Fisco americano vai apertar grandes empresas

Fonte: Reuters – 26 de janeiro de 2010

Internal Revenue Service (IRS)/Estados Unidos.

WASHINGTON (Reuters) – O IRS [Nota: Receita Federal dos Estados Unidos] em breve começará a exigir que as empresas revelem informações financeiras mais detalhadas durante fiscalizações, afirmou o diretor do fisco, Doug Shulman, na terça-feira.

Sob a nova regulamentação, ainda não publicada, o IRS poderá intimar as empresas a informarem que decisões elas tomaram que podem ser consideradas “duvidosas” ou questionadas pelo fisco.

“Esses contribuintes serão intimados a comunicarem anualmente ao fisco decisões de planejamento tributário que adotem posicionamentos não pacificados, na forma de relatórios concisos dessas decisões, contendo o total de exposição tributária a que o contribuinte estará sujeito se esse posicionamento não prosperar,” afirmou o Comissário-Diretor do IRS, Doug Shulman, numa palestra para advogados em Nova Iorque, onde anunciou o novo projeto do fisco.

Shulman, falando num encontro da Ordem dos Advogados de Nova Iorque, disse que o IRS não vai obrigar as empresas a informar o quanto foi reservado para cobrir essas eventuais perdas.

A nova política, ainda sujeita ao debate público antes de sua implementação, vem em meio a um conjunto bastante estrito de normas de contabilidade financeira que já obrigam as empresas a compilar esse tipo de informação.

Shulman afirmou que o fisco vai centrar seus esforços na sonegação praticada por indivíduos ricos e nas corporações que testam os limites da legislação tributária.

O Presidente Barack Obama instruiu, na semana passada, o IRS a checar os relatórios apresentados pelas empresas nas suas declações tributárias para ter certeza de sua retidão. Ele também ordenou às agências federais que tomem medidas para prevenir que empresas inadimplentes com o fisco obtenham novos contratos do governo.

Imposto para especuladores

Chegou a hora de frear o mercado financeiro

Paul Krugman – Do The New York Times.

Paul Krugman.

Será que deveríamos usar impostos para impedir a especulação financeira? Sim, dizem as autoridades britânicas que administram um dos maiores centros financeiros do mundo, em Londres. Outros governos europeus concordam – e eles estão certos.

Infelizmente, as autoridades dos Estados Unidos – especialmente o Secretário do Tesouro, Timothy Geithner – são absolutamente contra a proposta. Esperemos que eles repensem a questão: este é um momento perfeito para a criação de um imposto sobre transações financeiras.

A discussão começou em agosto, quando Adair Turner, presidente da Autoridade de Serviços Financeiros da Grã-Bretanha, sugeriu o imposto sobre transações financeiras como uma forma de desencorajar atividades “socialmente inúteis”. O primeiro-ministro britânico Gordon Brown aprovou a proposta, que foi apresentada na reunião das 20 maiores economias do mundo neste mês.

E por que essa é uma boa ideia? A proposta Turner-brown é uma versão atualizada da ideia que circulou originalmente em 1972, sugerida pelo prêmio Nobel de economia James Tobin. Tobin dizia que a especulação monetária – as transações que se beneficiam das flutuações de câmbio – estavam causando rupturas sérias na economia mundial. Para reduzi-las, ele criou um pequeno imposto módico para cada transação cambial.

Continua…

Textos relacionados:

O que é a Taxa Tobin?

Wall Street e o imposto sobre transações financeiras.

Imposto sobre transações financeiras nos Estados Unidos.

Os juros sobre a dívida pública

dólar

Dívida pública nos EUA já chega a 98 % do PIB.

Já abordamos, anteriormente, a questão da comparação da dívida pública brasileira com a de outros países. Naquele momento, fizemos a comparação com o Reino Unido.

Na última terça-feira, dia 20/10/2009, uma matéria no The New York Times revelou o tamanho do impacto do pagamento de juros da dívida pública no Japão e Estados Unidos:

Dívida pública em alta é ameaça à economia japonesa

Somente o pagamento de juros da dívida consumiu um quinto do orçamento do Japão em 2008, comparado com os pagamentos da dívida que compõem cerca de um décimo do orçamento dos Estados Unidos.

Em 2009, de acordo com a proposta orçamentária aprovada no Congresso Nacional, a previsão era de que os juros da dívida pública brasileira consumiriam 7,5 % do orçamento total da União. Face aos números do Japão (20%) e Estados Unidos (10%) é uma boa notícia, embora mitigada pelo fato de que a dívida pública brasileira corresponde apenas a 43 % do PIB, enquanto a japonesa representa 200 % do PIB e a estadounidense 98 % do PIB, ou seja, os custos de rolagem (taxa de juros) nesses países ainda são muito mais baixos (a fonte para esses dados é a mesma matéria do NYTimes).

Krugman: o Estado salvou o mundo da crise

Original publicado no The New York Times em 09/08/2009.
Traduzido e publicado em português pelo Último Segundo, 10/08/2009.
Republicado aqui com algumas pequenas correções na tradução.

Paul Krugman

Paul Krugman

Apesar de tudo, parece que não teremos uma segunda Grande Depressão. O que nos salvou? A resposta, basicamente, é o Grande Governo. Só para esclarecer: a situação econômica permanece terrível. Na verdade pior do que quase todos pensavam ser possível há algum tempo. A nação perdeu 6,7 milhões de empregos desde que a recessão começou.

Ao levar em conta a necessidade de gerar emprego para uma população crescente de novatos, percebemos que provavelmente faltarão nove milhões de empregos para tais pessoas.

O mercado de trabalho ainda não melhorou – aquela leve queda da taxa de desemprego no mês passado provavelmente foi um acaso feliz da estatística. Ainda não alcançamos o ponto em que as coisas realmente melhoram. Até agora, tudo que temos de comemorar são as indicações de que as coisas estão piorando de forma mais devagar.

No entanto, com tudo isso a última agitação nas notícias econômicas sugerem que a situação se afastou alguns passos da beira do abismo.

Há alguns meses, a possibilidade de cair nesse precipício parecia muito real. O pânico financeiro no final de 2008 foi, de certa forma, tão severo quanto o pânico bancário no começo dos anos 1930, e por certo tempo os indicadores econômicos principais – comércio mundial, produção industrial mundial e mesmo o preço das ações – estavam caindo tão rápido ou mais rápido do que em 1929 e 1930.

Mas na década de 1930 a tendência ainda era de queda. E, atualmente, o mergulho parece estar parando após apenas um ano terrível. Então o que nos salvou de um replay completo da Grande Depressão? É quase certeza que a resposta está na diferença da função cumprida pelo governo.

Provavelmente, o aspecto mais importante no papel do governo nesta crise não é o que ele fez, mas o que deixou de fazer: diferente do setor privado, o governo federal não cortou seus gastos com a queda da receita (o governo estadual e local são casos diferentes). As receitas de impostos foram baixas, mas os cheques da Previdência Social ainda estão sendo enviados. A Medicare ainda está pagando as contas dos hospitais. Desde funcionários federais a juízes e desde guardas florestais a soldados ainda estão sendo pagos.

Tudo isso ajudou a sustentar a economia em seu momento de dificuldade, de uma forma que não aconteceu em 1930, quando os gastos federais eram uma porcentagem muito menor do PIB. E, sim, isso significa que o déficit público – que é algo ruim em tempos normais –, na verdade, seja algo bom agora.

Além de ter esse efeito “estabilizador” automático, o governo deu um passo em direção ao resgate do setor financeiro. Você pode argumentar (e eu faria isso) que os pacotes de estímulo das empresas financeiras poderiam e deveriam ter sido mais bem negociados e que os contribuintes pagaram muito e receberam muito pouco. Ainda assim, é possível ficar insatisfeito, ou mesmo bravo, com o resultado desses pacotes financeiros, porque sem esses projetos as coisas teriam sido muito pior.

O fato é que dessa vez, diferente dos anos 1930, o governo não teve uma atitude indiferente enquanto o sistema bancário entrava em colapso. E esse também é outro dos motivos para não estarmos vivendo na Grande Depressão 2.

Os esforços deliberados do governo para impulsionar a economia foram tardes e provavelmente o menor possível, mas de maneira alguma banais. Desde o começo, argumentei que a Recuperação dos EUA e o Ato de Reinvestimento, também conhecido como plano de estímulo de Obama, eram pequeno demais. Apesar disso, estimações lógicas sugerem que cerca de um milhão de americanos a mais que estão trabalhando agora, sem esse plano, não estariam – um número que crescerá com o tempo – e que o estímulo teve um papel significativo em tirar a economia de sua queda livre.

Então, de modo geral, o governo teve uma função crucial em estabilizar essa crise econômica. Ronald Reagan estava errado: às vezes, o setor privado é o problema e o governo, a solução. E você não ficou feliz que agora o governo está sendo dirigido por pessoas que não odeiam o governo?

Não sabemos o que as políticas econômicas de uma administração de McCain e Palin teriam feito. Contudo, sabemos o que os republicanos na oposição estão dizendo – e eles estão reduzindo os pedidos para que o governo pare de ficar no caminho de uma possível depressão.

Não estou falando apenas da oposição ao pacote. Republicanos no comando de alguns cargos também querem acabar com os estabilizadores automáticos. Em março, John Boehner, líder da minoria na Câmara, declarou que dado que famílias estão sofrendo, “é hora de o governo apertar os cintos e mostrar ao povo americano percebemos essa situação”. Felizmente, seu aviso foi ignorado.

Ainda estou preocupado com a economia. Eu temo que ainda haja uma chance sólida de que o desemprego permaneça alto por um bom tempo. Mas parece que conseguimos evitar o pior: uma catástrofe absoluta não parece mais provável.

E o Grande Governo, dirigido por pessoas que entendem suas virtudes, é a explicação.

Textos relacionados:

Como a crise atual (2008) se compara com a de 1929?

Menor carga tributária é sinônimo de desenvolvimento?

Qual o maior problema econômico dos Estados Unidos?

A crise financeira sem mistérios.

A inflação poderá ajudar a debelar a crise nos Estados Unidos?

Observação: o contexto para a leitura do presente texto está aqui.

Talvez depois de ler esta matéria na Bloomberg News eu tenha ficado um pouco paranóico, mas vejam só o que eu li no The New York Times:

Como um pouco de inflação pode representar uma grande ajuda

Como o pacote fiscal ainda não resultou num grande sucesso, talvez seja hora de levar em consideração novas medidas monetárias para salvar a economia.

Esse é o argumento do Professor Scott Sumner, economista do Bentley College em Waltham, Massachussetts, pouco conhecido fora dos círculos da comunidade acadêmica, mas cujas análises tem se tornado mais populares graças ao seu blogue, TheMoneyIllusion.

O Professor Sumner propõe que o Federal Reserve assuma o firme compromisso de aumentar as expectativas de inflação para algo entre 2 a 3 porcento ao ano.

No seu ponto de vista, os políticos de Washington estão muito preocupados com a questão fiscal – excesso de gastos e déficits – e desatentos ao problema monetário.

Embora suas ideias sejam controversas, os fatos nos quais elas tem base não são. É pacífico entre economistas que a deflação provoca demissões e paralisia nos investimentos. No momento, preços de energia à parte, estamos testemunhando uma pressão baixista nos preços. Os mercados futuros e a cotação das TIPS [títulos do tesouro americano indexados à inflação] – para ser mais exato, o diferencial entre o retorno no investimento em TIPS e outros títulos de renda fixa – apontam que a expectativa atual é que a inflação fique bem abaixo de 1%. A maioria dos economistas concordam que esse número não é o ideal e o Professor Sumner conclama o Fed a ser especialmente duro no combate às pressões deflacionárias.

Continua…