O BNDES não tomou prejuízo com Eike Batista

Edifício Sede do BNDES. Foto: Marinelson.Almeida.

Edifício Sede do BNDES. Foto: Marinelson.Almeida.

Eleição se parece a um tempo de guerra, onde a verdade é a primeira que morre. Uma das informações incorretas que circulam livremente pela internet e pela imprensa é que o BNDES foi responsável por ajudar o empresário Eike Batista na construção do seu falido grupo empresarial, emprestando graciosamente a juros subsidiados. Como consequência, teria tomado um prejuízo bilionário com a falência do empresário, prejudicando o contribuinte brasileiro.

Essa informação é falsa! Eike foi uma invenção do mercado de capitais (bond holders e private equity) e dos bancos privados (Itaú, Bradesco, Santander e BTG, dentre outros).

O BNDES, efetivamente, emprestou R$ 6 bilhões ao Grupo X, mas sempre via bancos privados, os quais garantem os empréstimos. Sendo assim, o BNDES só viria a ter prejuízo com a operação se um dos bancos garantidores (Itaú, Bradesco, Santander ou BTG) viesse a falir.

Já o empréstimo da Caixa Econômica Federal, também banco público, ao Grupo X tem a garantia do Santander.

Como tantas elocubrações antipetistas, esta também não tem nexo com a realidade.

Atualização em 02/12/2014

Santander dá calote na Caixa.

O Itaú na Economist

Por Allan Patrick

Anúncios de contracapa do Itaú na Economist.

Há duas semanas eu escrevi sobre um anúncio do Banco Santander na revista The Economist, mas em termos de anúncios quem tem me chamado a atenção na revista é o Banco Itaú. Desde que cheguei aqui em Londres, tenho comprado todas as semanas a revista, e sem exceção, sempre está lá um anúncio de página inteira do Banco Itaú. Com tanta regularidade, nem a IBM, a Toyota e a Samsung, outros dos anunciantes mais frequentes da revista. Certamente, é o maior anunciante da revista que não tem os leitores como potencial clientela. Mais recentemente, o Itaú tem sido mais ousado, e ocupa a contracapa edição sim, edição não.

Exemplo de edições da Economist que tiveram anúncio do Itaú na contracapa.

O interessante é que, após décadas em que as empresas e analistas brasileiros sofriam com a fraqueza da marca “Brasil”, que aos olhos estrangeiros mal se diferenciava da América Latina como um todo, o Itaú está aparentemente dando um passo atrás, ao se anunciar como um o “banco global da América Latina”. Sim, o Itaú é o maior banco privado do Brasil. Mas sua presença na Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile é tímida. E, fora desse conjunto de países na América do Sul, é um banco irrelevante em termos de varejo. E a presença na imprensa de economia londrina do nome Brasil é muito mais forte do que América Latina.

Qual será o objetivo do banco? Valorizar a “marca” e, portanto, seu posicionamento na mente dos analistas de mercado no exterior? A categoria América Latina (onde há concorrentes maiores, como o próprio Santander) é a correta?

Sobre essa campanha há um comunicado à imprensa, insosso e pouco explicativo, divulgado no começo do ano.

Veja também:

O Banco Santander e o Brasil.

O Banco Santander e o Brasil

Por Allan Patrick

Na edição da revista The Economist publicada duas semanas depois que escrevi o texto “O segundo tempo da crise econômica mundial”, no qual citei as dificuldades do Banco Santander em passar adiante (securitizar) dívidas dos entes públicos regionais da Espanha, esse mesmo banco publicou um anúncio de página inteira, indicando a origem dos seus lucros no primeiro trimestre de 2011 (Q1 2011, na gíria do mercado).

Obviamente, o anúncio não foi uma resposta ao meu texto. Mas se eu, um simples blogueiro, fiz aquela leitura, com os dados disponíveis na imprensa, certamente centenas de analistas do mercado financeiro também fizeram. Essa sim foi a motivação para a publicação do anúncio, que vocês podem ver abaixo:

Distribuição geográfica dos lucros do Banco Santander Q1 2011. Fonte: The Economist, 09/jul/2011.

O maior banco da zona do euro faz questão de alardear que 25% dos seus lucros – a maior parcela – vem do Brasil. Um bom – e mau – sinal de como anda nossa economia.

Veja também:

O segundo tempo da crise econômica mundial.

Declaração de New Haven

A tradução para o português é de nossa autoria. Fonte: Red Justicia Fiscal (Tax Justice Network).

Declaração de New Haven sobre Direitos Humanos e a Transparência e Integridade no Sistema Financeiro

Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão já tem mais de 200 anos, mas o significado dos Direitos Humanos se expande a cada dia.

Os Direitos Humanos e a honestidade financeira estão intimamente ligados. Aonde reina a pobreza, costumam ser desrespeitados os direitos civis, políticos e econômicos. Na atualidade, em muitos países em desenvolvimento, estas situações de pobreza e opressão são agravadas pela existência de enormes fluxos de saída de capital ilícito – que superam sobremaneira o total da ajuda ao desenvolvimento.

O dinheiro ilícito sai dos países mais pobres através de um sistema financeiro global paralelo composto por paraísos fiscais, jurisdições com sigilo bancário, empresas de fachada, contas de aplicação anônimas, fundações falsas e práticas como lavagem de dinheiro ou manipulação de preços de transferência para evasão fiscal. Grande parte desse dinheiro é transferido de modo permanente às economias ocidentais.

A redução desses fluxos de saída ilícitos exige uma maior transparência e integridade no sistema financeiro global. Alcançar esse objetivo é, por sua vez, um pré-requisito para criar um marco econômico aberto, responsável, justo e benéfico para todos.

Por isso, exortamos as Nações Unidas, o G8, o G20, a Organização Mundial do Comércio, o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e outros fóruns internacionais, assim como os governos nacionais, grupos religiosos e organizações da sociedade civil, a reconhecer a estreita vinculação existente entre os Direitos Humanos e a transparência financeira. Desse mesmo modo, incitamos a tomada de medidas de relevo que assegurem aos países em desenvolvimento condições para que possam reter seus próprios recursos para, assim, alcançar um desenvolvimento sustentável e lutar contra a pobreza; objetivo que devem atingir para que se possa assegurar os Direitos Humanos de todas as pessoas.

Os indivíduos e as organizações abaixo assinadas se comprometem a trabalhar conjuntamente nos próximos meses para avançar nesta agenda e para tentar somar novas vozes a esta tarefa.

Anistia Internacional
Human Rights Watch
Oxfam
Basel Institute on Governance
Global Financial Integrity
Center for Applied Philosophy and Public Ethics
Open Society Institute Justice Initiative
Asia Initiatives
Task Force on Financial Integrity and Economic Development
Tax Justice Network
Christian Aid
National Council of Churches
Harrington Investments, Inc.
Asociación Civil por la Igualdad y la Justicia
Thomas Pogge, Yale University
Robert Hockett, Cornell University
Frank Pasquale, Seton Hall

Veja também:

Texto da Declaração em espanhol.

Texto da Declaração em inglês.

Imposto sobre transações financeiras nos Estados Unidos

Comentário: A cada amadurece mais a ideia, nos Estados Unidos, de um imposto sobre transações financeiras. O texto, que aqui traduzimos, vem do blogue da Rede pela Justiça Fiscal.

O novo imposto afetaria o mercado financeiro.

A Bloomberg noticia que:

Um grupo de congressistas do Partido Democrata propôs a criação de imposto sobre grandes transações financeiras, a incidir sobre ações e derivativos.

O potencial de arrecadação estimado é de cerca de US$ 150 bilhões. O Senador Tom Harkin, de Iowa, classificou o imposto de “a forma mais indolor” de elevar a arrecadação e dar um freio nas especulações mais arriscadas do mercado financeiro. E acrescentou:

Não pergunte o que a América pode fazer por Wall Street, mas o que Wall Street pode fazer pela América.

A proposta resultaria na criação:

de um imposto com alíquota de 0,25% sobre transações com ações acima de US$ 100 mil e alíquota de 0,02% para derivativos, incluindo índices futuros, opções, swaps e credit default swaps.

O Senador Harkin e o Deputado DeFazio disseram que a proposta é apoiada por mais de 200 economistas (N. do T.: inclusive Paul Krugman), a central sindical AFL-CIO e líderes empresarias como  Warren Buffett e o fundador do Vanguard Group Inc. John C. Bogle, atual presidente da Bogle Financial Markets Research.

O mercado de ações e derivativos “tem grande capacidade contributiva”, um especialista afirmou, “mas os bancos se defendem muito bem” por lobistas que se opõem à ideia. A administração Obama ainda não manifestou apoio ao tributo.