Compreendendo os separatismos na Espanha

Por Allan Patrick

Trem de alta velocidade na Espanha é ponto de discórdia. Foto: Mikel Ortega.

Para nós, brasileiros, que vivemos num país tão grande, com tanta diversidade regional, é difícil entender porque num país relativamente pequeno, como a Espanha, há tantos movimentos separatistas (País Vasco, Catalunha e Galícia, só para citar os mais conhecidos). Uma das razões mais relevantes é que, justamente por se tratar de um país de dimensões medianas, há uma tendência à concentração de poder econômico e político na capital, Madri. Um exemplo bastante ilustrativo é o da rede de trens de alta velocidade (AVE, Alta Velocidad Española), cuja lógica de interligação é a da topologia em estrela, ou seja, aquela que conecta todos os pontos do país à capital, ignorando inclusive, quando é o caso, a lógica econômica.

Sobre esse tema, a interligação manca do trem de alta velocidade, o escritor, colunista de jornal e blogueiro Joan Garí comentou, ao tratar da inauguração do ramal Madri-Valência:

O passageiro que se encontrar por esses dias no flamante AVE Madri-Valência fará muito bem – sobretudo se o ponto de partida for esta última cidade – em aproveitar a hora e meia de viagem para ler o livro España, capital París (Destino), do professor universitário e ex deputado socialista Germà Bel.

Em suas páginas detalha-se como a política de transportes do Estado se pautou, desde o século XVIII até o presente, por critérios políticos (a obsessão jacobina [N.T.: pela centralização]), e não pelo critério da estrita eficiência econômica. Só uma análise desapaixonada – ou, por assim dizer, não triunfalista – permite se aperceber de um pequeno detalhe: 18 anos depois do início das operações de alta velocidade na Espanha, nenhuma de suas linhas nos conecta com a Europa. Com a linha Madri-Valência, mais uma vez foi cometido o mesmo erro da Madri-Sevilha (Felipe González) ou Madrid-Valladolid (José María Aznar). Madri, claro, tem agora un sistema fantástico para sugar empresas da periferia e transportar turistas que já não necessitam sequer pernoitar em seus destinos. Não gosto de ser estraga-prazeres, mas da ampla gama de milagres que lhe são atribuídos, o que conseguirá realmente o novo ramal do AVE é reforçar a radialidade das comunicaciones. E, entretanto, não parece lógico que as comunidades do Mediterrâneo, que geram 50% das exportaciones espanholas, não disponham de alta velocidad para pasageiros e mercadorias com destino à Europa.

O único e primordial AVE lógico teria sido a conexão Madri-Valência-Barcelona-França. As demais linhas são alardes de novo rico e não parece que os tempos atuais sejam para tanta pólvora inútil.

O leitor não deve estranhar que Felipe González é natural de Sevilha e José Maria Aznar, antes de ganhar as eleições nacionais, tenha governado a Comunidade de Castela e Leão, cuja capital de facto é Valladolid.