A derrota de Obama em Massachusetts

Por Allan Patrick

Muito tem sido escrito sobre a derrota do Partido Democrata na eleição especial para a vaga do Senador Ted Kennedy, falecido no ano passado. Massachussetts, estado de origem da família Kennedy, tradicionalmente vota em candidatos do Partido Democrata. Há, no entanto, uma particularidade sobre o sistema eleitoral dos Estados Unidos que muitos analistas, principalmente aqueles no Brasil, não tem percebido. Naquele país, o voto não é obrigatório. Isto quer dizer que o fato de um senador do Partido Republicano não significa que houve uma mudança significativa nas preferências eleitorais daquele Estado. Basta comparar o número de votos do republicano Scott Brown, eleito senador, com os do derrotado candidato a Presidente, John McCain:

John McCain em 2008: 1.108.854 votos
Scott Brown em 2010: 1.168.107 votos

Já no campo democrata:

Barack Obama em 2008: 1.904.097 votos
Martha Coakley em 2010: 1.058.682 votos

Ou seja, o que ocorreu foi que quase a metade dos eleitores democratas que votaram em Obama em 2008 ficaram em casa na eleição para o Senado.

Quais os motivos que fizeram o eleitor democrata ficar em casa? Um motivo, provavelmente, deve ter sido a reforma do sistema de saúde. A maior parte dos analistas, principalmente nos Estados Unidos, defende que Obama se desgastou por aprovar uma reforma da saúde que aumenta o gasto público. Mas é difícil de aceitar que essa seja a versão mais próxima da realidade, até porque o próprio estado de Massachusetts tem uma legislação na área de saúde muito parecida com a que Obama quer aprovar no âmbito nacional.  O motivo pode ter sido o contrário: um giro ao centro muito rápido por parte de Obama, o que levou à desmotivação de seu eleitorado. Nesse sentido, defendeu Michael Moore: “Vergonha dos democratas“.

É mais provável que a realidade esteja próxima da famosa frase do publicitário de campanhas políticas, James Carville, que teria cunhado a frase “É a economia, idiota!” para galvanizar o sentimento da campanha de Bill Clinton e capitalizar o desempenho ruim da economia americana no período da presidência de George Bush (o Pai).

Para atestar esse fato, vejamos dois números relevantes da economia americana, divulgados no relatório da Agência de Informação em Energia:

Nos últimos dois anos houve queda no consumo de energia elétrica nos Estados Unidos.

Nos últimos dois anos (2008 e 2009) houve queda no consumo de energia elétrica nos Estados Unidos.

A redução no consumo de energia foid e 1,6 % em 2008 e 3,6 % em 2009 não foi resultado de qualquer tentativa de racionar ou consumir de forma mais eficiente a energia elétrica. Foi resultado direto do empobrecimento da população. Devemos lembrar que a energia elétrica, principalmente em países frios, é um dos últimos itens a serem cortados, seja no orçamento doméstico, industrial ou comercial, posto que não é supérfluo.

Mais complexo, porém também mais revelador, é o gráfico a seguir, do consumo de combustíveis nos Estados Unidos.

Evolução mundial no consumo de combustíveis entre 2003 e 2009.

Prestem atenção apenas à barra vertical da direita. Ela mostra se houve crescimento ou não no consumo diário de combustível. Em azul escuro está a China (crescimento em 2008 e 2009), em azul ciano escuro os Estados Unidos (decréscimo em 2008 e 2009) e em azul ciano claro o resto do mundo (crescimento em 2008 e redução em 2009). Tal como a energia elétrica, o combustível é um item básico de consumo, seja no caso das famílias, seja no âmbito da indústria e do comércio. E sua redução em 2009, na comparação com 2008, ano em que já tinha havido redução, é um péssimo sinal.