O referendo suíço

Por Allan Patrick

Os suíços, em recente referendo, proibiram a construção de almádenas (ou minaretes) nas mesquitas existentes em seu país. Este quadrinho, desenhado pelo espanhol Manel Fontdevila, ilustra de forma irônica nossa opinião sobre o resultado:

Reação de hidrófobos de extrema-direita ao referendo na Suíça. Por Manel Fontdevila.

Tradução:

– Viva Suíça!

– Os muçulmanos estão nos colonizando!

– Estão nos invadindo!

– Impõe seus costumes! Comem nossos impostos!

– Quando eu penso… Tenho vontade de recolher o lixo ou limpar eu mesmo o ra** de Yaya!

– Fo***-se!

Yaya: Cid Hiaya el-Nayyar, membro de uma influente família muçulmana do Califado de Granada, último reino islâmico da Península Ibérica a ser derrotado e anexado pelos Reis Católicos, em 1492. Yaya vendeu-se ao reino cristão de Castela e converteu-se ao cristianismo, ajudando na conquista da nação de seus antepassados. Retificação em 18/08/2011: ver o comentário de João, abaixo.

Textos relacionados:

Racismo escancarado.

Flamengo campeão, Henfil no coração

Em comemoração ao hexacampeonato do Flamengo, não posso deixar de lembrar um dos mais ilustres rubronegros da história: Henfil. Está vivo e presente, no nosso coração.

Henfil sabia muito bem como retratar a alma do time: o flamenguista.

Obrigado, Henfil, pelo legado que você deixou à nação rubronegra.

Fonte: Urubu, Henfil. Editora Martha Mamede Batalha (perdoem-me pela má digitalização das imagens).

Racismo e política de cotas

Neste Dia da Consciência Negra, uma história em quadrinhos que descreve muito bem a relação entre negros e brancos não só nos Estados Unidos, país do autor, como também no nosso Brasil, e que serve de contra-argumento às ideias de quem defende que não deve haver políticas compensatórias para negros (a tradução está logo a seguir).

A historia do racismo nos Eua

No quadrinho, intitulado "Uma história concisa das relações entre negros e brancos nos Estados Unidos", um menino branco usa um escravo, negro, pra subir numa plataforma, enquanto afirma "Isso é pro seu próprio bem". Ao chegar lá em cima, diz pro negro: "Sinto muito por ter sido racista antes. Agora não sou mais". O negro responde: "Ótimo. Você pode me dar uma mão pra eu subir?". E o branco: "Claro que não! Isso seria racismo invertido!". E emenda: "Veja bem, se eu consegui subir aqui sozinho, por que você não conseguiria?".

© Barry Deutsch

Fonte: Political Irony via Escreva, Lola Escreva.

Textos relacionados:

Olhos Azuis.

De médico e monstro todo banco tem um pouco.

Doctor National and Mister Transnational

Doctor National and Mister Transnational. Por Khalil Bendib.

Título: Doctor National and Mister Transnational. A tradução literal seria Doutor Nacional e Senhor Transnacional, uma paródia com o título da obra The Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde, traduzido no Brasil como O Médico e o Monstro.

Em azul: Corporate America. América empresarial.

À esquerda: um desesperado Obama leva trilhões de dólares em “ajudas” dos contribuintes para os bancos (O Médico, Dr. Jekyll), que choram por apoio (Socorro! Ajudem-me, salvem o capitalismo!). A placa abaixo da bandeira estadounidense avisa: “América em primeiro lugar”, “Muito grande para falir”.

À direita: Obama, com uma pasta do IRS (Receita Federal americana) apresenta a conta (bill) aos bancos (O Monstro, Mr. Hyde), em cuja mandíbula está escrito: “trilhões em evasão e elisão fiscal“. O Monstro grita em alto e bom som: “Pagar a minha parcela justa de impostos? O que é isso, socialismo?!” A placa avisa: “Estados Unidos, caiam fora das Ilhas Caimã! Yankee go home. Entrada não permitida para cobradores.”

Pássaro no centro, inferior: das lágrimas de crocodilo às Ilhas Caimã.

Fonte: Tax Justice Network blog.

Mafalda e os jornais

Via Los diarios no existen.

Mafalda e Libertad conversam sobre jornais.

Mafalda e Libertad conversam sobre jornais.

– Os jornais! … Os jornais inventam a metade do que dizem! – afirma Libertad.
– E ainda por cima os jornais não contam metade das coisas que acontecem. O resultado dessa soma é que os jornais não existem! – completa.

Textos relacionados:

A Lei de Aloysio Biondi.