O BNDES não tomou prejuízo com Eike Batista

Edifício Sede do BNDES. Foto: Marinelson.Almeida.

Edifício Sede do BNDES. Foto: Marinelson.Almeida.

Eleição se parece a um tempo de guerra, onde a verdade é a primeira que morre. Uma das informações incorretas que circulam livremente pela internet e pela imprensa é que o BNDES foi responsável por ajudar o empresário Eike Batista na construção do seu falido grupo empresarial, emprestando graciosamente a juros subsidiados. Como consequência, teria tomado um prejuízo bilionário com a falência do empresário, prejudicando o contribuinte brasileiro.

Essa informação é falsa! Eike foi uma invenção do mercado de capitais (bond holders e private equity) e dos bancos privados (Itaú, Bradesco, Santander e BTG, dentre outros).

O BNDES, efetivamente, emprestou R$ 6 bilhões ao Grupo X, mas sempre via bancos privados, os quais garantem os empréstimos. Sendo assim, o BNDES só viria a ter prejuízo com a operação se um dos bancos garantidores (Itaú, Bradesco, Santander ou BTG) viesse a falir.

Já o empréstimo da Caixa Econômica Federal, também banco público, ao Grupo X tem a garantia do Santander.

Como tantas elocubrações antipetistas, esta também não tem nexo com a realidade.

Atualização em 02/12/2014

Santander dá calote na Caixa.

Estado mínimo e vazamento de petróleo nos Estados Unidos

Por José Ribas

Mancha do vazamento de petróleo na Deepwater Horizon vista do espaço.

O que esse desastre mostra, pelo menos para mim, é a desmitificação da corrupção no Brasil. Por muito tempo “institutos sérios” davam conta que o Brasil era (ou é ainda para eles) o país mais corrupto do mundo. Com a quebradeira americana capitaneada pelos corruptos de Wall Street, com os Madoff, os Lehman Brothers da vida e agora a comissão de segurança e exploração de petróleo americanos, com a BP e a enxurada de favores aos políticos e funcionários de alto escalão do governo americano, chego a conclusão que a corrupção nos Estados Unidos está para a corrupção brasileira como no governo do FHC: administrada por um engavetador, sem escândalo, sem corrupção, sem investigação, sem sujeira.

Ficou fácil ver que, apesar da gente saber que esse vazamento de óleo no Golfo do México ser a maior tragédia ambiental da história, uma tragédia maior estava em curso, mãe de todas as tragédias, que é a tragédia da corrupção orquestrada pela ganância capitalista mundial.

O tapete mundial aos poucos está sendo levantado.

Comentário pescado no blogue do Luís Nassif: O vazamento de petróleo nos Estados Unidos.

Petróleo deve durar mais do que o estimado atualmente

Valor Econômico –  12/01/2010 – Stanley Reed, BusinessWeek

Tecnologia eleva reservas; regulação deve conter a demanda

Ganhos de tecnologia e produtividade aumentam a vida útil dos campos de petróleo.

Muita gente não pensa na Holanda como um país petrolífero, mas um campo com um bilhão de barris jaz sob uma faixa de 14 quilômetros de pastagens ao longo da fronteira holandesa-alemã. Quando os preços do petróleo despencaram, na década de 90, a Royal Dutch Shell e a ExxonMobil fecharam o campo Schoonebeek. Os executivos da companhia estimaram que não valia a pena buscar esse petróleo denso e de difícil extração, apesar de apenas cerca de 25% do petróleo de Schoonebeek ter sido extraído. O principal sinal do passado petrolífero da cidade é um antiquado equipamento de bombeamento de petróleo ainda hoje largado num estacionamento próximo a uma padaria.

Agora, a alta dos preços e os avanços tecnológicos estão estimulando uma nova associação da Shell, Exxon e do governo holandês para voltar a extrair as reservas em Schoonebeek. Novos poços perfurados horizontalmente estão entrando em contato com mais petróleo. Vapor injetado na rocha desprende o petróleo denso como melaço para que possa ser trazido mais facilmente à superfície.

A Shell não diz que preço torna esses esforços rentáveis, mas especialistas estimam que US$ 40 a US$ 50 por barril é suficiente. Ao preço atual de US$ 80, o campo é claramente viável. “Não atuaríamos se o preço fosse muito baixo”, diz Michael Lander, executivo da Shell que comanda o projeto. O empreendimento deverá produzir 120 milhões de barris durante 20 anos na reaberta área oeste de Schoonebeek. Se a outra área do campo for explorada, a taxa de recuperação – o percentual de petróleo que se consegue bombear em relação ao total da reserva do campo – se aproximaria de 50%. A média no setor é de 30% a 35%.

Schoonebeek não inundará o mundo com petróleo. Mas seu sucesso cria um argumento poderoso contra os que sustentam que a produção de petróleo está num declínio irreversível. Demanda maior de consumidores, tecnologia e política mundial estão mudando o negócio de uma maneira que pode significar um futuro de abundância petrolífera, e não de escassez catastrófica. Como Leonardo Maugeri, executivo-sênior do ENI, importante petrolífera italiana, diz: “Haverá petróleo suficiente para ao menos 100 anos”.

O consumo de petróleo nos EUA caiu 9% nos últimos dois anos. (…)

Comentário por Allan Patrick

Além da informação relevante sobre a produção de petróleo, é interessante a nota sobre a queda no consumo de petróleo nos Estados Unidos que, apesar da enorme importância, a BussinessWeek apresenta discretamente nos últimos parágrafos da matéria, numa variante da Lei de Aloysio Biondi (“a verdade, no jornalismo econômico, surge sempre no último parágrafo”). Como o consumo do petróleo é inelástico (ou seja, diminui muito pouco nos momentos em que a economia vai mal), temos uma dimensão do tamanho da queda na economia dos Estados Unidos nos últimos dois anos.

Atualização em 14/01/2010

Um aspecto importante que não ressaltei no original: na dura realidade, não é o aprimoramento da tecnologia que vem aumentando a vida útil e a viabilidade dos campos de petróleo. É a cotação do preço do barril no mercado internacional que tem esse efeito. Os poços de petróleo ditos “esgotados” em realidade não estão secos, continuam contendo o precioso líquido negro. Apenas que, a medida em que o campo vai amadurecendo, o custo de exploração se eleva. Sendo assim, um campo que foi fechado ou abandonado quando o petróleo custava US$ 10,00/barril, como é o caso deste campo neerlandês da reportagem da BusinessWeek, pode voltar a ser explorado caso o petróleo se valorize. É o que vem ocorrendo atualmente (janeiro/2010), com o barril oscilando entre US$ 70,00 e US$ 80,00.