O assassino norueguês e o feminismo

Por Allan Patrick

O Democracy Now! joga uma luz no anti-feminismo do assassino.

O assassino e autor do cruel massacre da ilha de Utoya, Anders Behring Breivik, em seu escatológico “manifesto”, uma espécie de amalgama de todos os delírios da extrema-direita ocidental, expressa opiniões sobre o feminismo que se encaixam perfeitamente com o masculinismo. Como vemos na entrevista realizada pelo Democracy Now! com Jeff Sharlet — autor do livro A Família, sobre uma soceidade fundamentalista cristã americana — à jornalista Amy Goodman, aqui traduzida (trata-se da transcrição de um diálogo ao vivo na TV, por isso a oralidade do texto):

AMY GOODMAN: Por todo seu manifesto, Breivik culpa a revolução feminista pela decadência da Europa. Ele afirma até mesmo que tentou medir a decadência relativa de cada país europeu com base na disposição das mulheres em “ficar”. Em determinada parte do manifesto, ele escreve: “Fato: 60-70% de todos os marxistas culturais/multiculturalistas são mulheres. Isso explica em parte porque à medida em que avança a revolução feminista, avança também o multiculturalismo, que lhe está diretamente ligado. Essas feministas, marxistas culturais, não apenas querem mais benefícios e direitos para si. Elas querem tudo, e foram mais ou menos premiadas com tudo o que poderiam sonhar em alcançar. Elas agora alcançaram a supremacia do matriarcado em assuntos domésticos e exercitam uma influência substancial na política.”

Ele também escreveu, “Fêmeas tem um capital erótico significativamente maior que o dos homens devido às diferenças biológicas (nos homens prevalecem as necessidades sexuais urgentes e portanto eles são facilmente manipulados).”

Jeff Sharlet, como isso se encaixa no contexto de sua ideologia?

JEFF SHARLET: É verdade — quero dizer, este tem sido um dos aspectos que tem passado batido e sobre o qual não se comentou o suficiente: como a crítica ao feminismo é central no seu manifesto. Você sabe, há enormes trechos onde de fato ele está pegando todas as bandeiras levantadas pela direita cristã americana. E vai mais além. A ponto de chegar aos limites mais extremos da direita cristã americana, propugnando que as mulheres não devem se aprofundar nos estudos. E ele se vê envolto em toda sorte de — esse frenesi de fertilidade, descrito por minha amiga Kathryn Joyce em seu livro, Quiverfull [sobre o movimento homônimo], que é uma grande fonte de informação sobre esse tema, que a direita cristã americana vê as mulheres cristãs — americanas e europeias — como de algum modo responsáveis por não estarem cumprindo seu dever em ter um número suficiente de filhos para competir com as muçulmanas. E você sabe que, por mais maluco que isso pareça ser — eu escrevi um outro livro sobre esse tema — há um monte de deputados no congresso americano que endossam essa ideologia. No manifesto está incluído um longo artigo de um americano chamado Phillip Longman e sua ideia de restauração do patriarcado como pré-condição para combater o islamismo.

E, claro, ele vai além, como acontece em muitos desses textos, essa constante descrição da moral sexual das mulheres. Ele diz que é possível medir a fraqueza e a capacidade dos países ocidentais em lutar contra o islamismo, como você afirmou, pela facilidade com que as mulheres “ficam”, o que ele afirma ter feito com seu grupo de amigos ao viajar pela europa e constatar, você sabe, com quantas mulheres eles eram capazes de dormir. Portanto há, quero dizer, esse tipo de — parece loucura, mas só até você começar a ver quais são suas fontes. E desde o começo, ele retorna a essa ideia fixa de que o feminismo, os direitos das mulheres, estão no coração dessa espécie de quinta coluna da resistência ocidental ao islamismo.

Também já foi relatado o comentário preconceituoso de Breivik em relação ao Brasil, essa nação destinada ao “fracasso” por causa da miscigenação. O “manifesto” de Breivik é um verdadeiro compêndio, muitas vezes baseado no Copiar/Colar, de todas as asneiras pronunciadas pela extrema-direita, de leste a oeste, de norte a sul.