Caça às bruxas. Século 21. Ano 2010

Por Allan Patrick

Uma pequena pausa para tratar de um assunto fora do tópico deste caderno. Enquanto a imprensa nacional e internacional gasta litros de tinta e horas de reportagem para tratar de democracia em Cuba e no Irã, numa monarquia absolutista conhecida como Arábia Saudita (saudita porque pertencente à família Saud), dá-se a condenação à pena de morte por decapitação de um ser humano acusado de… bruxaria! Isso mesmo, você não leu errado, bruxaria! A matéria pode ser vista na Agence France-Presse (em inglês). A repercussão na imprensa internacional e nacional, face ao absurdo da situação, é praticamente nula.

O rei Juan Carlos parece com Berlusconi

Na Espanha, a blindagem midiática do Rei Juan Carlos é praticamente absoluta. Um dos poucos meios que rompem essa rede de proteção é o jornal Público, uma das gratas surpresas da imprensa europeia em anos recentes. Aqui uma entrevista com o Senador Iñaki Anasagasti, filiado ao Partido Nacionalista Basco (PNV, em espanhol, EAJ, em basco), que atua na região do País Basco e cuja matriz ideológica é de centro-direita. A matéria original pode ser consultada aqui. Notas de esclarecimento estão entre colchetes [ ].

“O rei é parecido com Berlusconi”

O portavoz do PNV no Senado ataca, no seu último ensaio, a vassalagem cega à monarquia espanhola.

Iñaki Anasagasti

Iñaki Anasagasti

Há quase 20 anos como parlamentar em Madri e como portavoz do PNV, Iñaki Anasagasti (Venezuela, 1947) é provavelmente o político que mais esteve presente junto ao rei em atos oficiais. “Ao menos seis por ano”, lembra em seu último livro, “Uma monarquia protegida pela censura” (Edições FOCA), escrito por encomenda de outra Editora, mas que não se atreveu a publicá-lo. Como a criança do conto de Hans Christian Andersen, Anasagasti se atreve a dizer em voz alta que o rei está nu.

O conto parece escrito por você pensando no rei.

É um dos tabus da democracia que ninguém quer abordar. Não se pode falar de algo tão importante como o Chefe de Estado; há uma censura de ferro, um tratamento hagiográfico próprio do Irã, Coreia ou de países do terceiro mundo.

Você afirma que a monarquia está protegida pela censura, mas o senhor é livre para criticá-la e um diário pode reproduzir suas críticas.

Talvez a palavra censura tenha que ser substituída por silêncio. Mas houve censura com a revista El Jueves e com as caricaturas de Deia a propósito do urso Mitrofán [Nota: um urso domesticado que foi alcoolizado e solto num parque natural para ser caçado (ilegalmente) pelo rei]. Existe uma censura encoberta.

Como é o rei?

O rei Juan Carlos

O rei Juan Carlos

Ele tem uma educação militar e é um homem inculto. Não valoriza os representantes eleitos pelo povo. Recentemente, tive uma imensa decepção com o que fez a Ibarretxe [Nota: político do PNV e até pouco tempo Presidente do País Basco, cargo que tem o nome de lehendakari]. Na inauguração da biblioteca de Deusto, em fevereiro, estando na presença do lehendakari, Patxi López [do Partido Socialista Espanhol, seção do País Basco] e Basagoiti [do Partido Popular, seção do País Basco], o rei disse a López: “Vamos ver quando é que você despacha esses caras, que já levam muito tempo governando”. Se o PNV levava muito tempo no governo é porque foi eleito democraticamente, enquanto que o rei foi escolhido por um ditador.

Fazendo um balanço da monarquia, quais os acertos e os erros?

O rei é uma figura familiar depois de 30 anos sorrindo diariamente na televisão. Eu gostaria de saber como seria se a população fosse informada de sua vida privada, com as suas distintas amantes; de seus negócios privados, ou sobre o seu verdadeiro papel no 23 F [tentativa de golpe de estado em 23 de fevereiro de 1981, durante a transição democrática na Espanha; a mídia atribui a Juan Carlos importante papel em debelar o movimento militar].  Às vezes me dizem: “Você gostaria que o Presidente da República fosse Aznar?” [ex-premiê da Espanha pelo Partido Popular, favorável a um governo central forte em detrimento da autonomia das regiões do país, como Catalunha e País Basco] Não, claro, mas ele poderia ser retirado. Além do mais, pode acontecer como na Itália, onde Berlusconi é um desastre mas o Presidente da República é um acadêmico, com uma trajetória democrática, tem bagagem. Mas o rei, ele sabe alguma coisa de que?

As coisas vão melhorar com o Príncipe? [Felipe, filho e herdeiro de Juan Carlos]

É uma pessoa mais culta, mas não me agrada nem um pouco Letizia [esposa de Felipe]. É um personagem sobredimensionado que está atuando de maneira incorreta, porque lhe deram muita trela. Em lugar de manter uma certa simplicidade, caminhou no sentido contrário, mantendo uma distância supérflua.

As pesquisas, no entanto, mostram que o rei está muito bem avaliado.

É normal, porque as pesquisas do CIS [uma espécie de Ibope estatal] são viciadas. Deixem-nos fazer as perguntas. Além disso, há o veto às críticas ao rei; quem o critica vira um maldito ou um estranho.

Haverá uma terceira República espanhola?

Seria um sinal de grande maturidade. Nos países europeus com monarquia, a figura do rei é decorativa. Aqui, a Constituição faz dele o Chefe das Forças Armadas. Irritou-me que não tenha dito nada sobre a guerra no Iraque. Sobre a Lei de Memória Histórica, também nada. Nunca pediu desculpas e olhe que passou 30 anos ao lado de um ditador sanguinário. Essa história de que o rei é de todos os espanhóis eu não engulo, é uma lorota.

A guerra do Iraque foi um ponto de inflexão de seu desgosto com a monarquia?

Numa ocasião, eu estava com Felipe Alcaraz, que carregava um adesivo de “Não à guerra” e o rei nos perguntou por esse lema; durante a explicação, ele nos disse que era militar e que gostava das guerras. Eu respondi que achava isso uma barbaridade e que, se ele gostava, ele mesmo poderia ir ou mandar seu filho pro Iraque. Além disso, todos nós dos grupos de oposição pedimos para vê-lo porque Aznar se furtava do debate no Parlamento, mas o rei só atendeu Zapatero. Se a Constituição assegura que o rei faz a guerra e declara paz e que é o Chefe das Forças Armadas, mas que não tem nada a dizer sobre o Iraque e fala que gosta das guerras porque é um militar, então me parece que é tão culpado quanto Aznar.

A monarquia espanhola resistiria às críticas que a britânica recebe?

Não. Aqui não entendemos como os italianos podem votar em Berlusconi. Não quero comparar o rei com Berlusconi, mas é o que temos de mais parecido. O rei é riquíssimo, apesar de tudo o que se fala. É o único que recebeu aumento apesar da crise, porque todo mundo, o Congresso, a Administração Pública, está com seus gastos congelados, mas ele teve aumento de salário. Isso, em qualquer país, seria um escândalo. Aqui não. Não há debate; ele está protegido pelo silêncio e por isso as pessoas pensam que ele não tem nada a ver com Berlusconi, mas tem tudo a ver.

Quem fiscaliza as contas do rei?

Ninguém. É inadmissível que um Chefe de Estado não responda perante ninguém. Franco, pelo menos, respondia perante Deus, o rei não. As contas da casa real espanhola são as mais opacas do mundo, é incrível. E mais, o protagonismo da casa real, que não tem amparo na Constituição, muitos se ajoelham diante deles. Há espanhóis que são simplesmente imbecis; eu não tenho cultura de vassalagem e não admito humilhar-me diante de um senhor que não foi eleito democraticamente.