A nova liderança do Tea Party e os recursos públicos

Por Allan Patrick

Michele Bachmann. Foto: wikipédia.

A deputada americana Michele Bachman, figura proeminente do Tea Party, movimento político que opera no interior do Partido Republicano dos Estados Unidos, venceu a consulta popular entre os militantes do partido em Iowa. Conhecida como Iowa Straw Poll, é uma consulta informal que age como termômetro para medir os sentimentos dos eleitores republicanos. Embora nem sempre o seu vencedor venha a ser o escolhido no resultado final das primárias, o histórico mostra que costumam ser candidatos competitivos. Neste ano, o resultado prático foi a desistência de um candidato importante, Tim Pawlenty.

Voltando ao Tea Party: esse movimento se notabilizou pela sua aversão ao Estado, a tudo que é público e, claro, ao pagamento de impostos.

Não deixa de ser curioso, portanto, registrar que Michele Bachman trabalhou por cinco anos como advogada para o IRS (a Receita Federal americana), alvo predileto do ódio do Tea Party e de um atentado terrorista suicida da extrema-direita em 2010. Além de ter trabalhado para o Leviatã do Tea Party, a fazenda da família Bachman recebeu mais de 260 mil dólares em subsídios agrícolas entre 1995 e 2008. Mas não ficou por aí: a clínica psicológica que mantem em sociedade com o marido faturou quase 200 mil dólares provenientes de planos públicos de saúde, como o Medicare, entre 2006 e 2010.

Estado pequeno é muito bom… desde que seja para os outros.

Brasil e o primeiro debate dos candidatos republicanos

Por Allan Patrick

Tim Pawlenty, governador de Minnesota. Foto: Wikipédia.

Ocorreu na semana passada, em Manchester (New Hampshire), o primeiro debate pra valer dos candidatos que concorrem nas primárias para a escolha de quem será o republicano a desafiar o Presidente Barack Obama nas eleições do próximo ano. O Brasil foi citado durante o debate por Tim Pawlenty, governador de Minnesota e um dos favoritos a ser escolhido pelos eleitores republicanos:

 JOHN KING (moderador do debate): I’m going to try to ask all of you to keep the follow-ups to 30 seconds, as we can, so we can get more in. Governor Pawlenty, answer the critics—and as you do so—who say five percent every year is just unrealistic. And as you do so, where is the proof? Where is the proof that just cutting taxes will create jobs? If that were true, why—during the Bush years, after the big tax cut, where were the jobs?

TIM PAWLENTY: Well, John, my plan involves a whole plan, not just cutting taxes. We’re proposing to cut taxes, reduce regulation, speed up this pace of government, and to make sure that we have a pro-growth agenda. This president is a declinist. He views America as one of equals around the world. We’re not the same as Portugal. We’re not the same as Argentina. And this idea that we can’t have five percent growth in America is hogwash. It’s a defeatist attitude. If China can have five percent growth and Brazil can have five percent growth, then the United States of America can have five percent growth. And I don’t accept this notion that we’re going to be average or anemic. So, my proposal has a five percent growth target. It cuts taxes, but it also dramatically cuts spending. We need to fix regulation. We need to have a pro-American energy policy. We need to fix healthcare policy. And if you do those things, as I’ve proposed, including cut spending, you’ll get this economy moving, growing the private economy by shrinking government. (grifo nosso)

Fonte: Democracy Now, 14 de junho de 2011.

Então fica aí registrado que o Brasil conseguiu passar ao grande público internacional uma imagem de que é uma nação em ritmo acelerado de crescimento.