a propaganda de bebida na TV? Já não basta o que eles fizeram com a indústria de cigarros…

Continua no DoLaDoDeLá …