Um passeio pela Escandinávia

Fragata Surprise, uma janela pro turismo.

Fragata Surprise, uma grata surpresa na blogosfera de turismo.

A comandante Cyntia Campos, da Fragata Surprise – um dos blogues mais interessantes de turismo na blogosfera brasileira – gentilmente publicou dois textos (Escandinávia: um passeio no fim do mundo e Uma road trip na Lapônia) de nossa autoria sobre uma road trip na Escandinávia (e é possível que novos posts ainda venham por aí!). Não deixem de passar lá pra conferir!

O “zeitgeist” nórdico

Por Allan Patrick

Fronteira Dinamarca - Alemanha em julho/2011, antes da implantação da "blitz". Foto: arquivo pessoal do autor.

Zeitgeist é a palavra da moda quando se quer escrever sobre o caldo de cultura em que uma determinada sociedade está envolta. Há algumas semanas fui à Dinamarca visitar um amigo dos tempos do ensino médio. De lá seguimos para a Alemanha para ver o jogo da Seleção brasileira na Copa do Mundo de Futebol Feminino contra a Noruega. Algum desconforto com o zeitgeist nórdico já vinha me fazendo pensar em escrever algo sobre essa viagem. Mas os acontecimentos do fim de semana precipitaram as coisas.

A Dinamarca é uma nação admirável. Um país onde o estado de bem estar social é forte, a tributação é bastante progressiva, não só em termos fiscais, mas também ambientais. O meio público é fortemente regulamentado sob a perspectiva da qualidade de vida, como é o caso do mercado imobiliário e da construção civil. Isso sem que ninguém venha estribuchar afirmando que assim se cria um “ambiente ruim para fazer negócios”. Porém, maldito porém, meu amigo, que está no país há pouco tempo, menos de um ano, começou a me relatar, e naquele momento eu não refleti sobre o que ele dizia, cansado da viagem e dos planos para o dia seguinte, diversos casos de violência e insegurança que os dinamarqueses lhe contavam, invariavelmente envolvendo imigrantes. “Alguma TV privada deve ter lançado um programa policial”, pensei pra mim mesmo na hora.

E, de fato, aqui no Reino Unido, a iTV transmite um programa, Cops with Cameras, com uma boa audiência, que em termos de bizarrice não fica a dever a nenhuma Patrulha Policial. Outro dia eu o vi de relance enquanto jantava na residência estudantil e não pude deixar de notar a total ausência de vergonha na cara para fazer – e exibir na TV aberta – uma “operação especial”, com câmeras escondidas e policiais à paisana, para prender e esculachar um (01) vendedor de dvds piratas que tinha cinco (05) filmes falsificados na sua bolsa. Uau! (enquanto isso, na city londrina… deixa pra lá).

Tenho pra mim que esse mesmo tipo de programa deve estar fazendo sucesso lá pela Dinamarca. Como narrou o meu amigo, diversas cidades dinamarquesas desincentivam o uso de carros nos seus núcleo urbano (#parabénsDinamarca!), sendo comum que as pessoas, ao se deslocaram para uma cidade, deixem os seus veículos nos arredores, em grandes estacionamentos públicos, de onde se dirigem para os centros urbanos de trem.

Pois bem, teve início uma série de furtos de pertences deixados dentro dos veículos localizados nesses estacionamentos. Os furtos foram atribuídos a “europeus do leste”. O que a polícia fez? Tentou fazer algum tipo de monitoramento nesses locais? Começou uma investigação? Foi atrás do local onde esses produtos são comercializados? Tentou contactar a polícia polonesa, a quem “tradicionalmente” se joga a culpa por esses crimes? Nada disso, o governo nacional preferiu jogar o Tratado de Schegen no lixo e reativou controles migratórios na fronteira com a Alemanha, com o objetivo de fazer uma blitz ostensiva, com finalidades meramente eleitorais. Olha, gente, nem em Mossoró isso é levado mais a sério.

Junta-se aí também a vontade de evitar a vinda de refugiado africanos à Dinamarca. Afinal, o Quênia pode abrigar 380 mil refugiados da Somália (80 mil recém-chegados em apenas 10 dias, produto da seca desastrosa que assola a região), mas 15 mil líbios e tunesinos em toda a Europa continental é o fim do mundo, né?

Nesse ambiente político, não chega a ser uma surpresa, embora choque profundamente, a barbárie ocorrida na Noruega.

O zeitgeist vem sendo cultivado com muito esmero.

Capitalização da Petrobrás

Por Allan Patrick

Plataforma P-52. Foteo: Ricardo Stuckert/PR.

Teve início o período de capitalização da Petrobrás e fiz a minha adesão. Diminuta, frente aos valores totais envolvidos, mas, enfim, é a minha contribuição. Com a adoção de um modelo normativo para o petróleo do Pré-Sal em moldes semelhantes ao norueguês, o que, traduzindo para o bom português, significa que haverá uma forte tributação sobre a exploração de petróleo, em torno de 85%, perspectivas muito interessantes vão se abrir para o país nas próximas duas décadas, principalmente e partir de 2020, quando as rendas do Fundo do Pré-Sal começarem a ser aplicadas em saúde e educação. Nesse processo, nada mais justo e correto do que fortalecer o controle público sobre a empresa estatal que explora a atividade. Exatamente como fez a Noruega em 2007, quando fundiu a sua empresa petrolífera, a Statoil, com a subsidiária de petróleo e gás da Norsk Hydro (a Eletrobrás deles), ambas estatais.

Dossiê e sigilo fiscal

Por Allan Patrick

Arapongas e estelionatários morreriam de fome tentando violar o sigilo fiscal na Noruega e na Finlândia.

Em meio a todo o barulho realizado em torno da quebra do sigilo fiscal da filha do candidato José Serra, aproveitamos a oportunidade para informar que na Noruega e na Finlândia não seria possível montar um dossiê contendo dados sigilosos oriundos do fisco. O motivo é bem simples: nos dois países os dados fiscais dos contribuintes não são sigilosos e estão disponíveis para consulta pública por qualquer cidadão. Veja aqui (Noruega) e aqui (Finlândia) os dois textos que já publicamos sobre o assunto.

Não existe carro ecológico

Adaptado do apocalipse motorizado.

Ford Eco(?)sport.

“É impossível que um carro faça algum bem ao meio-ambiente, a não ser destrui-lo menos do que os outros.”

“Não existem carros ‘verdes’, ‘amigos do ambiente’ ou ‘limpos’”.

As frases são de Bente Øverli, executiva do órgão de regulação publicitária e defesa do consumidor da Noruega.

Ao contrário do Brasil, onde a sociedade é excluída da participação no conteúdo da mídia, a regulação publicitária na Noruega é feita por um órgão estatal, que recomendou aos fabricantes de automóveis que não utilizem mais frases mentirosas associando suas máquinas à preservação do planeta.

Mas bom mesmo é o Brasil, onde há quem acredite em auto regulamentação da publicidade

Comentário por Allan Patrick

O relatório completo (em inglês) pode ser encontrado na página do órgão público norueguês, o Forbrukerombudet, clicando aqui.

Esse prática é conhecida internacionalmente como greenwash.