Causos londrinos: o oyster card

Por Allan Patrick

Oyster card, um smartcard "esperto".

Como já tive a oportunidade de registrar, o custo de uma passagem simples no metrô de Londres é absurdamente alto (£ 4.00 ou R$ 10,40). A alternativa para gastar menos é o Oyster Card, um smartcard que deve ser usado toda vez que se entra e sai das estações do metrô. Além de oferecer um desconto significativo, ele calcula automaticamente o menor custo para a viagem do usuário. Isso porque o metrô de Londres não utiliza tarifa única; ele possui um sistema de zonas e o custo das viagens varia conforme o passageiro as cruza. É bastante complicado de entender e penaliza os morados dos bairros mais distantes (e pobres).

Eu diria que o oyster não é um cartão “inteligente” (smart), mas “esperto” (na pior conotação que damos à palavra no Brasil). Eu tive o desprazer de usar a linha DLR do metrô (que, vejam só, pertence a um operador diferente daquele que administra as outras linhas). O problema é que, por ser um operador diferente, nessa linha a sinalização do local onde você deve registrar a sua saída com o oystercard é diferente (e quase imperceptível). Justamente foi isso que me ocorreu, eu passei desapercebido pelo local onde deveria registrar o “touch out” do oystercard ao sair da estação. Como eu estava indo pra estação de trem contígua à estação final dessa linha de metrô, vi uma catraca igual à que se usa na saída das estações tradicionais do metrô (só que, pro meu infortúnio, era na verdade a catraca de entrada da estação de trem). Então, ao invés de registrar minha “saída” do metrô, o que eu fiz foi registrar minha “entrada” no sistema ferroviário. Ter deixado minha saída do metrô em aberto fez o meu cartão ser debitado pela tarifa cheia do metrô. Pior, ter registrado minha entrada no sistema ferroviário (pensando que era a saída o metrô) me fez pagar também a tarifa cheia dos trens (que é de £ 8.00), além de ter comprado o próprio ticket do trem. Não entendeu? Não se preocupe, você é uma pessoa razoável, porque eu também não entendi e só descobri o ocorrido no momento de voltar pra casa, quando percebi que o saldo do meu cartão estava negativo (gastei meia hora rachando a cabeça, olhando pro extrato on-line na máquina de auto atendimento, até entender o que tinha ocorrido). Resultado: o meu oystercad foi debitado na tarifa máxima na rede ferroviária e do metrô. Perdi umas 10 libras nessa história (quase R$ 30,00).

Veja também:

Causos londrinos: a terra da privatização

Causos londrinos: olhe o batente!