Cultura do automóvel e violência policial

Por Allan Patrick

Infelizmente, o que deveria ter sido festa acabou em violência. Fonte: Blog do Daniel Dantas.

Infelizmente, o que deveria ter sido festa acabou em violência. Fonte: Blog do Daniel Dantas.

Há 28 anos, Natal foi palco da tragédia do Baldo, em que a ação de um motorista ensandecido resultou na morte de 19 pessoas e na decadência do carnaval de rua da cidade. Desde então, com exceção de algumas iniciativas, embora muito criativas, esse período passou a ser, principalmente para as classes média e alta, um complemento do veraneio ou um momento para viajar.

Uma dessas luzes no carnaval da cidade é o bloco do Baiacu na Vara, que desde 1990 percorre as ruas do bairro da Redinha na quarta-feira de cinzas. Ontem (13/02/2013), a festa correu o sério risco de se transformar numa tragédia, absolutamente evitável. Imaginemos se trezentos carros estivessem numa carreata: uma viatura da Polícia Militar iria agredir os motoristas, jogar spray de pimenta e disparar ao ar pra que os carros lhe cedessem passagem? Lógico que não! Fariam o óbvio: contornariam ou pegariam um desvio. Mas como eram 3 mil foliões – pedestres, que, na nossa sociedade violentamente desigual, são pouco mais que nada -, a viatura se achou no direito de passar pelo meio do bloco “na marra”.

(Quem é cidadão-pedestre sabe como um carro já é agressivo de per si, ainda mais quando tenta forçar passagem contra pessoas. Mas o cidadão-motorista – e esse é um dos efeitos mais perniciosos da cultura do automóvel – não consegue enxergar sua própria projeção de agressividade aos pedestres. Testemunho isso diariamente na nossa cidade. Como não faço de carro a maior das minhas viagens, pego carona com frequência com grande variedade de amigos e colegas de trabalho. É impressionante como pessoas extremamente gentis e cordatas no “mundo real” se transformam quando estão ao volante, menosprezando e pondo em risco a vida de seres humanos os quais, em outro contexto, tratariam com carinho.)

Numa situação como essa, claro, em meio a uma multidão anônima, essa projeção de “poder” atrai negatividade, e garrafas d’água e latas foram arremessadas, o que aparentemente precipitou a reação destemperada dos policiais. A atenção ao chamado acabou ficando de lado e inclusive se vê no vídeo que foi preciso pedir o reforço de outras viaturas, também deslocadas de suas atividades para dar conta do caos em que a situação se tornou.

A violência foi transmitida e denunciada ao vivo, via twitter, pelo vereador Hugo Manso, que, sempre com muita ponderação, tentou acalmar os ânimos e chamar os policiais à conversa, no que infelizmente não foi correspondido.

O interessante, do ponto de vista sociológico, em acompanhar o desenrolar dos fatos pelo twitter, é a possibilidade de enxergar com muita clareza como a narrativa reverbera de forma diferente em públicos distintos. Entre tuiteiros de classe média alta, tipicamente cidadãos-motoristas, cuja experiência de vida lhes tira a capacidade de sentir empatia pelo cidadão-pedestre – e muitos sequer percebem isso – o sentimento era de estranheza com o “por que as pessoas não saem do meio e deixam a via livre à viatura?”, exigência esta que nunca imaginariam razoável fazer de seus pares motoristas num congestionamento.

Há aí também um outro triste viés, que o natalense conhece bem mas quem é de fora pode notar pelas fotos ou pelo vídeo. A Redinha (e a zona norte de Natal como um todo), é um bairro popular. O tuiteiro de classe média alta está acostumado, no seu carnaval em Pirangi, no litoral sul, ao policial simpático, que patrulha à pé, dá boa tarde e orienta os foliões. Não consegue “entender” então, porque alguém agiria com violência contra esses servidores públicos no cumprimento de suas funções, pois não percebe que nossa sociedade desigual condiciona a polícia a ter comportamentos diferentes de acordo com o “público” com o qual se relaciona.

Isso me lembra de quando vi uma palestra em 2008, do então Secretário Nacional de Segurança Pública, Ricardo Balestreri. Era um tempo em que eu mesmo ainda não tinha me desvencilhado da cultura do automóvel e ainda me pegava em várias situações raciocinando como cidadão-motorista. Balestreri conseguiu fazer ver à plateia, composta basicamente por estudantes de direito, policiais e autoridades públicas, como o modelo de policiamento feito de dentro de um automóvel tinha que ser repensando em favor das patrulhas a pé. Que carros deveriam ser usados para o que foram inventados: transportar pessoas de um lugar para outro. Que um patrulhamento à pé, para além do estreitamento de laços do policial com as comunidades e cidadãos, tinha como resultado um patamar de qualidade muito maior do que o feito a partir de um automóvel. Parece papo esotérico quando se é cidadão-motorista – e a luz de um giroflex exerce ainda um fascínio muito grande no tão impreciso conceito de “sensação de segurança” – mas à medida em que a gente se torna mais e mais pedestre, percebemos o quão certo ele estava.

Atualização em 18/02/2013

Ivênio Hermes fez uma análise da situação do ponto de vista da boa técnica de ação policial.