Mercenários adoram paraísos fiscais

Fonte: Rede pela Justiça Fiscal. Original em inglês. A tradução é cortesia deste caderno.

Mercenários em ação no Iraque.

Matéria do Financial Times (FT):

As autoridas sulafricanas estão investigando relatos de que mercenários de seu país estão operando ilegalmente na Guiné, nação localizada no oeste da África, treinando e equipando milícias leais à junta militar. Ayanda Ntsaluba, Diretor-geral de Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul, afirmou a jornalistas que os mercenários parecem estar a serviço de uma companhia que opera através de Dubai.

Por que Dubai? Nós temos a resposta numa palavra: sigilo. Dubai é uma jurisdição onde o sigilo fiscal reina absoluto. Nosso projeto, Mapping the Faultlines (PDF), lhe atribui a nota 92 em obscuridade, uma das piores possíveis. Por que mercenários adoram paraísos fiscais? A resposta é óbvia, eles querem esconder o que estão fazendo. E a situação na Guiné é muito, muito desagradável. A matéria do FT cita ainda que:

Desde que soldados da Guiné abriram fogo contra manifestantes da oposição em setembro, matando 150 pessoas, de acordo com grupos de direitos humanos, o país vive sobre o fio da navalha. A comunidade internacional teme que a espiral de violência possa afetar os seus frágeis vizinhos, como Serra Leoa, Libéria e Costa do Marfim, todos eles recuperando-se de guerras civis.

O uso de jurisdições que oferecem sigilo fiscal total a essas companhias da morte é rotineiro. Vejamos um exemplo recente: o Estado de Delaware foi apontado como sede de empresas do notório traficante de armas Viktor Bout (N. do T.: personagem que inspirou o filme O Senhor das Armas), conforme relatório do Senador Carl Levin. Há também o caso do mercenário Simon Mann, que tentou dar um golpe de estado na Guiné Equatorial. Nessa ocasião, Guernsey (dependência britânica) e outros paraísos fiscais lutaram bravamente pela privacidade de seu cliente. Este blogueiro (N. do T.:  referência ao redator do blogue da Tax Justice Network) já fez contato, em campo, com vários mercenários na África e eles não têm qualquer constrangimento em relatar o uso intensivo que fazem de paraísos fiscais para conduzir seus negócios com discrição.

Os fatos não são agradáveis. Os paraísos fiscais estão encharcados de sangue.

Textos relacionados:

O que Dubai tem que o Brasil não tem?

Paraísos fiscais facilitam catástrofes ambientais.

Delaware, um paraíso fiscal.