Causos londrinos: os produtos brasileiros

Por Allan Patrick,

Água de Coco, único produto industrializado brasileiro encontrado no Waitrose de Fulham. Foto: Allan Patrick.

Um dos meus entretenimentos quando tenho a oportunidade de viajar ao exterior é fuçar os supermercados, entre outras razões para verificar como anda a colocação da produção brasileira no exterior. É difícil fazer um julgamento baseado apenas em impressões ao invés de utilizar estatísticas abalizadas, mas vou me arriscar. Em 2006, quando estive nos Estados Unidos, a primeira impressão não poderia ser melhor, pois minha conexão de Nova Iorque para Boston foi a bordo de um avião fabricado pela Embraer. E encontrei vários produtos na área de alimentação fabricados no Brasil. Já em Londres, o produto brasileiro mais visível nas prateleiras é a castanha-do-pará, seguido do açaí e da castanha-de-caju, todos importados na forma bruta e industrializados localmente. Provavelmente uma grande parte dos alimentos industrializados à venda utiliza soja de origem brasileira ou argentina, que também compõe a base da ração da pecuária local. O único produto realmente made in brazil que encontrei no supermercado foi água-de-coco cearense. Minha constatação “visual” casou muito bem com a posição do governo brasileiro nesta matéria do Valor Econômico, de 07/06/2011:

UE tenta garantir oferta de matérias-primas do Brasil

A União Europeia (UE) começará pelo Brasil uma grande articulação internacional para garantir o abastecimento de matérias-primas estratégicas. A preocupação com a vulnerabilidade aumentou depois da alta dos preços e restrições às exportações impostas por diversos países.

O Valor apurou que o vice-presidente da Comissão Europeia e comissário de Indústria e Empreendedorismo, Antonio Tajani, tentará obter a assinatura de uma declaração de intenção bilateral sobre matérias-primas em sua visita ao Brasil, de sábado a segunda-feira.

A UE acredita que se conseguir vincular o Brasil, um dos grandes produtores mundiais de minérios, ao conceito de que nenhum país deve restringir exportações de matéria-prima, poderá em seguida “pressionar” a China e outros países fornecedores na direção de um entendimento internacional contra essas “distorções comerciais”, que se daria no G-20, na Organização Mundial do Comércio e na Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Segundo fontes brasileiras, a Europa só trata o tema pelo lado industrial e exclui as matérias-primas agrícolas. O Brasil aceita discutir o fim das restrições à exportação, mas acha que isso só faz sentido se abranger a proibição também de restrições a importações.

A Europa restringe a entrada de produtos brasileiros de duas maneiras: na área industrial, com as altas tarifas impostas sobre itens de maior valor agregado, e com barreiras às commodities agrícolas importadas. (grifo nosso)

O interesse europeu também é recebido com prudência porque Bruxelas só levanta a questão do abastecimento quando os preços das matérias-primas estão elevados. Para o Brasil, discutir suprimento entre governos pode ser importante, mas o mercado opera em função de quem oferece o melhor preço.

A Europa depende inteiramente da importação de minerais concentrados nas mãos de poucos países, como China, Brasil, Rússia e África do Sul. Nada menos de 84% do nióbio e 51% de minério de ferro importado pelos 27 países da UE vêm do Brasil, por exemplo.

Veja também:

A Vale e o valor.

Qual a importância do Mercosul?

Razões para o Brasil oferecer um tratamento diferenciado aos seus vizinhos

Por Allan Patrick

Joseph Nye. Foto: Voz da América.

Uma entrevista com Joseph Nye, Professor na área de Relações Internacional na Universidade de Harvard, para o jornal Valor Econômico, revela porque o Brasil está defendendo seus próprios interesses ao oferecer um tratamento diferenciado aos seus vizinhos. Destaco o trecho que atraiu minha atenção:

Entrevista – Joseph Nye – Valor Econômico – 20/05/2011

Valor: E o “hard power” dos emergentes, cresce mais rápido que o “soft power”?

Nye: Com 10% de crescimento econômico anual e com orçamento militar crescendo ainda mais rápido que o PIB anualmente, o “hard power” da China está crescendo forte e rápido. Mas sempre que o “hard power” de alguma nação cresce forte, ela pode acabar assustando seus vizinhos. E se você assusta seus vizinhos demais – e não tem seu “soft power” para contrabalançar -, podem surgir coalizões contra você. Se olharmos com atenção, as relações atuais da China com Corea do Sul, Japão, Vietnã e Índia estão piores do que estavam há dois anos. Preste atenção: todos esses países querem a presença americana para contrabalançar o poder chinês.

A entrevista é de autoria do jornalista João Villaverde.

Debate entre Celso Amorim e Thomas Friedman

Por Allan Patrick

Seguindo a dica de um leitor no blogue do Nassif, procurei e encontrei o vídeo do debate entre o ainda Ministro das Relações Exteriores Celso Amorim e o jornalista e colunista do The New York Times Thomas Friedman. O encontro ocorreu sob o patrocínio do Carnegie Endowment for International Peace, um think tank que estuda a política externa norte-americana. Entre outras questões, Amorim conversou sobre acordos com a África do Sul e Índia, sobre a rodada de Cancún da OMC e o G-20, a Conferência de Copenhague (COP15) e as negociações com o Irã.

Celso Amorime e Milton Friedman debatem no Carnegie Endowment for International Peace. Foto: Liliam Chagas/MRE.

A minha impressão ao assistir ao vídeo é que Celso Amorim esteve muito à vontade para expor seus pontos de vista. Friedman, pelo contrário, parecia tenso e mal humorado. As posições de Friedman são largamente conhecidas no Brasil, pelo simples fato de que representam um conjunto de ideias que é replicado intensamente pela maior parte de nossa mídia. Não posso deixar de registrar a curiosidade de vê-lo preocupado com a relação comercial Brasil/China, na qual o Brasil entra geralmente com comodities e a China com produtos de maior valor agregado, como eletrônicos. Ele vê nessa relação desbalanceada uma nova forma de “colonialismo” que, curiosamente, não viu quando o papel da China era exercido pelos Estados Unidos ou pela Europa.

Vídeo: The New Geopolitics: Emerging Powers and the Challenges of a Multipolar World.

Veja também:

Celso Amorim defende os interesses do Brasil no Irã.

Celso Amorim defende os interesses do Brasil no Irã

Por Allan Patrick

Ministro Celso Amorim. Foto: Agência Brasil/Agosto 2010.

No sábado, véspera do primeiro turno das eleições, vim de Natal para Mossoró e dei carona para um amigo da família, um senhor já de idade. Inevitavelmente durante a viagem o tema política veio a tona. Sendo um ardoroso fã de Lacerda e, consequentemente, de Serra, o diálogo não fluiu muito. Curioso que um dos temas por ele abordado foi a questão do Irã, repetindo o discurso habitual que costumamos ver, ler e ouvir na mídia. Resolvi então compilar aqui a minha fala e os meus argumentos para fazer o registro de um contraponto raramente divulgado: como o Ministro Celso Amorim, ou mais apropriadamente, como a política externa do governo Lula defendeu os interesses brasileiros na questão do enriquecimento de urânio pelo Irã.

Bem, inicialmente precisamos definir o que seria o interesse brasileiro. Para facilitar, vamos comparar com o interesse de uma grande potência internacional, os Estados Unidos, que é mais simples de se observar, por ser alvo de grande divulgação na imprensa internacional. Sendo a maior potência bélica do mundo – com larga margem de vantagem sobre o 2º colocado – seu desejo é a liberdade para imposição unilateral de seus pontos de vista. O exemplo mais claro desta perspectiva é a invasão do Iraque. O resultado, segundo o Iraq Body Count, foi a morte de entre 98 a 107 mil iraquianos. As potências intermediárias – me refiro aqui aos outros quatro membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU: China, Rússia, França e Reino Unido – preferem a “bola rolando” no Conselho, pois lá tem a exclusividade do direito de veto. Já o Brasil, com capacidade militar modesta, tem como interesse trazer o jogo internacional para um campo onde – se a vitória não é garantida – ao menos pode disputar de igual para igual. E esse campo é o da diplomacia e das instituições internacionais multilaterais.

Desta forma, o interesse do Brasil é que todas as questões envolvendo acusações de desenvolvimento de armamento atômico sejam resolvidas através dos organismos multilaterais, até mesmo no âmbito do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares (TNP) e da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), apesar dos questionamentos do nosso país à tentativa da agência de ir além de suas atribuições na verificação das ultracentrífugas brasileiras, cujo funcionamento constituem segredo comercial valiosissímo, já que poucos países – basicamente Estados Unidos e Rússia – detem o ciclo completo do urânio, da exploração do mineral à produção do material enriquecido.

Nesse sentido, nada mais lógico que o Brasil tenha defendido uma saída diplomática para o caso do Irã, numa triangulação em que a Turquia ficaria como fiel depositária do material radioativo do seu vizinho.

No futuro, em função do crescimento da importância da energia nuclear, o Brasil pode muito bem ser alvo de campanha difamatória – produzida com interesses comerciais – visando afetar o nosso projeto civil. Nesse momento, ficará claro que o nosso interesse só poderá ser bem defendido em organismos multilaterais, onde o peso dos concorrentes diretos (China, Rússia e Estados Unidos, principalmente) estiver diluído.

Veja também:

Debate entre Celso Amorim e Thomas Friedman.