Espanha, futebol e crise econômica

Por Allan Patrick

Rodrigo Rato embolsou 1,2 milhão de euro mesmo após a intervenção no banco que dirigia.

Em junho de 2009, com a crise econômica já bem avançada, a Caja Madrid, controlada pelo governo regional de Madrid, sob administração do Partido Popular (PP), emprestou conjuntamente com o Santander, 150 milhões de euros ao Real Madrid para a aquisição dos passes dos jogadores Ronaldo e Kaká.

Qualquer esperança de lógica econômica nas ações da Caja Madrid se dissipou esta semana, quando o Bankia, resultado da fusão da Caja Madrid com outras caixas espanholas em 2010, foi alvo de uma intervenção pelo Banco Central local. Para evitar sua quebra receberá uma injeção de recursos entre 7 e 10 bilhões de euros (ao câmbio de hoje, entre 17 e 25 bilhões de reais) do combalido governo espanhol.

Numa demonstração de qual é a diferença entre o discurso e a prática no conservador Partido Popular, Rodrigo Rato, até então presidente da instituição bancária, receberá 1,2 milhão de euros de indenização pela demissão. Rodrigo, quando foi Ministro da Economia na primeira metade da década passada, defendeu, em sintonia com o governo do qual fazia parte, uma reforma trabalhista que reduziu o custo de demitir trabalhadores. (No passado mês de fevereiro, de volta ao poder, o PP aprovou nova reforma para reduzir ainda mais esse custo).

Veja também:

O Banco Santander e o Brasil.
O segundo tempo da crise econômica mundial.

Made in Madrid

Por Allan Patrick

De vez em quando eu me vejo na obrigação de publicar algo sobre os casos de corrupção que pipocam no exterior, apenas para desmitificar o complexo de vira-latas nelsonrodriguiano das pessoas que repetem o chavão anti-povo de que o Brasil é a terra da corrupção. A nota é do blogue de Ignacio Escolar e vai aqui traduzida:

Um novo milagre desses que só acontecem na corte de Esperanza Aguirre (N. do T.: governadora da Comunidade Regional de Madri), a condessa de Fundescam (N. do T.: uma ONG que só existia no papel, presidida pela governadora e que financiava campanhas do seu Partido Popular) a Comunidade de Madri gastou 1.250.000,00 euros numa campanha publicitária fantasma da qual ninguém ouviu falar, tendo desaparecido sem deixar nenhum rastro, como se tivesse sumido no Triângulo das Bermudas (ou quem sabe em algum outro paraíso fiscal). É o primeiro caso conhecido de publicidade clandestina, um verdadeiro oxímoro. Essa invenção tinha por nome Made in Madrid e, teoricamente, esse dinheirão foi investido em anúncios e em merchandising, em 50 mil folhetos e 100 mil canetas com o simpático bordão. Se você tiver um em casa, guarde-o bem, pois a pesar da extensa tiragem é alvo de colecionadores: nada se sabe dos folhetos, das canetas nem do próprio Made in Madrid; uma campanha que, casualmente, foi encomendada a um dos fornecedores habituais da trama Gürtel (N. do T.: extenso caso de corrupção, investigado sob pelo juiz Baltasar Garzón, envolvendo o Partido Popular) e que, também por coincidência, foi escolhido em procedimento emergencial às vésperas das eleições regionais de 2007.

P.S.: não é a toa que Baltasar Garzón é tratado pelo Tribunal Supremo da Espanha de modo semelhante ao juis De Sanctis no nosso STF.

Veja também:

José Saramago defende o juiz Baltasar Garzón.

Atualização em 12/04/2010:

A Carta Maior publicou um artigo mais extenso sobre o tema: clique aqui.