Música e cultura do Saara Ocidental

Por Allan Patrick

Localização do Saara Ocidental. Fonte: wikipédia.

O Saara Ocidental, como já falamos aqui uma vez mas não faz mal repetir, é a última nação africana a permanecer como colônia. Tal como ocorreu com o Timor Leste, que foi invadido e ocupado pela Indonésia quando Portugal se retirou do país, o Saara foi invadido pelo Marrocos quando o regime franquista começou a desmoronar na Espanha. Parte do seu povo vive discriminado como pessoas de segunda classe em sua própria nação e os demais vivem nas poucas regiões livres do país, em meio ao deserto do Saara, ou em acampamentos de refugiados na Argélia. O país é dividido por um muro de 2700km de extensão, com mais de 5 milhões de minas, construído pelo Marrocos para separar as regiões do país sob seu domínio daquelas que os próprios saaráuis controlam.

No último mês de abril, representantes do país estiveram no Brasil para tentar convencer nossas autoridades a reconhecerem o país (entre nossos vizinhos, Uruguai, Bolívia, Suriname, Guiana, Paraguai e Venezuela já mantem relações diplomáticas com o Saara).

Mas eu abri esse post foi pra falar de música, porque o programa Mediterráneo da Radio3 da Espanha – um dos melhores de world music gratuitamente disponíveis na internet – dedicou toda uma edição ao Saara Ocidental. Apesar de todas as provações do povo saaráui, sua cultura musical resiste. É só clicar play e ouvir.

Veja também

A última colônia africana.

14 de Julho

1

Avante, filhos da Pátria,
O dia da Glória chegou.
O estandarte ensangüentado da tirania
Contra nós se levanta.
Ouvis nos campos rugirem
Esses ferozes soldados?
Vêm eles até nós
Degolar nossos filhos, nossas mulheres.
Às armas cidadãos!
Formai vossos batalhões!
Marchemos, marchemos!
Nossa terra do sangue impuro se saciará!

2

O que deseja essa horda de escravos
de traidores, de reis conjurados?
Para quem (são) esses ignóbeis entraves
Esses grilhões há muito tempo preparados? (bis)
Franceses! Para vocês, ah! Que ultraje!
Que élan deve ele suscitar!
Somos nós que se ousa criticar
Sobre voltar à antiga escravidão!

3

Que! Essas multidões estrangeiras
Fariam a lei em nossos lares!
Que! As falanges mercenárias
Arrasariam nossos fiéis guerreiros (bis)
Grande Deus! Por mãos acorrentadas
Nossas frontes sob o jugo se curvariam
E déspotas vis tornar-se-iam
Mestres de nossos destinos!

4

Estremeçam, tiranos! E vocês pérfidos,
Injúria de todos os partidos,
Tremei! Seus projetos parricidas
Vão enfim receber seu preço! (bis)
Somos todos soldados para combatê-los,
Se nossos jovens heróis caem,
A França outros produz
Contra vocês, totalmente prontos para combatê-los!

5

Franceses, em guerreiros magnânimos,
Levem/ carreguem ou suspendam seus tiros!
Poupem essas tristes vítimas,
que contra vocês se armam a contragosto. (bis)
Mas esses déspotas sanguinários
Mas esses cúmplices de Bouillé,
Todos esses tigres que, sem piedade,
Rasgam o seio de suas mães!…

6

Entraremos na batalha
Quando nossos antecessores não mais lá estarão.
Lá encontraremos suas marcas
E o traço de suas virtudes. (bis)
Bem menos ciumentos de suas sepulturas
Teremos o sublime orgulho
De vingá-los ou de segui-los.

7

Amor Sagrado pela Pátria
Conduza, sustente nossos braços vingativos.
Liberdade, querida liberdade
Combata com teus defensores!
Sob nossas bandeiras, que a vitória
Chegue logo às tuas vozes viris!
Que teus inimigos agonizantes
Vejam teu triunfo e nossa glória

Mimo 2009

Tive o prazer de presenciar dois eventos da Mostra Internacional de Música em Olinda, Edição 2009. Na Basílica do Carmo, em Recife, o St. Petersburg String Quartet (Quarteto de Cordas de São Peterburgo, Rússia). E, na Praça do Carmo em Olinda, uma apresentação do inigualável Buena Vista Social Club. Parabéns a Olinda pela organização de tão belo evento.

Buena Vista Social Club.

Buena Vista Social Club.

St. Petersburg String Quartet.

St. Petersburg String Quartet.

E eu ainda tive meus 15 segundos de fama concedendo entrevista à filial pernambucana da Rede Globo.