Há mais assassinatos no Brasil do que em países em guerra?

Guerra em Gaza. Foto: Al Jazeera.

Guerra em Gaza. Foto: Al Jazeera.

O título do post é um dos lugares comuns que derrubam qualquer tentativa de diálogo racional, seja nas redes sociais, seja na vida real.

É usado com muita frequência na retórica da extrema direita, sempre dirigido contra o governo federal, embora os estados tenham um papel mais importante nessa área. Por isso registro aqui o comentário que fiz no Escreva Lola Escreva em resposta:

Comentário: “Depois que um esquerdista explicar porque morre mais gente aqui, do que em guerras declaradas mundo afora,”

 

Minha resposta: Nenhum esquerdista vai lhe explicar isso porque essa afirmação é falsa. 54 mil homicídios por ano na população de 200 milhões de brasileiros representam 27 homicídios por 100 mil habitantes/ano. Em uma semana de guerra em Gaza, morreram 342 palestinos para uma população de 1,7 milhão, o que dá uma taxa de 20 mortos por 100 mil habitantes. Em uma semana!

Tragicamente, depois que escrevi esse comentário, o número de vítimas na Faixa de Gaza já quadruplicou.

Uma pérola da blogosfera potiguar

Por Allan Patrick

Papacapim, culinária vegetal.

Por mais curioso que possa parecer, o blogue de autoria potiguar com os textos que mais  me encantam e emocionam está localizado na Palestina (é lá que vive sua autora, a natalense Sandra Guimarães). E para redobrar o inusitado, sua temática é a culinária vegetariana, da qual, como apreciador duma boa carne-de-sol, não sou adepto.

Mas, em meio a textos excelentes sobre culinária vegetal, onde são abordados os aspectos culturais, nutricionais, históricos e gastronômicos de cada prato (às vezes até ilustrados por fotos de carnívoros que não dispensam uma iguaria vegetariana), surgem posts ainda mais brilhantes, sobre a Palestina. Ilustrados não apenas pela qualidade do texto da autora, mas pela riqueza das histórias dos seus personagens. Dois bons exemplos: Mustafa e Mohamad Alafandi, já na terceira geração como refugiados e mantendo a dignidade e a história de seu povo, e Khoulud Ayyad, que nós aqui no Nordeste tomaríamos como exemplo de mulher guerreira.