Arábia Saudita, paraíso da escravidão moderna

Por Allan Patrick

Imigrantes na Arábia Saudita. Foto: AFP via Allvoices.

Existem diversas formas de manifestação contemporânea do trabalho escravo. Uma das mais disseminadas e, paradoxalmente, menos divulgada é a da exploração de imigrantes nos países ricos da península arábica.  Embora tenhamos no Brasil diversas ocorrências de escravidão por dívida – que nos envergonham gravemente – ao menos os nossos agentes públicos, como os fiscais do trabalho, dentro das suas possibilidades, agem para combater essa prática.

No caso da Arábia Saudita, a situação é muito pior, pois é uma prática respaldada pelo governo. País que só aboliu a escravidão tradicional em 1962, a Arábia Saudita mantém um sistema legal generoso com patrões que abusam de empregados imigrantes, mantendo-os coagidos sob o poder de domínio em relação aos seus vistos. Os imigrantes só podem sair legalmente da Arábia Saudita e retornar à seus países com o “de acordo” de seus patrões, uma porta aberta ao abuso. Hoje (26/06/2011), o dominical britânico The Observer aborda, na reportagem Lost in a wilight world, far from home – migrante ate mercy of Saudi ‘madams’ os abusos sofridos pelas cerca de 500 mil empregadas domésticas estrangeiras que vivem na Arábia Saudita, a maioria originária de regiões pobres da Índia e das Filipinas. Uma pena que a CartaCapital, que detem os direitos para publicar em português matérias do The Observer, dê preferência a reportagens sobre fofocas políticas do que a investigações de peso, como esta.

Um ponto que pessoalmente me irrita nessa questão é que, por ter um marco legal tão “favorável” ao empregador, a Arábia Saudita é tida pelo Banco Mundial como um dos melhores países do mundo na lista do relatório Doeing Business, sobre o qual já escrevi aqui no caderno. E esse relatório, como uma praga, vira e mexe aparece como ponto de referência dentro da administração pública brasileira. Fruto dos inúmeros acordos de consultoria internacional entre a administração pública e as agências internacionais, como o Banco Mundial.

Veja também:

Banco Mundial, o relatório Doeing Business e a escravidão.

Globalização segundo Samuel Pinheiro Guimarães

Samuel Pinheiro Guimarães

Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães.

O embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, recém nomeado ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, é uma daquelas pessoas que gosta de trazer a público informações relevantes que não são do conhecimento do grande público, provocando boas reflexões. É uma ótima leitura a entrevista que recentemente concedeu à revista CartaCapital. Destaco um pequeno trecho, no qual ele praticamente zomba dos que defendem que só a globalização, como fenômeno recente, propiciou uma maior integração internacional:

CartaCapital: Li que o senhor também detesta a globalização…

SPG: Ninguém pode detestar um fenômeno, a globalização é um processo histórico. Mas talvez o mundo estivesse mais integrado antes da Primeira Guerra Mundial do que hoje. As pessoas podiam viajar sem passaporte, migrar livremente de um país para outro, não havia nenhuma restrição ao fluxo de capital… Se nós tivéssemos cumprido a política neoliberal que advogava a globalização, estaríamos hoje numa situação dificílima, gravíssima. Se estamos nos recuperando é porque os governos anteriores, ao aplicar as políticas neoliberais, não conseguiram avançar até onde desejavam. (grifo nosso)

O proletariado não curte o feriadão

Traduzo abaixo texto de Ignacio Escolar, publicado no seu blogue Escolar.net, um dos principais da blogosfera espanhola. O original pode ser encontrado aqui.

Parece um conto de Charles Dickens, mas não ocorreu na Inglaterra do século XIX. Foi na Gandia (Valência, Espanha) do século XXI. Franns Melgar, boliviano, imigrante, não documentado, trabalhava das onze da noite às onze da manhã numa padaria industrial em troca de uma diária de 23 euros: o preço de 23 baguetes de pão francês. Há algumas semanas, uma máquina cortou seu braço e o patrão decidiu que se safar era mais importante que o braço de Melgar, sendo assim levou o trabalhador até próximo à porta do hospital, pediu que ele mentisse sobre o acidente, jogou o braço no lixo, limpou o sangue, limpou a máquina e continuou com a produção. Parece que também limpou a consciência, pois em declarações ao jornal Levante, disse que “a culpa foi toda dele” (Melgar) porque “estava bêbado”. Os médicos tentaram reimplantar o braço, mas só conseguiram encontrá-lo várias horas depois, no meio do lixo, quando já era tarde. Diferentemente do empregado, o proprietário da padaria não teve seu nome divulgado.

Dizem que a esquerda é carta fora do baralho neste século porque não existe mais o proletariado. Falso: os trabalhadores de Dickens continuam por ai, do mesmo modo que a exploração patronal. Só que agora eles são chamados de imigrantes ilegais e não têm direito a voto. Não existem, não são nada, não são ninguém.

Esta tarde, antes de escrever esta coluna, liguei para a assessoria de imprensa do Ministério do Trabalho (da Espanha) para obter algumas informações importantes: o valor da multa que paga o empregador que não formaliza o contrato de seus trabalhadores, o número de acidentes de trabalho na Espanha e quantos destes afetam imigrantes sem contrato. Não souberam me responder. A única resposta: “É que amanhã é feriado em Madri”.

Veja ainda a matéria do jornal Público, para o qual Escolar colabora, sobre a notícia: Un empresario tira el brazo de un empleado ‘sin papeles’ a la basura después de sufrir un accidente laboral.

Atualização em 11/06/2009:

A panificadora foi fechada e o governo estuda um meio de regularizar a situação do imigrante, por razões humanitárias.

China versus Brasil

Índios guaranis escravizados

Índios guaranis escravizados. Autor: Jean Baptiste Debret. Fonte: wikipédia.

É muito comum encontramos no Brasil, até mesmo entre pessoas bem intencionadas, quem repete a cantilena propagada pelo PIG de que o Brasil é uma desgraça, o povo não presta, somos todos corruptos, não temos futuro, a Constituição de 1988 deu muitos direitos, etc. Para coroar a narração, costuma-se dar um exemplo de lugar onde tudo é feito como se deve: a China. Lá não há direitos trabalhistas, não tem essa bobagem de ambientalismo nem muito menos essa tolice romântica de direitos humanos. Lá sim é que as coisas são bem feitas e o país é bem conduzido!

Bom, isso nos faz refletir sobre um assunto importante: o que é relevante para o desenvolvimento da humanidade? Números econômicos? Estatísticas? Ou, quem sabe, a vida das pessoas?

Faço essa reflexão com base na recente Operação Da Shan, executada pela Polícia Federal, que desbaratou uma quadrilha especializada no tráfico de seres humanos – no caso, chineses – de seu país de origem para, pasmem caros leitores do PIG, o Brasil. Um tanto chocante para quem tem na mente a imagem estereotipada criada pela mídia. Pelo visto, os próprios chineses sabem muito bem qual o melhor lugar para se viver, ainda que tenham que pagar e se submeter a traficantes que irão vendê-los como escravos.

PF prende 14 suspeitos de tráfico de trabalhadores chineses para o Brasil

Alex Rodrigues – Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Polícia Federal (PF) prendeu hoje (22) 14 pessoas suspeitas de integrarem uma organização criminosa internacional especializada em tráfico de pessoas. O líder do grupo, suspeito de introduzir ilegalmente trabalhadores chineses no Brasil, Zhu Ming, foi detido em São Paulo, onde mais uma pessoa ligada ao grupo também foi presa. Mais 12 prisões ocorreram em Rondônia.

Ao cumprir os 14 mandados de prisão e 24 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal, a PF também apreendeu R$ 84 mil na casa que Ming mantinha em Recife (PE) e mais R$ 124 mil em sua casa em São Paulo. Também foram encontrados ainda instrumentos para a falsificação de passaportes e duas notificações originais para a saída de chineses do Brasil. As notificações haviam sido expedidas pela Delegacia da Polícia Federal, em Vilhena.

Os membros da organização responderão pelos crimes de formação de quadrilha e por manter trabalhadores em condições análogas a de escravidão. As penas podem chegar a 11 anos. Os suspeitos podem ficar presos, em caráter preventivo, até o julgamento.

Segundo a nota divulgada pela PF, as investigações que desencadearam a Operação Da Shan (referência à província chinesa de Fujan, no Sul da China, origem da maioria dos trabalhadores) começaram em 2008, após as prisões em flagrante realizadas nas cidades rondonenses de Porto Velho, Ji-Paraná e Vilhena.

Os chineses foram flagrados usando passaportes com carimbos de visto de entrada falsificados. A partir daí, as autoridades brasileiras descobriram que um grande número de imigrantes entravam ilegalmente no país por Rondônia. A rota usada passava ainda pela Holanda, Peru, Equador e e Bolívia.

De acordo com a PF, o grupo criminoso liderado por Ming (também conhecido por Tony) é composto por aliciadores – os chamados coiotes – que atraem as pessoas com promessas de trabalho.

Textos relacionados:

Brasil versus China: previdência e saúde pública.

Relações de trabalho na China.

O ovo da serpente

"Então mostre o seu amor pelos estrangeiros, porque vocês foram estrangeiros na terra do Egito. Deuteronômio 10:19". Foto por Edu-Tourist

"Então mostre o seu amor pelos estrangeiros, porque vocês foram estrangeiros na terra do Egito. Deuteronômio 10:19". Foto por Edu-Tourist

O ovo da serpente é o filme em que Ingmar Bergman mostra a gestação do nazismo (a serpente) na Berlim da década de 1920. Notícias como esta, do jornal espanhol Público, nos fazem pensar:

Una línea de autobús sólo para inmigrantes en Italia

La línea 24 de Foggia hará dos recorridos para “crear un servicio mejor”, uno para italianos y otro para extranjeros

La compañía de transportes automovilísticos de Foggia, en el sur de Italia, inaugurará el próximo lunes una línea de autobús sólo para inmigrantes, han informado los medios locales.

Se trata de una duplicación de la línea 24, que hará dos recorridos diferentes, uno para los italianos residentes en la localidad y otro para los inmigrantes, y que unirá Foggia con el arrabal de Mezzanone. El autobús destinado a los inmigrantes tendrá su origen en el centro de acogida para los solicitantes de asilo ubicado en ese arrabal, mientras que la línea tradicional partirá del centro de Mezzanone.

“Cansados de robos”

Monumento aos imigrantes em Nova Iorque. Foto por melanzane1013

Monumento aos imigrantes em Nova Iorque. Foto por melanzane1013

Según los medios locales, la decisión de poner dos autobuses diferentes y que ha obtenido la aprobación del Ministerio del Interior italiano se debe a los problemas sucedidos en los últimos tiempos entre los inmigrantes y los residentes en Mezzanone.

El diario ‘La Repubblica’ explica que se han vivido diversos episodios de “intolerancia por parte de los residentes en Mezzanone, cansados de robos y molestias por parte de los inmigrantes”. Asimismo, relata que numerosos conductores de autobús han solicitado escolta policial tras haber sufrido agresiones.

El gobernador de la región, Nichi Vendola, ha asegurado que es necesario “abolir cuanto antes” esta iniciativa, a la vez que ha asegurado que las medidas que deben tomarse son las de multiplicar los servicios para todos los residentes en la zona.

Por otro lado, el alcalde de Foggia, Orazio Ciliberti, ha aclarado que “no se trata de una cuestión de racismo, sino de crear un servicio mejor. Nadie impide a los inmigrantes del centro de acogida que caminen dos kilómetros para poder coger el autobús que parte del centro de Mezzanone”.

Não, não dá para concordar com aqueles que, à esquerda, gostam de situar políticos centristas ou de centro-esquerda, como Obama ou Lula, no mesmo saco de gatos da direita, onde se amontoam os Bush, Berlusconi e Aznar da vida.

Atualização de 26/04/2009:

Minha tradução:

Uma linha de ônibus só para imigrantes na Itália

A linha 24 de Foggia terá dois percursos para “oferecer um serviço melhor”, um para italianos e outro para estrangeiros.

A companhia de transporte público de Foggia, no sul da Itália, inaugurará na próxima segunda-feira uma linha de ônibus só para imigrantes, informaram os meios de comunicação local.

A nova linha é um clone da linha 24, que agora terá dois percursos distintos, um para os italianos residentes na cidade e outro para os imigrantes, no seu trajeto entre Foggia e o distrito de Mezzanone. O ônibus destinado aos imigrantes terá sua origem no centro de acolhida para os solicitantes de asilo localizado nesse distrito, enquanto que a linha tradicional partirá do centro de Mezzanone.

“Cansados de roubos”

Segundo a imprensa local, a decisão de por dois ônibus diferentes – aprovada pelo Ministério do Interior da Itália – deve-se aos problemas ocorridos nos últimos tempos entre imigrantes e residentes de Mezzanone.

O diário “La Repubblica” explica que houve diversos episódios de “intolerância por parte dos moradores de Mezzanone, cansados de roubos e perturbações por parte dos imigrantes”. Nesse sentido, relata que vários motoristas de ônibus solicitaram escolta policial por ter sofrido agressões.

O governador da região, Nichi Vendola, garantiu que é necessário “abolir o quanto antes” essa iniciativa e assegurou que as medidas que devem ser tomadas são as de multiplicar os serviços para todos os moradores da zona.

Por outro lado, o prefeito de Foggia, Orazio Ciliberti, esclareceu que “não se trata de uma questão de racimo, mas de criar um serviço melhor. Nada impede que os imigrantes do centro de acolhida caminhem dois quilômetros para poder pegar o ônibus que parte do centro de Mezzanone”.